O drama dos refugiados cantado por Cora Coralina

Enviado por Edison Brito

A poesia, a boa poesia, tem estas características: atemporalidade e universalidade.

Nestes versos de Cora Coralina podemos trocar facilmente 1945 por 2015 (guerra não falta), judeus por haitianos, sírios, libaneses, curdos, Afeganistão, congoleses, nigerianos, líbios e tantos outros que, de repente, veem seu mundo desaparecer num trovejar de bombas e povos que nunca terra tiveram.

Não há perda poética, nem triste verdade.

Barco sem rumo

Há muitos anos,

No fim da última guerra,

Mais para o ano de 1945,

Diziam os jornais de um navio-fantasma

Percorrendo os mares e procurando um porto.

Sua única identificação:

-drapejava no alto mastro uma bandeira branca.

Levava sua carga humana.

Salvados de guerra e de uma só raça.

Incertos e sem destino,

Todos os portos se negaram a recebê-lo.

Acompanhando pelo noticiário do tempo

O drama daquele barco,

Mentalmente e emocionalmente

Eu arvorava em cada porto do meu País

Uma bandeira de Paz

E escrevia em letras de diamantes:

Desce aqui.

Aceita esta bandeira que te acolhe fraterna e amiga.

Convive com o meu povo pobre.

Compreende e procura ser compreendido.

 Come com ele o pão da fraternidade

E bebe a água pura da esperança.

Aguarda tempos novos para todos.

Não subestimes nossa ignorância e pobreza.

Aceita com humildade o que te oferecemos:

Terra generosa e trabalho fácil.

Reparte com quem te recebe

Teu saber milenar, Judeu,  meu irmão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Belíssimo.

    Salvando meu dia.

    Cora tem esse dom: o do acolhimento. É como receber um afago de vó, uma benção de mãe, um colo, um ombro.  Fraternidade e amor.

    Belíssimo.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome