PGR suíço é acusado de conluio com a Lava Jato, por Luis Nassif

As acusações são de ter participado de reuniões informais e não documentadas relacionadas à Lava Jato.

Procurador Geral da Suiça Michael Lauber está sendo acusado de cumplicidade com os colegas brasileiros da Operação Lava Jato. A informação foi divulgada pelo jornal NZZ e repercutida pelo Suwissinfo.

As acusações são de ter participado de reuniões informais e não documentadas relacionadas à Lava Jato.

Rolf Schuler, advogado de Zurique que representa um réu da Lava Jato, afirmou que Lauber, junto com outros membros do MP suíço, participou de runiões não documentadas na Suiça e no Brasil com o objetivo de iniciar um processo de lavagem de dinheiro. Mas não apresentou provas de tal reunião.

Um pouco antes, Lauber foi acusado de irregularidades, também por reuniões sigilosas no caso FIFA. A corregedoria do MP suíço abriu uma investigação disciplinar para apurar essas reuniões entre Lauber e o presidente da  FIFA, Gianni Infantino. Lauber admitiu as reuniões e alegou que visavam ajudar no avanço das investigações.

Em relação à Petrobras, argumentou que as investigações não poderiam ser tocadas de modo eficiente sem as conversas informais.

Com as denúncias, Lauber corre o risco de não ser reconduzido ao cargo.

O procurador que virou advogado

Antes desse episódio, as suspeitas de reuniões informais com a Lava Jato provocaram a demissão do procurador suíço Stefan Lenz. O procurador abriu um escritório de advocacia, está oferecendo serviços a clientes brasileiros, e há rumores de que tendo como parceiro brasileiro parente de personagem influente na Lava Jato.

Em 2017, recém demitido, Lenz recebeu uma proposta de trabalho de Rodrigo Janot, PGR brasileiro da época.

Leia também:  Assista: TVT exibe primeira entrevista de Lula após escândalo #VazaJato

No site do escritório, ao lado de páginas em que repete o mesmo discurso anticorrupção de seus colegas da Lava Jato, Lenz oferece seus serviços para os suspeitos de corrupção.

Para particulares prejudicados ou acusados

  • Nós somos altamente especializados na área do direito penal financeiro e da cooperação jurídica internacional e nos aprimoramos cada vez mais nessa área.
  • a condição de ex-persecutores penais nós sabemos o que realmente importa para uma exitosa defesa penal ou representação dos prejudicados.
  • Nós temos boas relações na área do direito penal financeiro e da cooperação jurídica internacional.
  • Nós temos experiência com a solução consensual de persecuções penais, no sentido de um “Deal”, desde que haja previsão legal e seja possível.
  • Para particulares
  • Para empresas
  • Para Estados ou empresas estatais
  • Os seus direitos na Suíça
  • Porque um advogado suíço
  • Vantagens para Estados ou empresas estatais

Para empresas prejudicadas ou acusadas

Nós lhe auxiliamos em investigações internas, prestamos consultoria e representamos perante autoridades e tribunais. Nós conduzimos investigações internas, chamamos, se preciso for, os especialistas que se fizerem necessários, realizamos tomadas de depoimento e análises de fluxo de dinheiro e reunimos os fatos juridicamente relevantes num relatório de investigação.

 

 

 

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

18 comentários

  1. Na Suiça as coisas não vão para debaixo do tapete. Lá o bicho vai pegar. Vamos ver se aqui não será abafado. Mas que tem peixe grande nesta rede, ah tem!

  2. Com esta história do “CORRUMPliance” se alastrando como um mecanismo de ligeira conquista em roer partes de rendas de grande corporações, ou já se tornou ou em breve a globalização o levará a todos os locais que “democraticamente” ficaram abertos a este câncer, onde bastam algumas células corrompidas e em breve tomam conta daquele sistema. São como os areieiros que desassorearam muitos dos rios. No início iam caminhõezinhos para retirar e hoje as caçambas são 8 vezes maiores e secaram as fontes.
    E muitos de nós que nos iludimos com uma visão romântica de evolução (humana, pessoal, social, econômica moral, espiritual etc.) ficamos agora em xeque-mate. Nos esquecemos que na vida biológica, ou seja no mundo físico-material tudo passa por entropia (com fosse esta a lei das leis): de novo a velho; de previsível a complexo; de puro a degradado; de próspero a escasso.

  3. E ainda: “Com as denúncias, Lauber corre o risco de não ser reconduzido ao cargo”. Risco. Minúsculo, certamente.
    Se na suiça é assim, nós queremos o que?

  4. Demorou. Em casa de mãe Joana, todo mundo quer levar vantagem. A vida é curta e levar grana de pais dos otários, não é pecado.
    E além não existe pecado ao sul do equador.
    Isso deve estar acontecendo aos montes.

  5. A propaganda do cara, esse Stefan Lenz (seria parente do Fror?) é uma confissão expressa de crime de tráfico de influência, só para iniciar a investigação.
    Pela régua da Farsa a Jato já estaria na mira de condução coercitiva e prisão preventiva, se não fosse integrante das quadrilhas que investigam.

  6. Nassif, por onde anda uma tal advagada Cata Preta que se não me engano foi quem fez o primeiro acordo de delação premiadas da farsa jato, e depois casou fora e foi curtir com milhões de dólares . E nem falo quem era o seu companheiro

  7. Luiz Carlos, a Suíça é um grande tapete sob o qual muito dinheiro roubado é escondido. Vamos parar de absolutizar a lisura construída em cima desse tapete.

  8. Tomara que agora muita gente acorde né!! Notícia batida desde 2017 no programa Duplo Expresso.. Mas só agora veio ao caso expor… interessante… nada como o tempo.. agora Lula tá preso…

  9. A máfia dos procuradores não se restringe a fronteiras nacionais. Tão Mafiosos quanto qualquer outrro Bandido.
    Chamem o ladrão que polícia tá solta!!!!

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome