Peça 1 – crime comum ou crime político?

Vamos a mais um Xadrez sobre o caso Marielle, recorrendo ao recurso da teoria do fato. Trata-se de um método de organizar os fatos em torno de uma narrativa lógica, verossímil, uma hipótese de trabalho que ajude a organizar as ideias – e que poderá ser alterada à luz de novos fatos que surjam.

Há duas narrativas sobre o assassinato da Marielle. Uma, tratando como crime comum, embora com componentes políticos. Seria a vingança contra o PSOL, por ter impedido que elementos influentes do MDB ganhassem foro especial e escapassem das investigações da Operação Furna da Onça.

Outra, que defendo, tratando como crime político. Ambas as hipóteses exigem investigações diferentes. O problema das investigações é tratar como crime comum um crime político.

Peça 2 – o contexto político do crime

Uma vereadora é assassinada com 15 dias de intervenção militar. Há inúmeras maneiras de matar sem estardalhaço. Marielle foi assassinada em pleno centro do Rio de Janeiro, com rajadas de metralhadora, os assassinos driblando os sistemas de câmeras no trajeto do carro que os transportou, um crime à altura de Al Capone.

É evidente que a intenção foi desmoralizar a intervenção militar e provocar comoção popular. Nas investigações sobre as pesquisas feitas pelos assassinos no Google, constatou-se que procuravam críticos da intervenção e se concentraram em Marielle, que fora indicada presidente da Comissão da Câmara para acompanhamento da intervenção.

O caminho das investigações, portanto, seria identificar os grupos interessados em frustrar a intervenção.

Peça 3 – as intervenções militares

O impeachment já havia acontecido. A grande questão passava a ser a manutenção das eleições de 2018. E o protagonismo militar era exercido pelos generais de pijama através dos Clubes Militares. Desde 2017, os generais Hamilton Mourão e Augusto Heleno já defendiam a intervenção militar.

Quando veio a intervenção militar no Rio, Bolsonaro entendeu como forma de fortalecer

Michel Temer e Rodrigo Maia. Foi a voz mais enfática contra a intervenção. Um mês antes da morte de Marielle, chegou a chamar Rodrigo Maia de vagabundo.

Se a intervenção era para garantir o projeto Temer-Maia, obviamente quem matou Marielle era contra o projeto, e contra a intervenção.

Peça 4 – as primeiras investigações sobre o caso Marielle

Até então, não havia sinais de linhas de transmissão entre os incendiários da reserva – Mourão e Heleno – e o Alto Comando. Os primeiros indícios da volta da tutela militar no país foram as declarações do general Villas Boas, chantageando o STF um dia antes do julgamento de Lula.

No primeiro dia de 2019, no evento de posse do Ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva, Bolsonaro se dirigiu a Villas Boas: “General Villas Boas, o que já conversamos ficará entre nós. O senhor é um dos responsáveis por eu estar aqui”, disse Bolsonaro no evento de posse do ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.

O episódio com Lula foi em abril de 2018. A intervenção militar, em fins de fevereiro. A morte de Marielle, em março.

Leia também:  Relembre: Padrinho de Sergio Moro pediu 5 milhões de dólares em propina, diz Tacla Duran

Havia diferenças entre as propostas de Mourão e Heleno. Mourão defendia uma intervenção militar geral contra as eleições, o que colocaria no comando do país um general, não Bolsonaro. A estratégia de Heleno era apostar nas possibilidades eleitorais de Bolsonaro. Daí pode-se entender recente elogio de Bolsonaro, também creditando sua posse a Heleno.

Depois das eleições, aliás, Villas Boas sugeriu o nome de Heleno para Bolsonaro. Nem foi preciso, pois o general já fazia parte do círculo íntimo de Bolsonaro. Mas o movimento revela a perfeita sincronia entre o poder militar, representado por Villas Boas, e as afinidades estratégicas de Villas Boas e Heleno.

Esse ponto é relevante para entender melhor as manipulações iniciais do inquérito de Marielle.

A intervenção se deu sob comando das forças de Haiti, cujo guru maior era o general Heleno. Na morte de Marielle, a Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro estava sob controle da intervenção. E, como chefe de polícia civil, foi colocada Rivaldo Barbosa, oriundo das Forças Armadas.

Foi um período em que as investigações emperraram, a ponto do próprio Ministro da Segurança Pública, Raul Jungman, alertar para forças políticas poderosas atrapalhando as investigações.

Ora, se a Secretaria de Segurança Pública estava sob controle das forças militares, é evidente que as forças políticas poderosas não eram meros vereadores ou conselheiros de Tribunais de Conta ou qualquer outro poder paroquial. Eram interesses muito mais amplos e com influência direta sobre o estamento militar.

Peça 5 – entra Witzel

Terminadas as eleições, o jogo muda. Wilson Witzel é eleito para o governo do Estado, no rastro do fenômeno Bolsonaro. Mas, antes do terceiro mês se lançou candidato a presidente da República. Não havia lógica. Witzel era um neófito em política, eleito no embalo do fenômeno Bolsonaro, dependia do PSL. Teria que dispor de algum trunfo na manga para um lance de tamanha ousadia.

Nos meses seguintes, ficou claro que seu trunfo era o controle das investigações sobre a morte de Marielle, o assassinato de uma vereadora com repercussão internacional. Rivaldo Barbosa, o Chefe da Polícia indicado pelas forças da intervenção, foi encostado, depois de ter sido acusado de ter montado empresas de inteligência no período em que comandou a Polícia. E as investigações caíram nas mãos da polícia de Witzel.

Entende-se, aí, o desabafo recente de Bolsonaro – no vídeo em que atacou a reportagem do Jornal Nacional – dizendo que após a eleição, Witzel transformou sua vida em um inferno. No mesmo vídeo, mencionou as ameaças que pairavam sobre os filhos.

Leia também:  Xadrez da cassação de Bolsonaro e a incógnita militar, por Luis Nassif

Peça 6 – Witzel e a disputa política pelas milícias

Hoje em dia, o destino da República está no Rio de Janeiro, em uma disputa pelo controle das milícias e das investigações sobre a morte de Marielle.

Witzel montou uma estratégia habilidosa.

Primeiro acabou com a Secretaria de Segurança, que era o órgão para controle político dos policiais. Em seu lugar, criou a Secretaria de Estado da Polícia Militar e a Secretaria de Estado da Polícia Civil.

Havia duas razões. Ainda está em vigor uma herança da ditadura militar, que subordina cada comandante da PM à aprovação das Forças Armadas. Jamais houve um veto após a redemocratização, mas a possibilidade persiste. Com as mudanças, tirou os Secretários do alcance das Forças Armadas. Foi a primeira razão.

A segunda razão foi a de blindar-se nas negociações políticas com as milícias – que têm enorme influência eleitoral nas regiões controladas. Garotinho e Sérgio Cabral atuavam a seco nas negociações, assim como os Bolsonaro, e se queimaram com isso. Com o modelo adotado por Witzel, as negociações ficam a cargo dos Secretários da PM e da PC, poupando o governador de desgastes.

Hoje em dia, a articulação do poder das milícias não passa mais pelo Palácio da Guanabara. Fica dentro das corporações policiais. São os secretários que operam o poder, e não o governador diretamente. Milícia é assunto de polícia. Sai da zona de risco político. Com esse movimento, o poder da milícia vai se fundindo cada vez mais com a própria estrutura de Estado.

No dia em que forem feitos levantamentos abrangentes sobre os chamados autos de resistência, homicídios praticados por policiais, vai se perceber uma enorme concentração em áreas dominadas pelo Comando Vermelho; e uma boa redução da letalidade em áreas dominadas pelas milícias. Por exemplo, não há registro de autos de resistência em Campo Grande ou Santa Cruz, áreas dominadas pelas milícias.

Hoje em dia, a área das milícias é maior que a do tráfico. Em pouco tempo, haverá só as milícias no Rio. Está foi a razão do 3º Comando, rival do Comando Vermelho, ter se aliado a milícias criando a variante das narcomilícias.

Além das milícias, Witzel tem conseguido montar uma boa base com igrejas evangélicas, e demonstra muita segurança nos passos que dá, mostrando boa capacidade de montar estratégias.

Peça 7 – o choque de jurisdição

O grande embate entre ele e Bolsonaro se dará no caso Marielle, entre a polícia de Witzel e a de Bolsonaro. E a federalização visará blindar Bolsonaro.

Um dia antes de deixar o cargo, a Procuradora Geral Raquel Dodge tentou federalizar as investigações. Quando apareceu o depoimento do porteiro, ocorreu o mesmo movimento da parte do Ministro da Justiça Sérgio Moro. Ele e o PGR Augusto Aras condenaram o porteiro antes mesmo de conhecer o inquérito. E Moro insistiu na federalização. Inventou um crime contra a Lei de Segurança Nacional para colocar a Polícia Federal no encalço do porteiro e arrancar um desmentido para sua declaração.

Leia também:  Movimento de Sara Winter emula KKK em Brasília

Esse mesmo movimento foi feito pelo Ministério Público Estadual, que tem maior autonomia funcional que a Policia Civil, com a encenação de uma falsa perícia para desqualificar o porteiro. A revelação de que a principal procuradora era bolsonarista provocou seu afastamento do caso.

Causou estranheza o fato de familiares de Marielle terem defendido sua permanência do caso com a procuradora bolsonarista. Para entender, é necessário entrar em outro território, o da briga política pela sucessão de Marielle.

Uma de suas irmãs, Aniele, é candidata a vereadora. A ex-companheira Mônica Benício também. Os primeiros conflitos entre a família de Marielle e Mônica surgiram em torno da pensão deixada por Marielle. Um advogado amigo de Marcelo Freixo sugeriu a Mônica registrar o casamento post-morten. Mãe e irmã reagiram, romperam com Freixo e racharam o PSOL.

Até então, Freixo mantinha a maior proximidade com o inquérito de Marielle. Emocionalmente abalado, por julgar que Marielle foi morta em seu lugar, Freixo endossou inicialmente as suspeitas de que os mandantes fossem do MDB. Já a promotora manteve contato maior com a família de Marielle, conquistando sua confiança. Não se sabe se a confiança persiste, após o episódio do porteiro e da revelação dos pendores bolsonaristas da promotora.

De qualquer modo, esses conflitos internos do PSOL ajudaram a fortalecer provisoriamente a tese do crime por disputas políticas internas do Rio.

Peça 8 – Carluxo e o terceiro elemento

Hoje em dia, se sabe que Carlos Bolsonaro, o Carluxo, é alvo principal das investigações conduzidas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. Esse é o motivo de ter saído das redes sociais e, provavelmente, ter trocado ou parado de utilizar o celular.

Na Polícia Civil, as investigações deixarão de lado o porteiro – submetido às pressões da Polícia Federal para mudar seu depoimento. Afinal, já possuem depoimentos gravados do porteiro.

O jogo, agora, está na perícia do equipamento telefônico do Condomínio Vivendas da Barra. Está sendo feita a chamada perícia de sombra, que possibilita resgatar arquivos que tenham sido apagados.

Carluxo é suspeito, não por crime passional, motivado por discussão anterior que teve com Marielle. A suspeita maior é sua obsessão de ter a sombra do pai, de tentar repetir o pai a todo o momento, como se viu nas mensagens do Twitter.

De qualquer modo, se as investigações chegarem a Carlos Bolsonaro, não será fruto de um trabalho competente da Justiça, mas da disputa entre duas facções pela conquista do poder.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. O vídeo https://www.youtube.com/watch?v=ubMDidbpsMQ mostra a saída de Marielle da Càmara de Vereadores no dia em que foi assassinada, às 2018-03-14 17:39:22.

    Cadê o vídeo da saída de Carlos Bolsonaro? Será que sumiram com ele? Será que apagaram? Será que Carlos Bolsonaro saiu disfarçado? Será que Carlos Bolsonaro não quis pedir o vídeo para o ‘síndico’ da câmara para mostrar pra gente? Será que a Polícia do Rio e o Ministério Público do Rio não estão interessados no vídeo e não querem saber dele?

    13
    2
  2. Quando me lembro que foram roubados vigas de aço, pesando toneladas e sei lá quanto de comprimento, numa operação que exigia guindastes e caminhões, sem contar mão de obra especializada e a polícia civil até hoje desconhece os ladrões, eu me pergunto: o caso da Marielle vai dar em quê?

    7
    1
  3. Sobre aparelhamento do Estado.

    É assim que a mílicia age.
    Vai se ocupando das estruturas de Estado, contudo ela mantém o aspecto de formalidade.
    Efetivamente, os cargos são ocupado por gente que vai parasitar o poder publico.
    Melhor exemplo disso, foi o que ocorreu com a fundação.
    Não é mera conduta ideologia.
    É destruição de política pública para depois ocupa-las com seus interesses.
    O mesmo processo foi ocorrendo no Rio, desde os governos garotinho.
    Penso que o interesse ali reprimir culturalmente para difundir a cultura “cristã” que muitos lideres religiosos evangélicos defendem.
    A influência desses lideres garante votos, é o grupo mais fiel da balança bolsonariana.
    O poder aqui não vai se sustentar através de um golpe clássico, militar mas através do aparelhamento, destruição de politicas públicas e coerção através das instituições de investigação e judiciário.
    A ação dos grupos democráticos precisa ser mais rápida.
    Se o partido que eles estão organizando sair, vao tentar aparelhar o Congresso.
    Ano que vem, teremos 2 ministros nomeados para o STF.
    O presidente do senado se movimenta de acordo com seus interesses financeiros e de ser governador.
    Apenas Rodrigo Maia levanta a voz. Creio que ele é alvo.

  4. “O impeachment já havia acontecido. A grande questão passava a ser a manutenção das eleições de 2018”

    A questao dos milicianos é se fortalecerem! O que eles têm em mente é a “tioria” da suposta “hegemonia” da esquerda e do PT, PT, PT. Tese, aliás, corroborada por FH, globo e “mercado”. Nao adianta demonstrar que isso é uma bobagem sociologica (até para um ex sociólogo), afinal, que “hegemonia é esta se o tal Partido jamais teve sequer 1/6 do Parlamento e sempre, sempre teve a mídia inteira contra?

    …Ah, os sindicatos…

    Ora, ciúme de politico ex sociologo, de um partido neoliberal, apelidado de “social democrata…

    Nao adianta, Nassif, na base disso tudo estao as “tiorias” anrissociais e antipetistas. Nada, nada a toa centenas de dias depois o assunto ai da é tratado aa boca pequena, pelo cálculo “vai favorecer “a esquerda” ou nao?

  5. Isso explica o desinteresse do congresso em criar comissao para acompanhar a investigação….. é o receio do que fazer com a verdade …assim que ela surgisse a reviravolta na vida política do país seria inevitável, e pelo visto, nem a oposição deseja isso…..
    Também explica em parte a mídia não ter investigado onde estava o filhote quando do episódio da mensagens de ZAP…….o que não seria difícil de descobrir….
    Tudo e todos podres nessa história, bem a cara do Brasil atual……

  6. -> recorrendo ao recurso da teoria do fato.

    crime político. mas afinal: qual o motivo?

    -> Há inúmeras maneiras de matar sem estardalhaço.
    -> identificar os grupos interessados em frustrar a intervenção.

    o estardalhaço premeditado tem sua contraparte no esmero profissional com que foi executado o assassinato: dois tipos de munição e dois atiradores, preservação incólume da assessora, rapidez e precisão dos disparos, ponto de abordagem, domínio das câmeras de trânsito, placas clonadas, etc..

    muito além da capacidade de milicianos – mesmo que tenham evoluído após a execução da juíza Patrícia Acioli.

    -> É evidente que a intenção foi desmoralizar a intervenção militar e provocar comoção popular.

    aquela intervenção militar na SSP-RJ estava fadada a se desmoralizar por si mesma. qual o ganho para a população? o benefício restringiu-se aos grandes revendedores de equipamentos – principalmente viaturas.

    a não ser que um dos objetivo da intervenção fosse quanto a disputa interna pelo controle do narco-mercado – vide Pacto de Ralito e Plan Colombia.

    -> Se a intervenção era para garantir o projeto Temer-Maia, obviamente quem matou Marielle era contra o projeto, e contra a intervenção.

    qual o projeto Temer-Maia? seja como for, não teria viabilidade eleitoral alguma.

    Bolsonaro jamais quis ser presidente. sua candidatura nunca foi além de marketing para alavancar a votação dos filhos, preservando-se (até por motivos de saúde) para um posterior retorno a um mandato parlamentar (pois era inconcebível para Bolsonaro então já ir se acostumando com uma cargo executivo).

    -> Os primeiros indícios da volta da tutela militar no país foram as declarações do general Villas Boas, chantageando o STF um dia antes do julgamento de Lula.

    a rigor, a tutela militar se mostra indisfarçável desde o início da Lava Jato, explicitando-se ainda mais com a prisão do Almte. Othon (esta jamais ocorreria sem não apenas autorização, e mesmo participação direta, do comando das FFAA).

    -> Bolsonaro se dirigiu a Villas Boas: “General Villas Boas, o que já conversamos ficará entre nós. O senhor é um dos responsáveis por eu estar aqui”
    -> Eram interesses muito mais amplos e com influência direta sobre o estamento militar.

    seria este o segredo de Fátima, cfe. balbuciado por Villas Boas em gravação divulgada algum tempo atrás em seu Twitter?

    o comando das FFAA brasileiras é tempestivo para obedecer as ordens U.S. Southern Command, mas só para isto. são exatamente iguais ao empresariado a quem caninamente servem: incapazes de sequer alguma idéia e iniciativa próprias.

    faz parte da hierarquia militar obedecer para galgar postos, enquanto é inerente as operações militares em campo real capacidade de iniciativa e improvisação.

    -> Witzel era um neófito em política, eleito no embalo do fenômeno Bolsonaro, dependia do PSL.
    -> após a eleição, Witzel transformou sua vida em um inferno. No mesmo vídeo, mencionou as ameaças que pairavam sobre os filhos.

    o clã Bolsonaro foi apenas o cavalo chucro montado para a tomada do Palácio do Planalto. de nada valem após isto, e só geram instabilidade.

    mas como se livrar dos Bolsonaro com o máximo de contenção de danos?

    pois a derrubada da Nova República – e do sistema de poder a sustentando – deixou um vácuo em seu lugar, até não devidamente ocupado.

    Bolsonaro até já se auto-expeliu do PSL, em, busca uma tábua política de salvação – não exatamente um grande e influente partido.

    -> Hoje em dia, o destino da República está no Rio de Janeiro, em uma disputa pelo controle das milícias e das investigações sobre a morte de Marielle.

    as narco-milícias são a versão expandida do jogo do bicho e dos esquadrões da morte, anteriormente operados pelos Porões da Ditadura.

    tudo isto são facetas já conhecidas do mesmo poliedro da economia informal e do mercado negro dos diversos tipos de tráfico, caixa-2, propinas, lavagem de dinheiro, etc…

    a grande diferença é agora existir uma doutrina – inclusive disputando hegemonia na sociedade: a Teologia da Prosperidade.

    -> Emocionalmente abalado, por julgar que Marielle foi morta em seu lugar,

    mas é claro que este é também um dos motivos: jamais poderiam admitir o surgimento de um outro Freixo.

    agora, francamente: Freixo é um desastre… é mais um daqueles que poderia ter sido, mas nunca será.

    ao se puxar o fio da meada do assassinato de Marille, virá toda a classe dominante brasileira, rabo de um bem amarrado no rabo do outro:

    – desde as narco-milícias aos banqueiros, que daquela esquentam o dinheiro;
    – desde os CEO da Teologia da Prosperidade aos pecuaristas do boi branco;
    – desde o grande comércio importador Made in RPC à exportação de cocaína via mula militar dentro do avião da comitiva presidencial.

    diante deste quadro grotesco, mórbido e monstruoso. como supor estar a solução numa Frente Ampla justamente com aqueles que operam e se beneficiam deste esquema?
    .

    • Há outro aspecto igualmente mórbido e preocupante neste cenário… A soltura de Lula, vista por muitos como uma vitória parcial sobre a marcha ascendente do fascismo, não significará, paradoxalmente, resistência ao fascismo, por uma razão muito simples: até o momento, o papel de Lula restringiu-se ao de jogar água fria nos movimentos sociais, e em todos aqueles que veem nos crimes do bolsonarismo razões de sobra para que, de um modo ou outro, ele seja derrubado. Ao amarrar as mãos e os pés da classe trabalhadora, vendendo a ela a ilusória promessa de vitória do lulismo nas próximas eleições, o resultado objetivo de Lula ter retornado ao cenário político é precisamente facilitar a ascensão do fascismo. É um paradoxo macabro. Um partido de tipo reformista e social-democrata como o PT é sempre a primeira vítima do fascismo. Mesmo assim, Lula não consegue conclamar os trabalhadores às ruas, para que impeçam os abusos diários a que o povo está submetido. Não se enfrenta o fascismo apenas participando comportadamente de eleições… Era preciso seguir o caminho do povo chileno: greves gerais e poderosas manifestações de rua. Em vez disso, o PT usa a influência que tem sobre os sindicatos e movimentos sociais para mantê-los inertes. Conduz assim, mesmo sem querer, a classe trabalhadora para as mãos do açougueiro.

      • -> até o momento, o papel de Lula restringiu-se ao de jogar água fria nos movimentos sociais, e em todos aqueles que veem nos crimes do bolsonarismo razões de sobra para que, de um modo ou outro, ele seja derrubado.

        e o que vemos ao nosso redor?

        a miséria galopante, dezenas de pessoas estendidas debaixo de marquises, o pequeno e médio comércio falidos, uma epidemia de depressão e suícídio.

        não nos enganemos: o povão está com sangue nos olhos. mas lhe falta a faca nos dentes.

        encurralado contra a parede, espremido e humilhado de todas as formas, o povo reagirá, sabendo que a única saída e ir prá cima.

        tudo é altamente preocupante.
        .

  7. Esse inquérito so chegara aos bolsonaro se for util a queda do capitão. Não vejo isso no xadrez atual. Manter bolsonaro, apesar do horror ao personagem, esta valendo a pena. Ou o Financial Times iria mandar recado de graça ?

  8. Dizem que a intervenção das FAA no estado do Rio foi para afastar o comando vermelho do comando do tráfico de drogas e permitir que o PCC assumisse o posto.
    Que o PCC paga uma mensalidade aos milicianos cariocas e comandantes da intervenção para que o tráfico deles não seja combatido e que o PCC ajudaria a diminuir o número de assassinatos. De quebra as FAA e polícia do Witzel ajudam a assassinar os membros do comando vermelho.
    Foi apreendido 40KG de pasta base de coca em um avião das FAA nas espanha.
    Bozo tenta desarticular o sistema de fiscalização em importante porto do Rio.
    Será que a Marielle fiscalizaria a intervenção a vera e por isso foi assassinada?

  9. Acredito que isso não passa de burburinho para ficar gerando essa crise entre o governo do RJ e o governo federal. Todos queremos que o caso Marielle seja elucidado, assim como outros. Sendo enquadrado como crime político ou crime comum com componentes políticos, o sentimento é o mesmo, tanto o governo estadual quanto o federal querem a solução do caso e ponto final.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome