Dodge está na disputa e Bolsonaro diz que pode escolher nome de fora da lista tríplice

Votação dos procuradores acontece nesta terça (18); dez candidatos concorrem à lista tríplice da ANPR

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – A Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) organiza na noite desta terça-feira (18) a votação para a lista tríplice a ser entregue ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) para a escolha do novo procurador-geral da República.

Por lei, o presidente não é obrigado a indicar alguém entre os três nomes mais bem votados. A lista tríplice foi criada em 2001, mas desde 2003 todos os presidentes indicam para o posto um dos três nomes mais votados pelos cerca de 1500 membros da ANPR aptos a votar na eleição.

Neste ano, dez procuradores do Ministério Público Federal se candidataram: seis subprocuradores-gerais, último nível da carreira, e quatro procuradores regionais. O mandato é de dois anos e o período de Raquel Dodge no carto termina em setembro.

A atual procuradora-geral decidiu não participar da eleição para a lista tríplice, mas no início do mês, ela disse estar “à disposição” para uma eventual recondução ao cargo. Na ocasião, a procuradora-geral disse ainda que não tem feito nenhuma articulação para se manter no posto, mas que a permanência seria bem vinda.

Dodge foi escolhida por Michel Temer, em 2017, quando foi a segunda mais votada para o cargo. O ex-presidente quebrou uma tradição que vinha desde 2003, quando os presidentes da República escolhiam os primeiros colocados.

Bolsonaro tem indicado várias vezes a disposição de escolher um nome fora da lista. Segundo apurações da Folha de S.Paulo, o nome da atual procuradora ganhou força no Planalto porque aliados do presidente temem que, caso Bolsonaro escolha outro nome, sofra resistência no Senado, onde o aspirante ao cargo é sabatinado, após a indicação do Presidente. Se o nome escolhido por Bolsonaro não for sólido o suficiente e não for validade na casa, a leitura será de derrota política do governo.

Como Dodge já foi sabatinada e aprovada no Senado, sua recondução ao cargo não exigiria o mesmo procedimento. Pela constituição, não há número limite de reconduções permitidas no mesmo cargo do Ministério Público, portanto, Dodge pode ser reconduzida não apenas essa vez, mas nas próximas, indefinidamente.

Leia também:  Hungria: Partidos se unem em torno de 1 candidato contra a extrema-direita

O procurador-geral da República é chefe do Ministério Público da União, órgão que engloba Ministério Público Federal, Ministério Público Militar, Ministério Público do Trabalho e Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

Ele representa o MPF junto ao Supremo Tribunal Federal e Superior Tribunal de Justiça, sendo responsável por denunciar e investigar políticos com foro especial, como deputados federais, senadores e o próprio presidente.

*Com informações da Folha de S.Paulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Eu não reconheço méritos em Raquel Dodge para se manter na PGR. Em minha avaliação ela falhou na defesa e na aplicação da constituição federal e também na manutenção soberana do estado de direito. A PGR vem diminuindo sua estatura a cada ano e acredito que seja difícil esperar que aconteça uma recuperação integral, no próximo mandato. Desconfio que se o escolhido não for um dos três nomes escolhidos pela ANPR, talvez a coisa possa piorar ainda mais.

  2. Eu não reconheço méritos em Raquel Dodge para se manter na PGR. Em minha avaliação ela falhou na defesa e na aplicação da constituição federal e também na manutenção soberana do estado de direito. A PGR vem diminuindo sua estatura a cada ano e acredito que seja difícil esperar que aconteça uma recuperação integral, no próximo mandato. Desconfio que se o escolhido não for um dos três nomes escolhidos pela ANPR, talvez a coisa possa piorar ainda mais.

  3. A longa história de corrupção deste ex-presidente pode ser conhecida através dos livros “A Privataria Tucana”, de Amaury Ribeiro Jr. e “O príncipe da Privataria”, de Palmério Dória que traça um perfil arrasador sobre quem ele é, verdadeiramente.
    O Marreco de Maringá já havia poupado este grande corrupto e seus amigos tucano$ no Caso Banestado que revela a lavagem do dinheiro obtido pela cúpula do P$DB durante a Privataria:

    https://www.youtube.com/watch?v=STrxqSA0p8E

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome