Empresas fecham parceria com Prefeitura e se filiam ao Lide de Doria

Foto: Divulgação

Jornal GGN – Depois do Valor divulgar uma matéria revelando que João Doria viajou em jatinho emprestado de advogado que representa mais de 60 processos contra a Prefeitura de São Paulo, agora é a vez da Folha afirmar que vários grupos empresariais decidiram se filiar ao Lide antes e depois de fechar parcerias com o Paço.

Segundo a matéria publicada nesta quinta (21), sob o governo Temer, a Caixa Econômica Federal associou-se ao Lide em março, mesmo mês em que fechou parceria com a Prefeitura no lançamento da Nota do Milhão. O jornal salientou que o atual governo “aproximou-se de Doria nos últimos meses, ao mesmo tempo em que se afastou de seu rival interno no PSDB, Geraldo Alckmin”.

Outra empresa que decidiu se associar ao Lide é a Uber. A aproximação ocorreu em novembro de 2016, mês seguinte à vitória de Doria no primeiro turno. “Ao longo da campanha, o tucano defendeu reiteradas vezes a atividade da empresa”, disse a Folha.

Em março, a Estre Ambiental lançou um aplicativo do programa Limpa-Rápido. Quatro meses depois, a empresa se filiou ao Lide.

A Votorantim teve 2 reuniões em junho e uma em agosto assinaladas na agenda do prefeito. No meio delas, em julho, ocorreu a associação ao Lide. A Brookfield também se filiou em julho, e teve encontros com Doria na Prefeitura em março e setembro. As duas empresas alegam que têm interesse em fazer “doações” ao município.

Ainda de acordo com a reportagem, para ser uma associada do Lide, a empresa, primeiro, deve ser aprovada nos critérios do grupo, que incluem faturamento igual ou superior a R$ 200 milhões ou ser líder de mercado em seu segmento de atuação. Depois, deve arcar com anuidade de R$ 10 mil a R$ 16 mil.

Para a assessoria de Doria, contudo, “não é possível correlacionar a participação de empresas em reuniões na prefeitura e sua posterior filiação ao Lide.”

Hoje o Lide é dirigido pelos filhos de Doria, diz a Folha.

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Eduardo Ramos

- 2017-09-22 10:50:46

A maravilha de ser político
A maravilha de ser político de direita nesse país........ Se Lula tivesse 1% das ligações suspeitas de Dória Jr. com empresas "amigas da Prefeitura", em que o prefeito recebe anuidades e apoios diversos para a SUA empresa, enquanto se dispõe a privatizar tudo no município e a "fazer parcerias", mídia, sociedade, Ministério Público, Judiciário, se rasgariam de tanta fúria e indignação..... Temos então o país em que Lula é condenado num processo, tem mais uns sete contra ele, por terrenos, triplex, etc., que nunca foram dele, sendo o ex-presidente mais aclamado e respeitado no mundo, por tudo o que realizou. E temos um Dória Jr., em cuja empresa, a Lide, Moro compareceu sorridente, tirou fotos e ou viu um pedido PÚBLICO do tucano: "Vou pedir ao meu amigo Moro que adie a prisão de Lula para um tempo mais propício" Parece que esse tempo chegou. Parece que se o sujeito for amigo dos amigos, tudo pode, tudo está certo..... E uma sociedade enferma, bloqueada em sua razão, tudo assiste, impávida! Uns celebram, outros quedam-se em catatonia...... Pobre Brasil.

Manu bhz

- 2017-09-21 18:54:34

Com o filho dirigindo a

Com o filho dirigindo a empresa fica impossível o tráfico de influência.  Tá bom.

anarquista sério

- 2017-09-21 18:30:08

Doria é o maior blefe que

Doria é o maior blefe que surgiu na política brasileira.

Dizem que foi Collor.

  Mentira,

Collor era governador de Estado.

E Doria nunca foi nada,

E continua sendo nada.

Jus Ad Rem

- 2017-09-21 18:28:59

Nada como um prefeito "não político"...

Os coxinhas devem estar adorando as artimanhas do "J"ênio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador