PF ouve testemunhas de empresas investigadas no inquérito dos Portos


Foto: Alan Santos/PR
 
Jornal GGN – Novas testemunhas do inquérito dos Portos, que recai contra o presidente Michel Temer, por ter editado em 2017 um decreto que favoreceu empresas do setor portuário, serão ouvidas nesta quarta-feira (18).
 
Foram chamados a depor pessoas que poderiam esclarecer a participação de empresas intermediárias, como a JP Tecnolimp, que fechou um contrato de quase R$ 60 milhões durante 15 anos com a Companhia de Docas do Estado de São Paulo (Codesp). E a relação dessas empresas co a Argeplan, do coronel Lima.
 
Entre eles, o advogado Adalberto Calil, que trabalhou no grupo da transportadora Júlio Simões, que integra o grupo da transportadora. Ele prestou testemunho por volta das 10h da manhã de ontem na sede da Polícia Federal no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo.
 
A ligação de JP Tecnolimp esbarra, ainda, no amigo de Temer, o coronel João Baptista Lima Filho, uma vez que tem como suposta sócia ocula a Eliland do Brasil, que teria sido usada pelo coronel como empresa de fachada para “receber recursos indevidos de empresas do setor portuário”.
 
Também seguindo essa linha foi chamado a prestar informações o advogado Gabriel de Carvalho Jacintho, que foi mencionado por Paulo Siqueira como uma das pessoas que abriu a Eliland do Brasil, com a interferência da Argeplan. Ele prestou depoimento por volta das 16h nesta terça.
 
Ainda foi intimado o dono da Júlio Simões, Fernando Simões. Entretanto, seu advogado foi presencialmente às autoridades informar que ele não poderia prestar o depoimento nesta terça, tendo que remarcar outra data.
 
E nesta quarta-feira (18), os delegados da PF devem continuar os interrogatórios, recolhendo os depoimentos de dois executivos de uma empresa que integra o grupo Rodrimar, também investigada no caso. Todos os investigados negam os ilícitos.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Moro assume cargo de diretor em empresa que atende Odebrecht

2 comentários

  1. O eterno “chove e não molha” da Polícia Federal

    A POLÍCIA FEDERAL TRANSFORMOU AS INVESTIGAÇÕES EM INSTRUMENTO POLÍTICO.

    -Eu acho que para todo esquema de corrupção desbaratado pela Polícia Federal se monta um “esquema de transferência de capital” para juízes, delegados, advogados e imprensa.

    É a “PROPINA 2.0″… a evolução da propina… agora na hora de desviar o dinheiro público, o corrupto deve lembrar que no final uma parte deverá ir para advogados, juízes e procuradores. Além disso tem a parte da imprensa… essa será negociada em mesas de restaurante.

    A legalização da propina via delações premiadas.

    BY MORO!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome