Ex-Lava Jato, Erika Marena sofre derrota em processo contra o jornalista Marcelo Auler

Marcelo Auler é autor de reportagem que mostra indícios de envolvimento de Erika Marena nos vazamentos de informações da Lava Jato

O jornalista Marcelo Auler com camisa listrada, em pé e com os braços cruzados, em uma redação de jornalismo. Ao lado, a delegada da Lava Jato Erika Marena, durante audiência na Câmara dos Deputados
Fotos: Daniel Caron/Agência Brasil

A delegada da Polícia Federal Erika Marena, ex-Lava Jato, sofreu uma derrota na 10ª Vara Cível de Curitiba em processo que movia contra o jornalista investigativo Marcelo Auler e a Editora Confiança, que publica a revista CartaCapital, desde 2016.

Auler é autor de uma reportagem que apontava indícios de envolvimento de Marena em vazamento de informações da Lava Jato. As evidências contra a delegada estavam dentro de um inquérito da própria Polícia Federal.

Marena rechaçou participação em vazamentos e procurou a Justiça na tentativa de censurar a reportagem e receber indenização no valor de R$ 100 mil.

O juiz Pedro Ivo Moreira concluiu que a análise crítica de Auler está amparada pelo “direito fundamental à liberdade de pensamento e expressão”, “motivo pelo qual não há ilicitude que ampare a supressão de conteúdo ou indenização”.

Além de atuar na Lava Jato, Erika Marena também foi responsável pelas investigações da Ouvidos Moucos, da Polícia Federal. As violações e erros cometidos na operação vitimaram vários professores da Universidades Federal de Santa Catarina. Entre eles, o ex-reitor, Luiz Carlos Cancellier, cuja autoimolação foi um dos maiores gritos contra a sanha punitivista nos últimos anos.

A TV GGN tem um documentário sobre o caso. Assista aqui:

Parceiro da TV GGN, Marcelo Auler comentou sobre o processo de Erika Marena com o jornalista Luis Nassif. Assista abaixo:

Leia também:

1 – A precoce empresária Dallagnol, por Marcelo Auler

2 – Após suicídio de Cancellier, Dallagnol se solidarizou à Erika Marena: “bando de imbecis”

3 – Delegada que levou reitor da UFSC ao suicídio falsificou depoimento

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador