Janot e o pedido de prisão de Marcelo Miller, por Luís Nassif

O pedido de prisão do ex-procurador Marcelo Miller, feito pelo Procurador Geral Rodrigo Janot, é a demonstração definitiva de que Janot é um dos piores caráteres públicos da vida nacional. Falo em caráter público baseado em sua atuação pública, já que não tenho dados sobre seu comportamento privado.

No post anterior fiz algumas brincadeiras sobre o fato de sua fraqueza ser mais responsável pela perda de rumo do que o caráter. Foi apenas um jogo de palavras.

Em tempos passados, atrás da indicação para a PGR, Janot bajulava como podia o então presidente do PT José Genoíno. Uma noite, imerso em uma das libações alcóolicas frequentes, Janot chegou a oferecer sua casa a Genoíno, para se abrigar das intempéries políticas que se abateram sobre ele com a AP 470.

Empossado PGR, sua primeira decisão foi solicitar a prisão de Genoíno, apesar de saber da inocência do ex-amigo.

Com a decisão de pedir a prisão de Miller, Janot coroa sua carreira pública com mais uma traição. Poderá acabar com a vida de um dos mais brilhantes procuradores da sua geração, cujos erros que cometeu estão a léguas de distância de um crime.

A não ser que tenha surgido uma evidência de última hora, tudo o que saiu até agora sobre Miller jamais justificaria medida tão drástica. Liquidar com a vida de um ex-colega foi a forma simples e prática de Janot, para fugir às críticas da mídia e de Gilmar Mendes.

Seu temperamento extremamente frágil permitiu esse jogo pavloviano em cima dele. Gilmar Mendes o trata como uma marionete. Basta afirmar que Janot é petista para ligar um choque mental que induz Janot a tomar atitudes drásticas contra o PT, para provar que não é. Passa três dias, Gilmar aperta de novo o botão do petismo e Janot reage da mesma maneira.

Bastou Gilmar, com a leviandade que lhe é peculiar, dizer que Janot e Miller eram ligados para Janot decretar a morte profissional e civil do colega, mandando-o à prisão. 

Pelas explicações dadas até agora, em nenhum momento Miller passou qualquer informação sensível para a JBS, ou sequer teve acesso a informações da Lava Jato. Segundo explica, em algumas notas esparsas de jornais, desde o ano passado estava afastado da Lava Jato, não teve nenhum contato com a Operação Greenfield, e se afastou dos colegas até nos grupos de WhatsApp, para não dar margem a insinuações sobre seu profissionalismo.

Atropelou procedimentos burocráticos, sim. Solicitou afastamento do MPF e teve uma reunião-jantar com Joesley antes que houvesse a publicação do documento aceitando seu pedido. Se for isso mesmo, o máximo de irregularidade foi não ter obedecido a uma medida burocrática, posto que o ato de sair do MPF se materializou no dia em que solicitou o afastamento.

Espera-se que o Ministro Luiz Edson Fachin tenha o bom-senso de impedir esse assassinato de reputação perpetrado por Janot. Equiparar Miller aos barras pesadas da JBS, apenas com base nas conversas mantidas entre eles, seria o cúmulo. Ou puni-lo com prisão pela ousadia de trocar o MPF por um grande escritório de advocacia, extrapola qualquer limite.

E não se trata de demonstração de isenção, de “cortar na própria carne”. A carne da carne de Janot é uma jovem advogada, recém-formada, que, sem experiência alguma passou a participar dos processos de algumas das grandes empresas envolvidas com a Lava Jato.

Espera-se que o restante da equipe da Lava Jato na PGR, e os procuradores do Rio de Janeiro, onde Miller foi ouvido, não compactuem com esse ato de Janot. É baixaria que marcará indelevelmente por toda a vida o caráter dos autores.

34 comentários

    • Eu diria o Arrivista

      Que me lembre o personagem de  Machado não foi seletivo.

      Se promoveu o” internamento” e “pedidos de reclusão”  para  gente “sã”, o  mesmo não se pode dizer em relação a “certos  doentes” – e sobretudo –   a si mesmo, se tivesse – ele, Janot – consciência sobre si e suas ações.

  1. O inferno espera esses concurseiros

    O capiroto já está com a vaga reservada para todos esses concurseiros, que queimem no inferno.

  2. Nassif, Janot sempre foi e

    Nassif, Janot sempre foi e sempre será um verme. Você insiste em procurar virtudes em um dos criminosos que colaborou para o golpe de estado brasileiro e que não têm a espinha de uma galinha. Como que um sujeito incapaz desses se tornou procurador eu gostaria de saber.

    • nomeação

      Janot,

      foi escolhido PGR a partir de uma lista triplice que seus colegas de MPF elegeram e a Dilma escolheu o primeiro colocado. O MPF não sabe fazer escolhas. Escolheram a pior opção.

  3. podem votar: qual teria sido o ato mais indigno de Mister Janot?
    Nassif, sendo verdade que Marcelo Miller afastou-se do grupo da Lava jato por uma questão ética, concordo que isso é relevante para qualquer julgamento que se faça a seu respeito, mesmo considerando estranho o modo como as coisas ocorreram – o fato em si, de um procurador, ainda em meio ao “olho do furacão”, mudar de lado….. Soa suspeito, soa como “algo que não se deveria fazer, mesmo que a lei permita….” – Mas…… ( e esse é um “mas” imenso…) é evidente que uma pessoa não pode ser acusada, muito menos ter sobre si um pedido de prisão, por “algo suspeito” ou “algo que não parece ético..” – cai-se na vala comum desse MPF e de Moro, de condenar a pessoa de modo leviano e precipitado, baseados mais nas tais “convicções” do que provas….. De mais a mais, onde foi parar a bendita presunção da inocência…?
    .
    Permito-me discordar de você apenas num ponto em relação ao “caráter” do sr. Rodrigo Janot… Três gestos deles me parecem mais sórdidos, mais canalhas, mais perversos, mais manchadores de sua biografia (que deplorável, não? pensarmos num homem que ocupa ESSE cargo, nesses termos: “qual foi a maior patifaria dele em sua gestão…?”)
    .
    Primeiro, quando deixou os procuradores solicitarem a Moro o evento perverso, degradante, da INVASÃO da casa de Lula, nas primeiras horas da manhã para aquela selvagem e desnecessária condução coercitiva – o LAR de um homem, todos sabemos isso, por Deus! – é a coisa mais sagrada… Não pode ser maculado por ódio pessoal, por perseguição, a brutalidade ocorrendo com Dona Marisa, sua casa toda revirada, a retirada pusilânime até dos IPADs dos netos…. Foi provavelmente uma das mais vergonhosas omissões dos ministros do STF, do Conselho dos Procuradores, do CNJ, de todos…
    .
    Segundo, ter apontado Dona Marisa, eminentemente apenas uma dona de casa, companheira discreta do marido, como ré em vários processos de corrupção, lavagem de dinheiro, etc. etc. – a covardia mais perversa de todos, o atingir a família do inimigo, usando para isso o poder de seu cargo.
    .
    Por fim, o episódio do vazamento da gravação entre Dilma e Lula à Globo, quando consultado por Moro, e da Suíça, deu a permissão – o gatilho que detonou o golpe de Estado.
    .
    Contando o episódio do Genuíno, e esse agora do Marcelo Miller, vejam, como é fácil colecionarmos ações indignas do sr. Rodrigo Janot…..
    .
    Não vai pagar por nada disso juridicamente falando, infelizmente….
    Mas aos olhos da História, em poucos anos terá o desprazer de ver seu nome associado a tudo o que é vil, perverso, covarde, atos de traição e parcialidade desonesta no exercício do cargo que manchou.

    • Por essa e outras que aqueles

      Por essa e outras que aqueles sem mimimis

       

      querem que o cabeça branca e toda a turma dele se exploda…………

      • Esses traidores deveriam
        Esses traidores deveriam apodrecer na cadeia.

        Ninguém na História do país teve um papel tão deletério para a nação quanto a essa cambada formada pela Lava Jato, Mídia, esses movimentos tipo MBL e mais a PGR

  4. Ao apagar das luzes

    No mínimo, está sendo deselegante com a sua sucessora, ao tomar atitudes que ficarão no colo da nova procuradora geral.

    Muita pressa para alguém que teve dois mandatos consecutivos para fazer o seu melhor.

    Janot esteve presente num momento crítico do país e, para a sua própria desgraça, está saindo de cena em forma melancólica e desprezado por todos os setores.

  5. Momento musical

    Samba do Marcelo Miller

    Janot não gosta mais de mim

    Mas eu gosto dele mesmo assim
    Que pena, que pena
    Janot agora me condena
    Que pena, que pena

    Pois não é fácil recuperar

    Um grande acordo perdiiiido
    Joesley pagava uma nota / Ela pagava uma nota
    Outras delações eram manjericão / As outras eram manjericão
    Vem agora a Janota /  Vem agora a Janota
    E me manda pra prisão
    Pra prisão,…

  6. Figuras assim existem em

    Figuras assim existem em várias áreas. É o medíocre ambicioso inescrupuloso. Para compensar a mediocridade passa a fazer politicagem e paparicar o espírito de corpo de seus colegas. Chega lá porque não tem escrúpulo que o impeça de fazer o que for preciso.

    Agora, e se o Miller resolver fazer delação premiada? Pelo domínio de fato pega quem mesmo?

    PS: No fundo o grande erro do Janot foi a escolha das vítimas. Foi em cima do Temer e seus cúmplices. Se focasse só em Lula e no PT, todas as cagadas que fêz passariam batido. Está aí o Moro que não me deixa mentir

  7. Após a guerra civil

    Após a guerra civil norte-americana tendo os anti-escravagista vencido seguiu-se o seguinte fato negros ‘livres’ eram presos por qualquer motivo ou até sem nenhum motivo pela justiça branca ressentida, houve uma explosão na população carcerária dos EUA.

    No caso brasileiro, o marcathismo gestado pelo consórcio golpista, notadamente, a rede globo durante os governos petistas ocorreu o mesmo, a banalização das prisões preventivas. O micróbio janot tratou de fazer logo uma espécie de ‘strike’ pedindo a prisão de vários ao mesmo tempo, uma prisão coletiva.

    Notem que nenhum tucano até hoje dormiu um dia no cárcere a pedido do PGR fodão numa esclarecedora tendência política da estrutura institucional brasileira: jamais mexer com stabelichment.

    Janot e seus rapazes já demonstraram que caráter não é o forte do MPF mas em compensação pirotecnia e covardia não faltam. 

  8. outro

    Se aproxima o dia em que o vento vai virar contra o J.B., o menino pobre que mudou o Brasil.

    Por qual motivo ele terá se aposentado logo após cruxificar sem provas o PT? Logo após assumir o cargo de vingador da Liga da Justiça no coração da manada brasilis? Terá Gilmau o ameaçado com uma bomba atômica? Foi pego no pulo? Afundou na lama?

    O mensalão foi o ensaio do golpe. J.B. foi o porta estandarte. Mouro, egresso do Banestado, comandava a retaguarda da ministra.

    Daqui a alguns anos vai ser interessante estudar história do Brasil

  9. Superestimação

    Concordo com grande parte das análises de Nassif, cuja capacidade intelectual e de leitura pertinente da conjuntura é incomum. Mas às vezes, ainda que pouco frequente, Nassif superestima alguns elementos. No texto em referência,  achar Miller um dos mais brilhantes procuradores da nova geração e conclamar parte do MPF a se afastar de seu corporativismo e se opor às estocadas do comando da corporação são exageradas avaliações.

    Miller é um procurador partidário e seletivo. E, ao que parece, orientou sim os delatores a praticarem atos abomináveis e criminosos de armarem uma armadilha contra interlocutores corruptos. Isso não é investigação, mas a incorporação de práticas nazistas-stalinistas de intrigas fulminantes. Nada há de civilizatório nestes atos.

    Quanto ao MPF, qualquer análise que não tenha como premissa o reconhecimento que está instituição, assim como TODO sistema de Justiça, está INDELEVELMENTE corrompida e degradada, uma vez que foi tomada por um séquito de estúpidos e corporativos servidores públicos a serviço da elite mais esganada e retrógrada do Planeta, herdeira direta da elite escravocrata-primário-exportadora-rentista-cosmopolita que comandou o país diretamente até pelo menos a década de 1930 e voltou a comandar atualmente o Estado Nacional pós-GOLPE 2016, é uma análise precária.

     

  10. já era

    Me parece que o Nassif pegou leve com o Miller. Não acredito em tamanha ingenuidade e profissionalismo da parte daquele moço.

    Porém, a prisão do Miller pode incentivá-lo a abrir a boca e aí a casa do Janot vai ao chão. Dra. Dodge agora se chama “cá te espero”.

    Há uns dois anos cantei aqui que Janot estava construindo uma candidatura ao governo ou ao senado por MG. Disse que tinha aí um acordo com o Aécio devido ao protecionismo escancarado ao “bandidão”. Hoje vejo que se havia um acordo, este também foi triturado pela contumaz trairagem do Janot. 

    Por fim, Janot, escute Cazuza cantando Bete Balanço. 

  11. já era

    Me parece que o Nassif pegou leve com o Miller. Não acredito em tamanha ingenuidade e profissionalismo da parte daquele moço.

    Porém, a prisão do Miller pode incentivá-lo a abrir a boca e aí a casa do Janot vai ao chão. Dra. Dodge agora se chama “cá te espero”.

    Há uns dois anos cantei aqui que Janot estava construindo uma candidatura ao governo ou ao senado por MG. Disse que tinha aí um acordo com o Aécio devido ao protecionismo escancarado ao “bandidão”. Hoje vejo que se havia um acordo, este também foi triturado pela contumaz trairagem do Janot. 

    Por fim, Janot, escute Cazuza cantando Bete Balanço. 

  12. Eis o homem…

    Eu tinha um vizinho em que ele era o terceiro filho de uma familia composta por quatro filhos. Familia catolica, classe média, conservadora, discreta… Pois esse garoto, isso nos anos 80, não conseguia ter a mesma projeção que a irmã mais velha, a primeira da casa e os outros dois irmãos. Sempre que acontecia alguma coisa, ele corria para a mãe ou para o pai denunciar os irmãos. O (s) culpado (s) era (m) sempre o (s) outro (s).E apesar desse menino fazer tudo para ser notado em casa, ele nunca conseguiu o amor talvez que desejasse dos pais. Ficou sempre preterido entre a irmã mais velha e o irmão caçula e ainda lutando por um terceiro lugar com o irmão que vinha antes dele… Nunca conseguiu ter luz propria porque, pensando hoje com uma cabeça de adulta, ele apontava sempre os outros e nunca assumia suas responsabilidades. Eu sentia muita pena dele. Espero que uma boa analise o tenha ajudado. E me parece que no Brasil muita gente subestima o carater que se forja ainda na infância, não procura tratar tudo isso e assim poder sacodir a poeria e dar a volta por cima.

  13. Algo de novo sobre os canalhas? Nada, as instituições que …..

    Algo de novo sobre os canalhas? Nada, as instituições que mudaram seus nomes.

    O que se vê neste momento não é a canalhice de A ou B, mas sim o desnudamento no Brasil as instituições ditas “republicanas”.

    As pessoas que acreditam que algum dia existiu no Brasil um Judiciário, um Legislativo e um Executivo que trabalhavam para um país melhor, são no mínimo ingênuas! Isto é ingenuidade, pois nunca houve na nossa história um momento em que estas instituições não deixaram de se servir mais do poder do que servir ao poder popular. Olhando com uma Lupa poderemos encontrar algumas notáveis personagens que procuraram lutar nesta direção e, a maior parte destas figuras, que são a exceção que demonstram a regra, foram deixadas ao lado ou traídas pelos seus congêneres e geralmente como Tiradentes sobre eles caiu a culpa de tudo.

    Agora se falarmos das nossas instituições, nestas jamais houve um lampejo de excepcionalidade “republicana” na estrutura do poder. As corporações, os colégios eleitorais, as burocracias estatais e porque não os grupos econômicos que cercam estes poderes SEMPRE tiveram como objetivo de maximizar seus lucros em detrimento da população.

    Há um erro de se pensar que alguns que assumiram os poderes republicanos realmente com tinham boas intensões, pois na realidade estes poderes sempre desprezaram a capacidade do povo em gerir seu próprio futuro. Como, por exemplo, no início do século XX onde alguns positivistas, grandes próceres da nação, se achavam iluminados e no direito de impor claramente uma ditadura com o objetivo de um bem maior para o país que era pelos mesmos definido tanto o que era o país e quais os desejos populares que deveriam ser aceitos. A massa brasileira, considerada ignorante por seus próceres, nunca teve o acesso para definição do seu projeto de nação e das suas necessidades que deveriam ser satisfeitas, esta massa sempre foi conduzida tanto pelos mais puros como pelos mais abjetos.

    Sempre existiram Janots, Gilmares, Moros, Joesleis, Geddeis, Temers, Meirelles e milhares de outros que definiram o que deveria ser o melhor para todos, alguns fizeram isto simplesmente o que achavam melhor para o povo, outros em maior ou menor grau aproveitaram a oportunidade para além de sua situação privilegiada retirar o máximo possível o butim para si e para seus próximos. Tudo sempre em nome da política “correta” que por eles e por seus amigos foi definida a melhor para a nação.

    Não podemos esquecer dos órgãos de apoio e sustentação de todo o esquema dos poderes, as igrejas e as mídias, elas que vascularizam os interesses dos poderosos iluminados servindo-se com os beneficiados tanto nas oligarquias que recebem sempre o maior quinhão de tudo, e explicando com o maior didatismo possível que para o povo restará o céu ou num futuro distante as benesses do mercado.

    Por uma coincidência notável, “ocasional” talvez sempre os benefícios da nação passam primeiro pelo reforço do benefício das oligarquias, elas numa época ou outra sempre foram consideradas como a única forma de fortalecer a pátria. Desde os senhores de engenho, que possuíam o direito sobre uma parte da população que na época eram chamados de escravos, passando pelos capitalistas de fraque e cartola para desembocar nos meritocráticos rentistas, todo o estado e seus órgãos auxiliares sempre viram nestes o cerne da acumulação das riquezas que algum dia num futuro distante levariam ao povo uma pequena parte de seu quinhão.

    Em alguns momentos tivemos os populistas, que diferentemente dos tradicionais “poderosos da nação” se achavam conhecedores da chave maior para a participação do povo na riqueza nacional. Eles tinham os olhos voltados para o povo, porém como disse um destes mais notáveis ao povo brasileiro, hoje estão com o governo, mas algum dia serão o governo, porém este dia nunca chegou.

    O que sempre existiu no Brasil foram os iluminados tanto na direita como marginalmente na esquerda que pensaram pelo resto da população, porém estes iluminados sempre contaram para o auxílio de sua “gloriosa missão” de conduzir o povo brasileiro com a forma como é montado o poder no Brasil, com a farsa das eleições, como de todas as outras instituições que antes de tudo se auto preservam e se servem antes da repartição do que sobra.

    Somos todos reféns de uma forma de poder que durou séculos para ser normatizada e implantada, e se esta forma for conservada declara-se que a democracia está sendo respeitada e a lei impera.

    A grande diferença que temos nos últimos 50 anos é que as estruturas auxiliares do poder, as igrejas, as mídias mudaram um pouco de dono e junto com as instituições ditas “republicanas” e “democráticas” mudaram um pouco a forma de falar. A imposição do deus mercado serviu tanto para as oligarquias como para as próprias igrejas.

    Mas a grande diferença dos últimos anos para o passado tenha sido a perda do PUDOR em mostrar suas vergonhas ao povo em geral, esta perda de pudor que desnuda as instituições parece cada dia servir a uma mais perversa face. O objetivo claro de todo este desnudamento é uma desmistificação parcial das estruturas de poder para abrir caminho para um falso moralismo desenfreado que servirá a num futuro a implementação de uma forma de governo que prescinda da parca atuação do povo nas suas votações.

    Como é declarado aos quatro ventos, o povo não sabe votar, elegem mal os cafajestes que são colocados pelo sistema político para que eles votem, o mesmo sistema que esconde onde está o poder, procura deixar claro que os iluminados, agora denominados os “meritocratas”, terão melhores condições de fazerem o seu papel, sem a necessidade do engano implícito das massas, passando direto ao engano explícito.

    Algo de novo nos canalhas que dominam a nação? Nada. Há simplesmente uma mudança dos nomes.

  14. “É feio falar de boca cheia!”

    A denúncia do Janot cria dificuldades que renderão vendas de facilidade. Ouvi que o contrato de honorários do Miller foi em cima do lucro da JBS – módicos 3 bilhões de reais; se for 30% disso, vai ter para muito “cala boca”, enquanto se come a pizza.

  15. Janot congelou o MPF…

    em estado de coma profundo

    fez de tudo com a sua régua americana, a presunção de culpa………………………………

    acredito que foi por isso que usou pessoas como moeda de troca

    acredito que foi por isso que entrou como essencial e vai sair como desnecessário

  16. Será que ele está provando do próprio veneno?

    Como atuava esse senhor enquanto procurador? Será que ele pedia prisão preventiva até por unha encravada? Eera dos tais lnha dura do powerpoint? 

    Sou contra o uso de prisão preventiva pra quem quer que seja, a não ser que estejar obtruindo a justiça ou se for um risco para a sociedade. O processo deve transcorer pelo caminho natural e conduzido por investigadores, procuradores e juízes neutros, e fora do calor das emoções e do clamor popular.

  17. Inocência …

    … Inocência seria acreditar que um procurador pede demissão para defender uma empresa que ele tinha por objetivo abrir processo criminal na justiça, seja como auxiliar, seja propondo a ação, segundo informações, Miller em 6 meses em seu escritória havia faturado 40 milhões, a cretinisse de Sr. Janote não impede de Miller responder a justiça, e nada impede do Sr. Janote também responder a justiça, não é Sr. Janotte. Sr. Janote e suas complacências ao irmão procurado pela interpol. Diga alguma coisa Sr. Janote !

    https://www.youtube.com/watch?v=P1u62v02mvY

  18. E a delação de Miller?

    Como é moda esse troço de delação, a tendência natural é sempre a gente achar que quem foi preso deve delatar alguém, para sair da prisão, normalmente com um monte de vantagens. Aí vem a pergunta: quem Miller poderá delatar? O Departamento de Justiça dos EUA? O acesso a informações privilegiadas por meios heterodoxos por autoridades brasileiras? Em tese ele é um preso (possível delator) ainda mais importante do que outros, até mais que Eduardo Cunha, Geddel etc. O futuro dirá… 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome