Relatório encaminhado para acionistas revela que Vale sabia de riscos de rompimento de barragens

Documento, editado em 2017, aponta que busca por lucro levou companhia a priorizar dividendos à redução de riscos; denúncia foi montada por leitor do GGN e mostra ainda que, no período 2016-2017, Vale reduziu despesas em 23,9% enquanto aumentou em 482% distribuição de dividendos

Fonte: Reprodução/Vale

Jornal GGN – Cerca de duas semana após o rompimento da barragem de Brumadinho (MG), o GGN entrevistou o secretário de Meio Ambiente de Congonhas, Neylor Aarão, município mineiro com a maior barragem de rejeitos minerais em local urbano da América Latina, sobre medidas para evitar uma nova tragédia:

“Não temos, em toda a literatura, nenhum caso de barragem que se rompeu de uma hora para outra. Existe uma série de elementos e sintomas que mostram que a estrutura já estava doente. Brumadinho, certamente, apresentou sintomas. O que achamos é que eles foram desconsiderando. Podem ter descartado os sintomas como uma coisa não importante ou aconteceu erro de leitura dos equipamentos”, pontuou.

Pouco mais de um mês após a tragédia que, segundo dados mais recentes da Defesa Civil, deixou 180 mortos, e outros 130 desaparecidos, levantamentos revelam que a falha de gestão de recursos da Vale S.A pode estar atrelada ao acidente ocorrido três anos após o rompimento da barragem do Fundão, em Mariana.

Um leitor do GGN, que pede para não ser identificado, fez o trabalho de apurar os dados do Formulário 20 F, documento produzido pela Vale e enviado aos acionistas da bolsa de valores de Nova York, e descobriu dados que revelam a busca por lucro em detrimento da redução de riscos, apesar de a mineradora admitir, no mesmo relatório, o constante risco de acidentes e rompimentos em barragens de rejeitos, algo intrínseco à atividade mineradora.

Só no segmento de minério de ferro, carro-chefe da Vale, entre 2016 e 2017, houve um corte de 23,9% com as redução de despesas. No mesmo período, a companhia pagou US$ 50,59 milhões aos seis diretores e aumentou em 482% distribuição de dividendos.

Na coluna de segunda-feira (26), Luis Nassif chama atenção para a “dupla armadilha” da racionalização de despesas tendo em vista apenas o lucro.

“Foi nessa ilusão do CEO universal que os acionistas da Vale selecionaram seu novo CEO através de headhunters. A presidência foi entregue a um executivo premiado e fora do setor de mineração. E aí houve a dupla armadilha. Numa ponta, a falta de noção sobre os riscos ambientais da mineração, especialmente das barragens de rejeitos. Na outra, falta de acesso dos setores técnicos a um chefe que não falava sua língua nem compartillhava das mesmas preocupações”.

Aqui vale destacar que, pouco antes do rompimento da barragem de Brumadinho, uma série de e-mails trocados internamente mostra que os equipamentos de leitura estavam com problemas. A companhia poderia ter evitado o desastre se tivesse mais diligência na para manutenção e segurança?

A seguir, acompanhe os principais pontos do Formulário 20, enviado pela Vale aos acionistas, acompanhado de questionamentos pertinentes do leitor do GGN.

Schvartsman assina documento para bolsa de NY com risco de barragens, processos sobre o caso Mariana, redução de despesas no segmento minério de ferro e bônus em ações para diretores.

Esta matéria reproduz com fidedignidade trechos do Formulário 20 F enviado pela Vale S.A para a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, documento oficial disponível para toda a sociedade brasileira na página de Relações com Investidores da empresa.

A ideia é juntar alguns fragmentos deste relatório que permitem construir uma narrativa sobre a atuação da Diretoria da Vale em relação ao resultado de 2017. Ao longo da citação de alguns trechos, serão feitas algumas perguntas que servem para a reflexão do povo brasileiro e das autoridades envolvidas no caso Brumadinho.

Cumpre registrar que na última página do documento, antes da assinatura de Fábio Schvartzman, está claramente descrito que “autor do registro certifica se atende a todas as exigências para o registro do Formulário 20-F e se devidamente providenciou e autorizou os subscritores a assinarem este relatório anual em seu nome”. O Diretor Luciano Siani Pires também assina o documento.

Panorama dos Negócios. Na página 1 (nº do rodapé) tem uma tabela que mostra que o minério de ferro e as pelotas responderam em 2017 por 54,5% ,US$ 18,5 bilhões de dólares, e 16,6%, US$ 5,7 bilhões de dólares, respectivamente. Na soma, o valor chega a 71,1%, ou US$ 24,2 bilhões de dólares. Ou seja, o minério de ferro é o “carro chefe” do resultado operacional da Vale.

Estratégia de Negócios. Na página 3 (nº de rodapé) a Vale deixa claro que o seu compromisso é aumentar as margens no negócio de minério de ferro. Numa empresa, só é possível aumentar a margem reduzindo custo e aumentando a receita (a Vale atuava nas duas pontas).

Compromissos com a sustentabilidade. Na página 3 (número de rodapé), Schvartzman, que assina o documento, deixa claro que a Vale prioriza o gerenciamento de riscos e busca o dano zero aos empregados da Vale e comunidades circunvizinhas.

Aumentar as nossas margens no negócio de minério de ferro. Na página 4 (número de rodapé) a Vale coloca o empenho no aumento de margens no negócio do minério de ferro, citando otimização da cadeia de fornecimento e controlando custos.

Neste ponto cabe algumas perguntas: A Vale tinha uma estrutura de engenharia compatível com a quantidade de suas barragens de rejeitos? Havia alguma política agressiva de redução de custos na contratação de consultorias de segurança de barragens, haja vista que o aumento de margem era especificamente no negócio minério de ferro?

Ruptura da barragem de rejeitos da Samarco em Minas Gerais. Na página 8, Schvartsman que assina o documento descreve, de forma pormenorizada, os efeitos na Vale da ruptura da barragem de rejeitos em Mariana, citando ações emergenciais, processo de recuperação, programas de compensação ambiental, Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC) assinado pela Vale, governo federal, estaduais e autoridades governamentais.

Neste ponto cabe uma constatação: a Vale tem acesso a todas informações sobre o crime ambiental da Samarco em Mariana, embora o Presidente não deixe isto claro nas suas entrevistas sobre o caso Brumadinho.

Distribuição de Dividendos e Juros sobre o Capital Próprio . Na página 11, mostra que a Vale distribuiu US$ 4,5 bilhões de dólares aos acionistas em 2013, US$ 4,2 bilhões de dólares aos acionistas em 2014, US$ 1,5 bilhões de dólares aos acionistas em 2015 (ano da tragédia de Mariana, lembrando que a Vale tem 50% da Samarco), US$ 0,25 bilhão de dólares aos acionistas em 2016 e US$ 1,46 bilhão de dólares aos acionistas em 2017. No acumulado 2013-2017, a Vale distribui quase US$ 12 bilhões de dólares em dividendos e juros sobre capital próprio.

Entre 2016 e 2017, o crescimento na distribuição foi de 482%!!!

Entre 2016 e 2017, o lucro operacional subiu de US$ 7,01 bilhões de dólares para 10,93 bilhões, crescimento de 55%, o lucro líquido subiu de US$ 3,98 bilhões para US$ 5,52 bilhões, o que representa um aumento de 38,9%!!!

Constatação: tendo em vista que Diretores são autorizados a comprar ações (veja mais a frente) esta distribuição agressiva de dividendos gerou ganhos extraordinários ao time de diretores comandados por Schvartsman.

Fatores de Risco: Schvartsmann, que assina o documento, detalha todos os Fatores de Risco da Vale nas páginas 14 a 27 do Relatório 20 F. Neste capítulo, destacam-se os riscos externos, riscos financeiros, riscos relativos a processos judiciais, riscos regulatórios, sociais, econômicos, políticos, riscos operacionais, riscos ambientais, à saúde e segurança.

Riscos Relativos a Processos Judiciais: Na página 16, Schvartzman declara os riscos da seguinte forma:

Estamos envolvidos em processos judiciais que poderão ter um substancial efeito negativo sobre nossos negócios no caso de resultados desfavoráveis.

Estamos envolvidos em processos judiciais em que as partes contrárias pediram liminares para suspender algumas de nossas operações ou reivindicaram quantias substanciais, incluindo diversos processos judiciais e investigações relacionadas à ruptura da barragem de rejeitos de Fundão, da Samarco. Embora estejamos contestando vigorosamente essas ações, seus desfechos são incertos e podem afetar negativamente de modo substancial nossos negócios, nossa liquidez e o valor de valores mobiliários emitidos por nós ou nossas subsidiárias.

Nossas obrigações e potenciais passivos decorrentes da ruptura da barragem de rejeitos de propriedade da Samarco Mineração SA (“Samarco”), em Minas Gerais, podem afetar negativamente nossos negócios, nossas condições financeiras e nossa reputação.

Processos judiciais. Estamos envolvidos em vários processos e investigações relacionados à ruptura da barragem de rejeitos de Fundão, é possível que outros processos e investigações sejam iniciados no futuro. Esses processos incluem ações coletivas de investidores nos Estados Unidos contra nós e alguns dos nossos diretores, um processo criminal no Brasil, ações civis públicas propostas pelas autoridades brasileiras e vários processos envolvendo pleitos de valores significativos relacionados à danos e medidas de remediação. Resultados adversos em tais processos podem afetar negativamente nossa liquidez e nossa condição financeira. Consulte Informações Adicionais – Processos Judiciais.

Obrigações de reparação e outras obrigações. Em março de 2016, a Samarco e seus acionistas (Vale e BHPB) firmaram um Acordo com algumas autoridades governamentais, segundo o qual a Samarco, Vale e BHPB concordam em criar uma fundação (Fundação Renova) para desenvolver e implementar programas de recuperação e compensação a longo prazo. Em janeiro de 2017, a Samarco, Vale e BHPB firmaram doisacordos preliminares com o Ministério Público Federal (MPF) que preveem, entre outras coisas, a nomeação de peritos selecionados pelo MPF para analisar e monitorar os programas de remediação criados segundo o Acordo, a prestação de garantias para assegurar certas obrigações de remediação, e um cronograma para a negociação de um acordo final. Os acordos preliminares contemplam uma revisão potencial dos programas de remediação previstos no Acordo, com base nas conclusões dos peritos selecionados pelo MPF. Como, atualmente, a Samarco está incapacitada de retomar suas atividades, nós e a BHPB estamos financiando a Fundação Renova e fornecendo fundos diretamente para a Samarco a fim de preservar suas operações e apoiar determinadas medidas de remediação realizadas pela Samarco.

O presidente da Vale tem clareza em relação aos riscos judiciais de Mariana. O trecho a seguir é elucidativo para comprovar, de forma cabal, que a Vale sabia dos riscos na contenção de rejeitos de mineração. Desta forma, o compromisso de reduzir o risco não se resume aos profissionais da ponta e sim aos mais altos níveis da companhia, conforme exposto pelo seu diretor-presidente e diretor financeiro em documento formal enviado a bolsa de NY.

Risco de danos ambientais adicionais. Falhas na contenção dos rejeitos remanescentes nas barragens da Samarco podem causar danos ambientais adicionais, impactos adicionais em nossas operações, e reinvindicações, multas e processos adicionais contra a Samarco e contra nós. Falhas na contenção dos rejeitos remanescentes poderiam afetar também a viabilidade e o cronograma para a retomada das operações da Samarco.

Riscos Operacionais: Na página 19, a Vale diz que os projetos estão sujeitos a riscos que podem resultar em aumentos nos custos. A empresa fala que trabalha para “aumentar ainda mais” a produção.

Na página 20, a Vale destaca dois riscos que podem afetar suas perspectivas, são eles: risco de haver acidentes ou incidentes durante a implementação de projeto e/ou risco de escassez de pessoal qualificado.

Perguntas: Dado que os engenheiros e geotécnicos (alguns deles presos) trabalham com mais de 140 barragens da Vale, a Vale reconhece que tem escassez de pessoal qualificado neste campo da engenharia? Quantos destes especialistas trabalham em Minas Gerais?

A Vale tem contratado profissionais desta área na quantidade e qualidade necessária, ou este é um risco administrável pela companhia?

Ainda na página 20, a Vale é direta ao afirmar que problemas operacionais podem afetar negativa e significativamente nossos negócios e desempenho financeiro e cita mais dois riscos: “riscos de acidentes ou incidentes envolvendo nossas minas e infraestrutura relacionada, tais como barragens, usinas, ferrovias e pontes ferroviárias, portos e navios e risco de falha em obter a renovação de alvarás e licenças exigidos, ou atrasos ou custos maiores do que o esperado para obtê-los.

Os elementos descritos deixam límpido que Schvartsman descreveu os riscos de acidentes nas minas e infraestrutura relacionada (a barragem de Brumadinho é um risco que se materializou). Não há o que se falar em “autonomia dos empregados do chão de fábrica” se o risco é reportado para bolsa estrangeira pelo diretor-presidente e Diretor Financeiro.

Pergunta: Schvartsman disse, em coletiva a imprensa recente, que a Vale pediu a licença de descomissionamento da barragem 1 em 2015 e só conseguiu em 2018. O Ministério Público Estadual (MPE), neste processo investigativo, tem feito prisões preventivas e busca e apreensão de funcionários ligados a Secretaria de Meio Ambiente?

O Senador Renan Calheiros (MDB-AL), em uma postagem sobre Brumadinho disse em 27 de janeiro: “erro não foi a privatização e sim a reprivatização. O que é isso? É entregar a mineração para Eduardo Cunha (MDB-RJ) e Leonardo Quintão (MDB-MG).

No meio político, em outubro e novembro de 2018, após a vitória do atual presidente Jair Bolsonaro, houve uma tentativa de Leonardo Quintão se emplacar como Ministro de Minas e Energia. Pelo lado da energia o motivo era sua ligação com Furnas. Pelo lado da mineração, sua ligação com empresas do setor mineral.

Esta interface da Vale com a classe política de Minas está sendo objeto desta investigação?

Por último, o Diretor Presidente, na pagina 21, registra como risco: “podemos não ter cobertura de seguro adequada para alguns de nossos riscos comerciais”

Perguntas: A barragem do Córrego do Feijão estava segurada? Se não estava, porque a Diretoria tomou esta decisão?

Mesmo distribuindo US$ 12 bilhões de dólares em dividendos de 2013-2017, a Vale não considerou relevante contratar um seguro desta natureza?

Será que o caso Mariana, tão bem reportado pelo Presidente da Vale no 20 F, por si só, não seria motivo suficiente para a empresa ser mais prudente na contratação de seguro? Será que a estratégia de reduzir custo e aumentar margem no minério de ferro, reportada no 20F, glossou investimentos em seguro e custos no segmento de minério de ferro?

Riscos ambientais, à saúde e segurança

Na página22, Schvartsman descreve riscos relacionados a incidentes ambientais, de saúde e segurança. Nesse trecho podemos ler por extenso “acidentes envolvendo barragens”!!!

Constatação: O diretor-presidente não só considerava que existe risco de acidente envolvendo barragens, como também deixa claro que este risco é reportado por ele, na medida em que ele assina e concorda com todo o teor do 20 F.

Riscos relacionados às nossas reservas minerais

A Vale afirma na página 25:

“Enfrentamos um aumento nos custos de extração e exigências de investimentos à medida que as reservas são reduzidas”

As reservas são reduzidas gradativamente no curso normal de uma determinada operação de mineração a céu aberto ou subterrânea. À medida que a mineração progride, as distâncias do britador primário e dos depósitos de rejeitos se tornam maiores, as cavidades se tornam mais íngremes, as minas podem mudar da condição de céu aberto para subterrâneas e as operações subterrâneas se tornam mais profundas. Além disso, em alguns tipos de reservas, o teor da mineralização reduz e a solidez aumenta em maiores profundidades. Como resultado, ao longo do tempo, geralmente vivenciamos um aumento nos custos de extração por unidade a respeito de cada mina, ou é possível que precisemos fazer investimentos adicionais, inclusive uma adaptação ou construção de plantas de processamento e expansão ou construção de barragens de rejeitos. Muitas de nossas minas vêm sendo operadas por longos períodos, e é provável que soframos aumento de custos unitários de extração no futuro nessas operações em especial.

Pergunta: Sabemos que as minas próximas a barragem de Brumadinho são antigas o que fazem que tenham custo marginais maiores. Hoje a Vale concentra a sua maior parte da produção no Pará que tem um custo marginal menor. Os investimentos na planta da Vale em Brumadinho e em outras barragens de Minas Gerais estão sendo feitos dentro da quantidade necessária, ou estão relegadas a um plano secundário de investimentos da Vale, haja vista a busca de ampliar produção no Pará?

Produção do Minério de Ferro:

Na página 33 podemos ver que o Sistema Sudeste (Itabira, Minas Centrais e Mariana) produziu 108,6 milhões de toneladas métricas de minério e o Sistema Sul (Minas Itabirito, Vargem Grande e Paraopeba) respondeu por 86,4 milhões. A soma dos dois sistemas foi de mais de 53% do total da Vale.

Pergunta: A Vale está investindo de forma consistente nos seus ativos em Minas, ou está priorizando outros locais cuja vida útil das minas são mais longas?

Reservas de Minério de Ferro

Na página 68 há uma tabela sobre o início de exploração, data prevista de exaustão nos diversos sistemas, como a seguir:

As duas operações com a data de exaustão mais próximas são Itabira e Paraopeba (na qual está o Córrego do Feijão). Itabira começou a operar em 1957 e vai até 2028 e Paraopeba começou em 2001 e vai a 2034. Veja que o custo desta usina cresce ao mesmo tempo que o tempo de exploração diminuiu, gerando uma produtividade marginal decrescente.

Pergunta: A Vale tem realizado os investimentos necessários nos sistemas com datas de exaustão mais longevos?

Despesas por segmento (excluindo despesas com redução ao valor recuperável)

Na página 92, outra informação que tem que ser analisada com cautela pelo Ministério Público. Schvartsman, que assina o documento, deixa claro a redução de despesas gerais, administrativas, pesquisa e desenvolvimento, pré-operacionais, despesas de parada e despesas por segmento.

No segmento de minério de ferro a despesa reduziu de US$ 727 milhões de dólares para US$ 553 milhões de dólares, queda de 23,9%!! No segmento de pelotas a despesa reduziu de US$ 108 milhões de dólares para US$ 91 milhões de dólares, queda de 15,7% !!

Schvartsman se orgulhava da sua austeridade.

Perguntas: Esta redução extremamente significativa de custos afetou a segurança de barragem? A Diretoria, ao estabelecer metas e cobrar resultados, tem como provar que a Vale tem uma estrutura ótima ou uma estrutura deficiente de segurança de barragem?

Existe um risco cruzado entre o relatado na página 20 “risco de escassez de pessoal qualificado” e a imprudência da Diretoria de estabelecer cortes de 24% nas despesas do segmento minério de ferro?

Diretores Executivos

Na página 134 o documento da Vale, enviado à Bolsa de NY, deixa claro que os diretores executivos são responsáveis pelas operações diárias e pelo estabelecimento das políticas e diretrizes gerais estabelecidas pelo Conselho de Administração;

Na página 140 existe uma tabela com as despesas totais relacionadas aos seis diretores, o que dá US$ 50,59 milhões de dólares!!!

Se multiplicarmos por um câmbio na casa de R$ 3,00 (conta de padeiro), chegamos a mais de 151 milhões de reais!!!

Se calcularmos a média por diretor, dá US$ 8,4 milhões de dólares ou cerca de R$ 25 milhões!!!

A austeridade na redução dos custos, o crescimento de mais de 400% na distribuição de dividendos, tudo isto fez com que as ações subissem significativamente. Este movimento ampliou o ganho dos diretores haja vista, o texto abaixo da página 140/141:

Um dos princípios fundamentais para a elaboração da proposta de remuneração é o alinhamento com nosso desempenho e o retorno aos nossos acionistas. Para 2018, espera-se que a remuneração total de nossa Diretoria Executiva, assumindo que iremos atingir a média de desempenho entre os nossos pares, seja composta da seguinte forma: 27% de remuneração fixa, 27% de remuneração variável de curto prazo (baseada em metas por desempenho) e 46% de remuneração variável de longo prazo (incentivos baseados em ações). O componente da remuneração variável de curto prazo baseia-se em nossa geração de caixa, levando em conta metas econômicas e financeiras que refletem o desempenho operacional, bem como metas de saúde e segurança, sustentabilidade e realização de iniciativas estratégicas. Da parcela variável de longo prazo, 20% da remuneração total deve ser concedida de acordo com nosso Programa de Matching e 26% devem ser concedidos como Unidades de Desempenho de Ações (PSUs) no âmbito do nosso plano de ações virtuais, cujo pagamento é uma função direta do desempenho do nosso indicador de Retorno Total aos Acionistas (Total Shareholder Return – TSR) comparado a um grupo pré-selecionado de empresas similares (…)

A remuneração fixa e os benefícios em espécie incluem um salário base em dinheiro, pago mensalmente, o ressarcimento de certos investimentos em planos de pensão privados, serviços de saúde, despesas de transferência, seguro de vida, motorista e despesas com automóvel. A remuneração variável consiste em (i) uma gratificação anual em dinheiro, baseada em metas específicas para cada diretor executivo, aprovadas por nosso Conselho de Administração, e (ii) pagamentos vinculados ao desempenho de nossas ações de acordo com dois programas, o Programa de Matching e as Unidades de Desempenho de Ações (PSU). A Vale também celebrou acordos de indenização com seus diretores executivos.

De acordo com o nosso Programa de Matching, nossos diretores executivos têm permissão de comprar um certo número de ações ordinárias ou ADRs no mercado dentro de uma janela de compra através do administrador do plano.No final de um ciclo de três anos, os participantes têm direito a receber uma recompensa equivalente ao mesmo número de ações ordinárias ou de ADRs mantidas até o final do ciclo. Os participantes podem vender ou transferir suas ações ordinárias ou ADRs a qualquer momento durante o ciclo de três anos, caso em que perdem o direito a qualquer recompensa recebida com relação a essas ações ordinárias ou ADRs. A participação em nosso Programa de Matching é obrigatória para nossos Diretores Executivos nos anos em que pagamos bônus.

De acordo com nosso programa PSU, nossos Diretores Executivos recebem pagamentos em dinheiro vinculados ao desempenho da Vale comparado com um grupo selecionado de empresas congêneres, com base no retorno total (pagamento de dividendos e variação de preço das ações) sobre as ações ordinárias dessas empresas em um ciclo de quatro anos.

Pensão, aposentadoria ou benefícios similares consistem em nossa contribuição para a Valia, a administradora dos planos de pensão patrocinados pela Vale.

Nossos pacotes de indenização podem conter: (i) pagamento único de indenização correspondendo a seis meses de salários fixos para os Diretores Executivos e correspondendo a 12 meses de salários fixos para o Diretor Presidente, paga imediatamente após a data de rescisão; (ii) compensação para acordo de não concorrência correspondendo a duas vezes a remuneração fixa anual, a ser paga em oito parcelas trimestrais iguais após a rescisão; (iii) pagamento prorata de qualquer remuneração variável de longo prazo remanescente (programas de PSU e Matching), paga logo após a data de rescisão; e (iv) pagamento pro-rata de plano de incentivo de curto prazo remanescente (bônus), a ser pago no mês de abril subsequente à data de rescisão. Os pagamentos de indenização em 2017 foram relativos a cinco ex-Diretores Executivos que deixaram a companhia em 2016 e 2017.

As contribuições à previdência social são contribuições obrigatórias que devemos fazer ao governo brasileiro em relação aos nossos Diretores Executivos.

Conclusão Preliminar:

O documento enviado pelo presidente da Vale para a Bolsa de NY é substancialmente robusto para mostrar que a Diretoria da mineradora sabia de todos os riscos relacionados a segurança de barragem.

A experiência de Mariana é relatada de forma detalhada, o que deveria ter suscitado uma postura mais prudente da alta administração, que está sendo processada nos Estados Unidos.

A Diretoria Executiva deixa claro sua austeridade na redução de despesas no segmento de minério de ferro em etapas que vão desde a pesquisa e desenvolvimento, até despesas administrativas.

A agressiva distribuição de dividendos e os bônus extraordinários dos administradores faz com que a busca incessante por lucro seja prioritária em relação à redução de riscos.

Ao citar o risco de escassez de mão de obra, a Vale deixa claro que o aumento de produção pode gerar estrutura insuficiente e inadequada. Cabe registrar que a Vale tem aumentado a produção. Como está a estrutura de segurança de barragens em Minas?

Vale lembrar que o Direito Ambiental não coaduna com esta lógica de redução de custos que possam ampliar riscos para a sociedade e meio ambiente.

Por fim, causa perplexidade à sociedade brasileira as perdas de vidas humanas, as tragédias familiares deste rompimento e, além disso, ver engenheiros e engenheiras da Vale (pais e mães de família) presos, enquanto o seu presidente, que ganha mais de US$ 8 milhões de dólares/ano, com todas as informações listadas aqui, não respeita nem o minuto de silêncio em respeito às vítimas, continuando sem sofrer busca e apreensão na sua residência ou prisão preventiva.

P.S: Importante ver a coletiva de imprensa de dois diretores da Vale, Lucio e Luciano, disponível no Youtube, com mais de 8 mil visualizações, realizada no dia 12 de fevereiro deste ano. Eles relatam amplo conhecimento dos estudos de gestão de risco feito pela Vale e amplo conhecimento do painel de especialistas da mineradora. Esta coletiva contrasta com a fala do presidente da Vale na Câmara dos Deputados, de que nunca soube de nada sobre risco de barragem.

 

1 comentário

  1. Eu acho muita ignorância julgar que o Presidente da empresa sabia de algum risco. Vamos fazer uma analogia: Há duas semanas atrás, um armazém da Vale na Malásia sofreu um incêndio. Você acha que o presidente da Vale teria alguma informação de que haveria algum foco ou risco de incêndio naquele local?
    A Vale é uma empresa global, que possui as melhores práticas e procedimentos corporativos para inibir situações de risco. No entanto, é humanamente impossível para um presidente ter todas as informações individuais de cada operação.
    Vamos tirar a revolta do coração e ser um pouco mais racional…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome