Paralelos entre o senador McCarthy e o julgamento do mensalão

Por Mottta Araujo

O SENADOR McCARTHY E O MENSALÃO : PARALELOS HISTÓRICOS

Joseph McCarthy foi um Senador americano eleito pelo Estado de Wisconsin em 1947. Juiz de carreira, compensava a mediocridade e a falta de cultura jurídica com rispidez e rapidez nos julgamentos.

Chegando ao Senado em 1947, não se destacou pelo brilhantismo até que pegou um filão do qual extraiu capital de PATRIOTISMO, criando uma ideia de conspiração comunista no Departamento de Estado. Destruiu a carreira de veteranos diplomatas sob a acusação de filo-comunistas, sem nenhuma base, mas seus discursos histéricos e desbalanceados INTIMIDAVAM o Senado, ninguém tinha coragem de enfrentá-lo porque ela atacava quem se lhe opusesse, dando a entender que qualquer oponente dele estava ajudando os comunistas e portanto podia ser comunista. A Comissão de Atividades Anti-Americanas que ele criou e presidiu não tinha limites ou contrapesos.

Seu discurso inicial que desencadeou uma campanha violenta foi em fevereiro de 1950, com diplomatas como primeiro alvo. Depois virou a artilharia do patriotismo contra artistas e diretores de cinema, jornalistas, escritores, dramaturgos, roteiristas, cientistas, mais de 1.000 pessoas foram submetidas a seus interrogatórios, sempre na tecla de uma “conspiração comunista”. Provocou grande quantidade de dramas pessoais, carreiras destruídas, exílios, como o de Charles Chaplin, que vivia há 35 anos nos EUA. Os ataques iam em um crescendo de histeria e agressividade, provocando também suicídios, como o do Senador Lester Hunt. Mas aí McCarthy partiu para atacar o Exército e começou sua queda. Como não tinha noção de limites, era um sujeito agressivo mas pouco inteligente, não percebeu que o Exército era um alvo muito mais poderoso que ele, o próprio Senado viu que suas teses e provas eram falsas e muito de seus discursos eram invencionices fantasiosas. Por uma moção votada em 2 de dezembro de 1954, por 67 a 22 o Senado lhe deu um voto de CENSURA, que é muito raro e que significa o fim político de um congresista. Morreu três anos depois de morte oficial por hepatite, na verdade alcoolismo.

Leia também:  Polícia Federal abre investigação contra supostos hackers

McCarthy teve um apogeu incrível, apoiado por grande parte da imprensa, temido por todos, até no Executivo, ninguém lhe enfrentava, mesmo os que percebiam que era um crápula. Até hoje nos EUA se debate porque deixaram McCarthy ir tão longe e  desgraçar tanta gente boa. A explicação mais plausível é o medo de alguém que se opusesse a ele passasse por IMPATRIOTA. Como dizia um grande filósofo ” O mundo seria um lugar melhor se os homens justos tivessem a audácia dos canalhas”.

O julgamento do mensalão foi inteiramente orientado na direção de um linchamento político. As penas são aberrantes no sistema jurídico brasileiro. Como pode ser possível Marcos Valério ser apenado com 40 anos, o dobro da maioria dos assassinos, o goleiro Bruno que matou e sumiu com o cadáver de uma moça e por pouco não mata o filho dela teve metade da pena do operador do mensalão, uma empregada de agência de Valério foi apenada com mais de 10 anos, obviamente uma pessoa que estava lá pelo emprego e que recebia ordens do patrão. A teoria de “domínio do fato” é uma bizarrice jurídica, algueé construiu essa ideia mas ela está muito longe de ter aceitação importante nos sistemas jurídicos, uma tese tirada da biblioteca para esse julgamento, nunca foi aplicada antes em casos de corrupção e veremos se será plicada no caso dos fiscais da Prefeitura.

O julgamento de um colegiado como é uma Suprema Corte para ter legitimidade deve obedecer aos rituais tradicionais, onde cada um do colegiado dá sua posição e ao final se coletam os votos. Juiz de Suprema Corte contestar votos de outros juízes é algo inédito e contestar grosseiramente, agressivamente, passando lição é um constrangimento moral, viciando o processo. McCarthy também fazia isso, não admitia constestação a suas teses e quem lhe contestasse era submetido a agressão grosseira, essa era sua força, um medíocre que aterrorizava os demais Senadores porque ele punha na mesa a tese “quem me contesta é impatriota e vendido aos comunistas”. Esse terrorismo moral com apoio da imprensa especialmente da revista TIME e do jornal Chicago Tribune garantiu a ele 4 anos de glorificação pela midia, era uma celebridade nacional, capa de revistas e jornais, desde o início muitos bons cérebros percebiam a falsidade e a demagogia do Senador McCarthy mas ninguém tinha sua ousadia, essa era sua maior arma, tipos como McCarthy avançam sem limites enquanto ninguém lhe barra a passagem, esse processo é relativamente comum nas democracias, cometas que surgem do nada e chocam pela novidade, pelo imprevisivel, pela surpresa, pela audacia sem limites, pela prepotencia até esfumarem no ar.

Qualquer semelhança é mera coincidência, como diziam os filmes da MGM.

Leia também:  Rachadinha: 21 políticos são investigados, mas caso de Flávio Bolsonaro chama a atenção

http://historymatters.gmu.edu/d/6456

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

17 comentários

  1. Oportunismo

    Toda a história se revelou um tremendo oportunismo. A chance que a grande mídia cartelizada esperava para apear um governo que quebrou um padrão de quase cinco séculos no país.Lula e Dilma, com tudo que eu concordo e discordo em suas administrações, venceram e surpreenderam, pois o eleitorado não foi direcionado conforme as eleições anteriores, para o (s) candidato (s) que estava(m) de acordo com o estabelecido pela união entre imprensa/classe dominante.

    É claro que não iriam deixar passar facilmente, e na primeira oportunidade pegaram um furo (eu diria rombo) já costumeiro no Brasil, que era apenas noticiado para encher a pauta, mas que dessa vez exigiram que fosse resgatado com sangue: O famigerado “caixa dois” Mesmo com os absurdos da ocultação de provas por parte da PGR, como já foi noticiado, mesmo com com a imposição do conceito de “dinheiro público” ao Visanet, mesmo com o “domínio do fato”, mesmo com todo o casuísmo que vimos no tal “julgamento”, era para acontecer mesmo mais cedo ou mais tarde. Porque era uma coisa escusa, e embora tolerada nos grupos políticos “amigos”, não seria tolerada em um governo que tivesse um mínimo arremedo de “popular”.

    Fica a lição. Agora, com a velha imprensa afirmando que a safadeza na Prefeitura de São Paulo começou em janeiro deste ano, mesmocom todas as datas e nomes que apareceram antes, temos um exemplo da guerrilha diária que se seguirá até a “restauração da ordem”, ou seja, da vitória de um grupo que seja do agrado dos “donos do poder” que estão bastante incomodados.

    Sei que todo este rigor jamais será aplicado aos “políticos amigos”, ao “bola nossa”, mas vejo o futuro com otimismo, pois as lições, por piores que sejam os alunos acabam sendo absorvidas.

  2. Não foi obra de um corajoso
    Não foi obra de um corajoso jornalista, com acao ” a la Zola”, o início do fim de McCarthy?

    Que falta faz um Emile Zola por aqui …

  3. STF

    Como pôde o STF ter se tornado um órgão  tão constrangedor a consciência nacional? Os fatos, provas e relatos  se avolumam e já não se trata somente de suspeição , ao ponto de um colunista, que ditou as sentenças, pedir ao relator que não ponha tudo a perder e que não ele se candidate a governador pois é fundamental manter as aparências.

    • No meu entender, Renato, Não

      No meu entender, Renato, Não é para manter as aparências, é para assegurar a presidência do STF e esperar a prescrição do mensalão tucano.

  4. nossos heróis.

    Nosso primeiro herói foi Tiradentes. Era contra a cobrança abusiva de impostos. Mas sua insurreição não passaria de Ouro Preto, não tinha armas, exército, jornais, panfletos nem nada para defender suas teses. Traído, foi enforcado e como se não bastasse, sua casa foi salgada, seu corpo foi esquartejado e pendurado nos postes entre MG e RJ, segundo a melhor tradição portuguesa, herdada pelos nossos heróis da Casa Grande. Depois, veio D.Pedro I, que “proclamou a Independência”. Não importa que o comandante do Exército continuou sendo um português, que as dívidas de Portugal com a Inglaterra passaram para o Brasil (quatrocentas mil libras esterlinas) e que Pedro I, voltasse a Portugal como Pedro IV, pois sua terra era lá. Seu filho ficou aqui no poder por 60 anos. Não construiu estradas, hospitais, escolas e nesse tempo todo não houve uma única patente de brasileiros. Mas, a mando da Inglaterra, junto com Argentina e Uruguai, massacrou o governo nacionalista de Solano López, que ousou fabricar tecidos na América Meridional. O General que ajudou a dizimar os paraguaios virou herói nacional, foi promovido a Duque, Luís Alves de Lima e Silva.

    Depois, tivemos o golpe da República. Militares nomeados por Pedro II, de sua absoluta confiança, apearam-no do poder, proclamaram a República, SEM VOTO SECRETO.

    Há exatos 40 anos, um dos assassinos mais ferozes da república, general médici, era incensado na Globo como grande herói nacional e salvador da Pátria. Só um sacripanta como Sarney teria coragem de declarar luto nacional pela entrada no inferno do mais sanguinário dos ditadores brasileiros. Em 2005 o mais importante herói nacional era o ex-senador Demóstenes Torres. Leitores da Veja em inúmeros posts declararam que votariam nele para presidente, até ele ser afogado por uma Cachoeira de denúncias. Barbosa não perde por esperar. Quando for pego em alguma armadilha do PIG, vai olhar para os lados e perceber que traiu seus ex-iguais, que agora não querem nada com ele. Barbosa, em 1973, o Coronel Brilhante Ustra tinha o mesmo prestígio que o senhor. Hoje, nem os vizinhos o cumprimentam, com medo de se comprometerem.

  5. AA, um conservador esclarecido

    As barbaridades cometidas nesse julgamento são gritantes. E das duas uma, para não vê-las é preciso não prestar a devida atenção, ou ser entusiasta de linchamentos de adversários políticos (caso do pig)

    Dando nome ao boi, no caso Joaquim, digo que assim como McCarty, as grosserias dele foram aceitas com passividade porque foi a figura certa para levar adiante o que os derrotados nas últimas eleições queriam*

    *Nem todos, como vemos no post, o AA não compactua com isso. É muito bom ver um direitista, ou de centro, vá lá, a despeito das muitas críticas ao ‘petismo”, colocar a constituição a frente das divergencias ideológicas  

  6. Não me venha com essa…

    Creditar todo o linchamento ao STF é uma desonestidade intelectual, faltou falar que no caso estado-unidense uma histeria com o domínio pela URSS da tecnologia nuclear foi a faísca que desencadeou a onda de furor patriótico, suspeitou-se, com razão diga-se de passagem, que o desenvolvimento tão rápido da bomba soviética só poderia ter sido conseguido mediante o vazamento de informações do programa anglo-americano, a partir daí qualquer um que manifesta-se simpatia pelo regime soviético era um virtual espião, no caso tupiniquim não há nenhuma histeria senão a dos grupos que foram apeados do poder e em desespero não veem nenhuma maneira de retomar o poder a não ser por meio do golpismo e aí o NEO-MIB (Monumento Intelectual do Blog segundo o Nassif) se embanana pois não pode nominar todos os participantes da conspiração pois toma champagne com muitos deles, O STF é um ator importante mas não iria tão longe sem o suporte do PGR, da mídia e de setores da PF. O nosso caso envolve uma luta politica entre quem sempre mandou e desmandou no país e um grupo neófito que  promoveu a maior inclusão que se tem noticia desde a libertação dos escravos, que custou ao regime que ousou faze-la o seu fim, tanto em 1888 como em 2012 é perigoso contrariar o interesse dos donos da senzala.

  7. Mais para meteoro que cometa

    Espero que esfume no ar logo. Acho curioso como as pessoas se apaixonam por um sujeito tão arrogante, nunca tive qq simpatia exatamente por causa da sua pedantice. Sinto espécie de enjôo qdo vejo a figura, sentimento semelhante tenho em relação a outros membros do STF, mas o rei do trono de R$ 80 mil é o arrogante-mor. 

    Esse cometa está mais para um grande meteorito, vai causando estragos por onde passa até se chocar com algo e ser fulminado, finalmente.

  8. Parodiando o título de uma

    Parodiando o título de uma peça “Greta Garbo, quem diria, acabou no Irajá” podemos prever um certo futuro provável que “MacCarthy, quem diria, acabou em Miami”.

  9. Sempre digo que há

    Sempre digo que há esperança!

    Não usaram tira-manchas na lavagem e ficaram algumas, mal-cheirosas…

    AA, neste bom texto, só esqueceu de mencionar um certo Ronald Reagan, relevante canastrão desta época, a qual prendeu, desempregou e marcou comunistas como o famoso espião da KGB, Charles Spencer Chaplin, que foi agraciado com o título de “Sir” pelo Kremlin (fonte: Stanislaw P.Preta).

    http://www.youtube.com/watch?v=nJzV6-wJ3SQ

    Isso na terra da liberdade de Marlboro! (que hoje, infelizmente (re)vive um McReaganBushismo Obâmico).

    Curiosa e inversamente, o McArthismo, se fosse aplicado no Brasil, com suas equivalentes “comissões contra atividades anti-brasileiras”, acabaria por envolver e investigar de ex-presidente a ministros, banqueiros , empresários, barões de míRdia, etc.. (não, não estou falando de Jango).

    Mas aqui, o (infame) McArthismo, bem lembrado pelo insuspeito AA, tem sinal trocado!

    É o McSupremismo! Do maior espetáculo da Terra!. O Ringling Bros, Brabus & Gilmaus Circus (não sei se “soletrei” direito, era dos meus tempos de criança…).

    Aqui não são os que roubam BILHÕES dos cofres públicos em Alstoms/Siemens, Darfs, Espraiadas (renomeadas), ISS´s, Proer´s, Sivam´s e tantos ouros engavetados.

    Ou que vendem e alugam o país, suas riquezas e o trabalho do seu povo em infames privatarias.

    São apenas (e por ex.) os brasileiros Genoínos.

  10. Só um pequeno adendo André, o

    Só um pequeno adendo André, o filho de Elisa Samudio era também filho do ex goleiro Bruno, devidamente comprovado por teste de DNA, e isso consta nos autos do processo, portanto o ex goleiro é duplamente homicida, por ter matado a amante, e por tentativa de assassinato do próprio filho, e tudo isso com requintes de crueldade.    

  11. Fascismo

    O Estado de direito como o nosso não pode mais ser golpeado tal como podia ainda sê-lo o Estado mais oligárquico e restrito dos anos 60, mas o Estado de direito pode ser fascistizado, o que é bem diferente.

    Os fascistas tomam o poder pelo voto e vetorizam a vontade coletiva à sua vontade e em seu favor ganhando espaço pelo medo que infundem. Barbosa parece um candidato a caudilho. Parece aspirar ao poder absoluto. A semelhança com o macartismo é boa porque aquilo também foi um fenômeno protofascista. É bom entender que cada fascismo está penetrado de um caldo de cultura que é muito específico a cada país. O fascismo italiano, o nazismo alemão, a teocracia iraniana até Amadhynejad, o macartismo, o franquismo, etc só têm em comum o fato de que, por método, esmagam a minoria. Afora isto é um amálgama muito específico da doença socio-moral de cada sociedade.

    Joaquim Barbosa encarnaria este risco? Seria ele capaz de unir uma maioria em torno dele? Seria ele capaz de vencer as desconfianças que gera nas elites? Intuo que ainda tem fôlego, mas a trajetória de MacCarthy me parece mais plausível para ele do que a de Mussolini.

    A ver.

     

     

  12. Sobre bandidos, mídia e stf

    Nem dá para acreditar que um julgamento desses, proposto pela mídia e obedecido pelo stf, tenha realmente acontecido.

    Uma imprensa que se garante no poder chamando todos os políticos de corruptos diariamente, agora se “apoderou” do stf .

    É o inicio do fim, estão trazendo mais uma ditadura para breve. O terrorismo  americano precisa vir para cá e o terreno está sendo preparado. 

    Não ha outra explicação.

  13. Um destemperado cometer

    Um destemperado cometer vários desatinos é comum, mas os outros seguirem nesta ciranda é estranho.

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome