Os bastidores da agressão de Freire a Raduan Nassar, por Rafael Alves

Do Brasil 247
Sociólogo revela bastidores da agressão de Freire a Raduan Nassar
Por Rafael Alves
Texto literário é coisa para Raduan.
Textos jornalísticos felizmente já estão sendo veiculados.
Este é, quiçá, um desabafo. Uma reflexão a partir do evento em que Raduan Nassar recebeu o Prêmio Camões.
Raduan iniciou seu discurso dizendo ter tido dificuldade para entender o Prêmio.
Eu estou até agora com dificuldades para entender a cerimônia de premiação realizada ontem, 17 de fevereiro de 2017.
Por um lado, sinto a felicidade por ter estado presente num evento de tal importância, ter visto e ouvido uma pessoa como Raduan – o que especificamente em seu caso é algo ainda mais raro, considerando sua discrição e opção pela reclusão.

Por outro, sinto o mal estar pelo ocorrido, pela maneira com que o ministro em exercício, consequentemente o próprio (des)governo, tratou aquele que é considerado por muitos o maior escritor brasileiro vivo. O desrespeito foi direto ao escritor, mas estendeu-se à plateia e ao próprio Prêmio Camões.
Desrespeitou-se a Cultura, a Literatura, a Língua Portuguesa.
Raduan Nassar foi galardoado com o Prêmio Camões em maio de 2016 por unanimidade do júri. A entrega – do diploma, pois até onde sei o prêmio pecuniário ainda não foi pago – foi adiada ao máximo justamente para afastar a possibilidade de manifestação política do escritor. O evento realizado quase um ano após a definição do prêmio não contava com nada, não foi contratado um show no valor de 500 mil reais sem licitação como o (des)governo fez em novembro de 2016 no Palácio do Planalto. Sem divulgação, deveria passar desapercebido.
O que Raduan Nassar fez foi um ato político.
Reuniu uma plateia que ouvisse seu discurso e replicasse o ocorrido, desmoralizando ainda mais este (des)governo e explicitando seu autoritarismo e descaso com o país.
O Prêmio não foi “dado” por este (des)governo, como disse o ministro em exercício. Foi entregue “apesar” dele.
Da mesma forma ocorreu a cerimônia de premiação. Muito pelo esforço de um amigo – a quem gostaria de dar o crédito, mas talvez ele goste de ser misterioso como Raduan – jornalistas, políticos, escritores, intelectuais, admiradores foram reunidos para presenciar aquele manifesto. O Coral Passarim ofereceu o momento de maior beleza com cerca de vinte meninas cantando músicas brasileiras. Outro amigo propiciou o transporte do coral. As crianças quase foram impedidas de entrar no evento, pois não estavam nos planos do cerimonial e o responsável foi indagado sobre quais músicas seriam cantadas.
A cerimônia ocorreu “apesar” do cerimonial do ministério da cultura.
Este mesmo cerimonial cometeu o despautério de inverter a ordem comum a uma premiação, fazendo com que o homenageado falasse primeiro, deixando o discurso final ao ministro em exercício para que ele transformasse o que deveria ser a cerimônia de entrega do Prêmio Camões em comício da era da pós-verdade.
Minha sensação foi de vergonha alheia.
Pois bem, iniciado o dispositivo, a presidente da Biblioteca Nacional, Helena Severo, erra repetidas vezes o nome do homenageado em seu discurso de apresentação, sendo corrigida pela plateia e pelo próprio Raduan NASSAR. Raduan faz um discurso sucinto, aponta fatos recentes como as invasões em escolas, violência contra manifestações democráticas nas ruas e as tragédias nos presídios para destacar a figura de Alexandre de Moraes, prestes a ocupar uma cadeira vitalícia no Supremo Tribunal Federal. Aponta diretamente a responsabilidade do Ministério Público e do STF na colocação e manutenção do governo de exceção em exercício. Menciona a decisão de Celso de Mello de garantir o foro privilegiado a Moreira Franco, citado 34 vezes numa única delação. Opina que o Supremo atuou coerente com seu passado no regime militar, ao manter Eduardo Cunha como presidente da Câmara, permitindo que instaurasse o processo de impeachment, destituindo Dilma Rousseff, íntegra e eleita pelo voto popular.
Em seguida, o embaixador de Portugal, Jorge Cabral, faz um discurso protocolar, atendo-se ao prêmio.
Roberto Freire, então, toma a palavra. Não dá para dizer que perdeu o decoro em seu discurso, pois já não há decoro nas ações dos membros desse (des)governo há muito tempo. Não dá nem para dizer que tenha sido um discurso, já que improvisa ofensas e bate boca com a plateia. Portanto, toma a palavra e tenta tomar a cena, como tomaram o governo, como tentam tomar o país.
Freire começa por dizer que já seria preocupante vindo de jovens, mas traz perplexidade que alguém com a “experiência” de Raduan considere que a democracia foi abalada. Diz que “quem dá prêmio a adversário político não é a ditadura” e destaca que o prêmio foi aceito, mencionando que não é apenas reconhecimento, que “há prêmio mesmo, para que todos saibam”. Defende que o governo é democrático por “permitir” que um “adversário político” receba um prêmio e a prova está naquele evento, em que “foi permitido” ao homenageado que “falasse e imaginasse” o que quisesse.
Ora, só até aí o disparate já era imenso. Em primeiro lugar o Prêmio Camões foi instituído em 1988 por Brasil e Portugal, não é algo de um ou outro governo.
Confunde-se de saída Estado com governo. Trata-se de recursos públicos e não um presente do governante do momento. A escolha do premiado é feita por um júri internacional, não por membros do ministério de Freire. Além disso, Raduan foi escolhido tendo seu nome divulgado em maio de 2016, mês da saída da presidenta Dilma Rousseff.
A truculência e aspiração ditatorial, fazem com que Freire, querendo defender o governo como democrático, dê como prova disso ter “permitido” que Raduan fosse premiado e falasse. A mesquinharia o faz destacar que há prêmio em dinheiro, sem considerar que o valor de cerca de 300 mil reais não deve causar nenhuma cobiça ao homem que há poucos anos doou terras a trabalhadores e uma fazenda com maquinário, cujo conjunto é avaliado em cerca de 20 milhões de reais, para a Universidade Federal de São Carlos, onde hoje funciona o Campus Lagoa do Sino, em que estudam aproximadamente 500 alunos, com eixos centrados no Desenvolvimento Sustentável Territorial, Soberania e Segurança Alimentar, e Agricultura Familiar.
E aconteceu o que Raduan deixara como última frase em seu discurso, não houve como ficar calado.
Augusto Massi, poeta e professor da USP, alertou Freire de que a obra de Raduan era uma obra política, e que o ministro não estava à altura daquele evento. Freire respondeu que Raduan pôde falar, que “nós o respeitamos”, ao que Massi apontou o óbvio: “hoje é o dia do Raduan, não é seu!”
Em meio aos aplausos pela intervenção de Massi, Freire ainda disse que foi Raduan quem não entendeu o que se fazia ali, o chama de adversário e passa a desqualificar, mas sem nenhum argumento, a narrativa do golpe.
E a plateia ouve. Não sei se por educação, curiosidade, ou, como eu, atônita ao presenciar algo assim. É impressionante a falta de pudor, como estas pessoas ficam à vontade para, mesmo diante de um público crítico, fazer uma fala quando não vazia de significado ou distorcendo a realidade, simplesmente autoritária. E esse caráter se acentuou.
“O silêncio é de praxe!”, bradou a filósofa Marilena Chauí.
Freire tenta seguir “tomando” a palavra. Pois não havia o que responder, não havia argumentos. Apenas precisava falar mais, falar por cima, falar de cima.
E, talvez justamente porque saiba que “não há argumentação possível com o fascista”, como disse numa entrevista ao Jornal da Unicamp em 2016, Laymert Garcia dos Santos, professor desta universidade, se dirige à plateia: “não é possível que nós continuemos ouvindo isso aqui!” “Não é possível, pois é um desrespeito ao próprio Raduan”, diz Laymert. E Freire, então, vem com a pérola de que Raduan “desrespeitou a todos nós”. Diz que está representando um governo, blá, blá, blá… Laymert brada que “o prêmio é maior, ele é um prêmio da literatura da língua portuguesa”. O ministro, corroborando o discurso de Raduan, quando denunciou a repressão violenta às manifestações políticas, diz que “esta oposição sionista evidentemente está com os dias contados”. A máscara caiu, Laymert ainda lhe indaga antes de as vaias começarem: “é uma ameaça”?
Ao descer do palanque que construiu, Roberto Freire vai diretamente a Laymert chamando-lhe de vagabundo e a Massi de idiota.
Raduan, com seus 82 anos, assistiu a tudo sereno. Depois recebeu cumprimentos, conversou, autografou.
Ouvi alguns aventando se ele deveria ter respondido. Não me parece de modo algum. Raduan também é maior.
Da mesma forma que a força de sua obra não vem da extensão – autor de dois livros e meio, como ele brinca –, não havia mais o que dizer. Já não havia resposta para o que dissera.
O evento político estava consumado.
Raduan fez com que os demais não ficassem calados.
Rafael Alves é sociólogo e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

12 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

AMORAIZA

- 2017-02-22 16:24:43

Premiados

Em lingua portuguesa, o  maior pensador da atualidade Olavo de Carvalho mereceria ler laureado(he!he!).

Marcelo Macca

- 2017-02-21 04:26:00

Imagens Discurso Raduan Nassar + Destempero Roberto Freire

Caro Nassif, estive no evento, e fui o único cinegrafista-reporter com uma câmera de vídeo profissional... as imagens da malcriação do Roberto Freire eu as cedi para a Carta Capital, com muito prazer. Mas ainda detenho as imagens do discurso histórico de Raduan (a parte principal do evento e que considero a mais importante) e gostaria muito de colocá-las à público por algum veículo confiável de impressa. Vc poderia me encaminhar-indicar para algum adequado? Aproveito para agradecer por seus textos, sempre profundos e importantes... Muito Obrigado

Marcelo Macca

- 2017-02-21 04:26:00

Imagens Discurso Raduan Nassar + Destempero Roberto Freire

Caro Nassif, estive no evento, e fui o único cinegrafista-reporter com uma câmera de vídeo profissional... as imagens da malcriação do Roberto Freire eu as cedi para a Carta Capital, com muito prazer. Mas ainda detenho as imagens do discurso histórico de Raduan (a parte principal do evento e que considero a mais importante) e gostaria muito de colocá-las à público por algum veículo confiável de impressa. Vc poderia me encaminhar-indicar para algum adequado? Aproveito para agradecer por seus textos, sempre profundos e importantes... Muito Obrigado

Cesar Saldanha

- 2017-02-21 00:53:29

Ei de sermos uma colônia

Ainda ei de sermos uma colônia, quando formos colonizados, é claro! Como já dizia os versos do poeta Ruy Guerra numa canção de Chico Buarque, o Fado Tropical "Ai essa terra há de vir seu ideal, ainda vai torna-se um império colonial", mas a proa já está afundando, e ainda somos ilha de exploração, já se passaram mais 500 anos quando levaram nosso ouro e pau-brasil e a terra brasilis continua rica para extrair os seus tesouros variados. Estamos sentados em cima da maior reserva de nóbio (99% do mundo), Petróleo, Agricultura e água, e tudo está se esvaindo pelas mãos em apenas 8 meses de desgoverno corrupto e entreguista. Não se assuste que a primeira destruição seria a cultura e educação, como já está sendo. 

Patricia Queiroz

- 2017-02-20 21:24:08

Episódio lamentável

Infelizmente assistimos a esse verdadeiro espetáculo da desqualificação de um governo.

Seria até comico, se não fosse dramático! Se esse grupo de bandidos que tomou de assalto o nosso país e tenta nos levar às trevas, não estivesse entregando todos os nossos recuros preciosos, nossa soberania e nossas terras aos especuladores estrangueiros, e claro que pelo numero de citaçoes nas delações, alguém tem duvida sobre os propositos nada republicanos dessa turma?

Não podemos perder tempo com uma figura patética como a desse sujeito...Temos muito o que lutar para retomar os espaços perdidos, a confiança de quem se sentiu traido(a) pelas mazelas do PT durante o governo, e retomar o rumo de politicas sérias e inovadoras.

Gardenal

- 2017-02-20 21:04:11

Premonitório quanto aos nomes

Premonitório quanto aos nomes que teria que escolher Temer foi cirúrgico no desmembramento do antigo Ministério da Educação e Cultura. Roberto Freire não tem educação e o Mendoncinha não tem cultura.

Maria Luisa

- 2017-02-20 20:18:09

De chorar de vergonha do nivel dos que deveriam nos representar

Quando se pensa que esse governo começou com um "presidente da republica" demitindo o copeiro do Planalto porque ele seria petista; agora saber que Roberto Freire, um desqualificado (mais um!) fez a Raduan Nassar é de sentar e se perguntar, quando acabara este pesadelo?

 

jossimar

- 2017-02-20 19:27:10

A burrice, a incompetência, a

A burrice, a incompetência, a falta de vergonha na cara é a marca mais vísivel do desgoverno que o Brasil está sendo vítima.

E, não há como negar, quem levou estes imbecis para o governo foram os imbecis do judiciário, mpf, stf e pf.

Um bando de saqueadores do estado.

Jurandir Paulo

- 2017-02-20 18:53:13

Vergonha viaja além mar

Publicado hoje no Público por Alexandra Lucas Coelho:

 

O ministro que se confundiu a si mesmo com um prémio

O ministro sumirá da história e a obra do premiado fica, enquanto houver alguma forma de livro no planeta.

1. A cerimónia de entrega do Prémio Camões, o maior da língua portuguesa, sexta-feira passada, em São Paulo, foi um retrato do que está em curso no Brasil, mas não só. Revelou a que ponto um ministro não distingue Estado e governo, confundindo-se a si mesmo com um prémio. E como querer separar cultura e política leva a uma política sem cultura.

2. O premiado desta edição era o brasileiro Raduan Nassar. A decisão, unânime, foi tomada em Maio de 2016 por um júri composto por críticos e escritores de vários países de língua portuguesa. O anúncio coincidiu com o início do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Mas não era esse governo, ou um seu sucessor, que atribuía o prémio a Raduan Nassar, e sim um júri independente. Aos governos de Portugal e Brasil que na altura da entrega estivessem em funções competiria cumprir, em nome dos Estados, o compromisso que existe desde que o prémio foi instituído, assegurando o montante em dinheiro. Os premiados do Camões não são escolhas de nenhum governo. Qualquer confusão em relação a isto será um insulto à ideia do prémio, aos júris que já o atribuíram, a cada nome que o recebe, e a quem acredita na sua independência.

3. A obra de Raduan Nassar é daquelas que muda a língua e os leitores, e mantém-se tão breve quanto única. Foi publicada sobretudo nos anos 1960 e 1970, depois o autor largou a literatura, tornou-se fazendeiro, desapareceu do espaço público. Durante décadas esse silêncio tornou-se lendário. Mas em 2016, no início do impeachment, Raduan mandou a lenda às urtigas por achar que o impeachment era um golpe. Falou, foi a Brasília ter com Dilma, protestou na imprensa. Fez isso num Brasil dividido ao extremo, o que lhe valeu ser insultado aos 80 anos pelos que acima de tudo odiavam Lula, Dilma e o PT. Não se tratava apenas de discordar de Raduan, mas de o diminuir como anacrónico. Ele, que ao fim de décadas voltara para fazer o mais difícil, aparecer. E como teria sido tentador continuar fora da mortal turba humana. Mas Raduan deixou o olimpo para os livros e arregaçou as mangas.

4. O governo que ocupou o poder pós-impeachment já vai na sua segunda tentativa de ministro da Cultura. Seja por isso, seja porque Michel Temer & Cia receavam o que Raduan pudesse dizer, a entrega do Prémio Camões só aconteceu agora. Dado que Raduan quebrara várias vezes o silêncio em 2016 era de prever que aproveitasse para um discurso político. E foi o que aconteceu. Um breve discurso contundente em relação ao actual governo brasileiro, e ao sistema que o favorece. Depois de um par de frases para o outro lado do Atlântico (“Estive em Portugal em 1976, fascinado pelo país, resplandecente desde a Revolução dos Cravos no ano anterior. Além de amigos portugueses, fui sempre carinhosamente acolhido”), Raduan estabeleceu o contraponto com o Brasil de 2017: “Vivemos tempos sombrios, muito sombrios”. Deu exemplos de invasões em sedes do PT e em escolas de vários estados; de prisões de membros dos movimentos sociais, de “violência contra a oposição democrática ao manifestar-se na rua”, da responsabilidade governamental nas “tragédias nos presídios de Manaus e Roraima”, de um “governo repressor”: “contra o trabalhador, contra aposentadorias criteriosas, contra universidades federais de ensino gratuito, contra a diplomacia ativa e altiva”. Um “governo atrelado, por sinal, ao neoliberalismo com sua escandalosa concentração da riqueza”, “amparado pelo Ministério Público e, de resto, pelo Supremo Tribunal Federal”. Um Supremo coerente “com seu passado à época do regime militar”, que “propiciou a reversão da nossa democracia: não impediu que Eduardo Cunha, então presidente da Câmara dos Deputados e réu na Corte, instaurasse o processo de impeachment de Dilma Rousseff.” Aqui Raduan concluiu: “Íntegra, eleita pelo voto popular, Dilma foi afastada definitivamente no Senado. O golpe estava consumado. Não há como ficar calado.”

5. A plateia, em pé, aplaudiu. Os três anfitriões da cerimónia permaneceram quietos: embaixador de Portugal, Jorge Cabral, directora da Biblioteca Nacional, Helena Severo, e ministro brasileiro da Cultura, Roberto Freire, que então se levantou para ir ao púlpito. Com Raduan já sentado, Freire decidiu responder-lhe de improviso, numa longa intervenção gesticulante, que foi subindo de tom. “Lamentavelmente, o Brasil de hoje assiste perplexo a algumas pessoas da nossa geração, que têm o privilégio de dar exemplos e que viveram um efetivo golpe nos anos 60 do século passado, e que dão o inverso”, disse. “Que os jovens façam isso já seria preocupante, mas não causaria esta perplexidade”. Quando falou no “momento democrático que o Brasil vive” ouviram-se as primeiras gargalhadas e vaias da plateia. A partir daí foi uma escalada, com o ministro a levantar a voz para se impôr ao bruá, martelando palavras. Este prémio, afirmou, “é dado pelo governo democrático brasileiro e não foi rejeitado”. Adiante insistiu: “É um adversário recebendo um prémio de um governo que ele considera ilegítimo, mas não é ilegítimo para o prémio que ele recebeu.” Ou: “Quem dá prémios a adversário político não é a ditadura.” Ou: “É fácil fazer protesto em momentos de governo democrático como o actual.” Ignorou quando alguém da plateia o alertou para o óbvio: “Hoje é dia do Raduan!” Quando alguém pediu “Respeito a Raduan!”, devolveu: “Ele desrespeitou todos nós!” Respondeu sarcasticamente a autores na plateia. A dada altura, o professor da USP Augusto Massi disse: “Acho que você não está à altura do evento.” Massi disse à “Folha de S. Paulo” que Freire lhe chamou idiota depois, na saída. À “Folha, Freire disse que fizera aquele discurso dada a “deselegância” de Raduan: “Se ele viesse dizer que não aceitava o prémio, a crítica que ele fez até podia ser justa.” Mais tarde declarou: “Quem assinou, convidou e pagou o prémio foi este governo.” E ainda: “Tinha tantos que não foram ali para aplaudir um escritor, foram para [me] agredir, acho que até fui brando.”

6. Ou seja, para o ministro a) este prémio é dado por este governo b) quem critica este governo dá mau exemplo c) jovens críticos já é mau mas velhos ainda é pior d) se Raduan queria criticar não aceitava o prémio e) quem vaiara o ministro tinha vindo não por Raduan mas para o agredir a ele, ministro. E com tudo isto o ministro suplantou as críticas de Raduan na repercussão mediática. Em suma, não é de espantar que o megalómano ministro venha a dizer: o prémio, fui eu.

7. Claro que o ministro sumirá da história e a obra do premiado fica, enquanto houver alguma forma de livro no planeta. Para os livros de Raduan Nassar é indiferente o que passou na sexta. Mas a nós, contemporâneos, importa, sim, que um membro do poder político abuse do cargo, confundindo, distorcendo e agredindo um criador como Raduan, protagonista único da cerimónia, que lhe devia merecer, no mínimo, silêncio. Não cabe ao ministro aprovar ou reprovar o discurso do premiado, não lhe cabe responder. Tal como não é preciso alguém estar de acordo com Raduan politicamente para entender como foi absurdo o que se passou. O prémio não é deste governo, é patrocinado por dois Estados, e atribuído por um júri. A sua aceitação nunca deverá implicar um discurso bem-agradecido. Um ministro da Cultura que veja os criadores como estando ao serviço não entendeu nada. Idem para quem sugere que se pode tirar a política da cultura, e vice-versa. De resto, o que o actual governo brasileiro está a fazer na Cultura é um desmonte do muito que veio sendo construído. Se há áreas em que os anos de Lula deram frutos fortes, a Cultura é certamente uma delas.

Edsonmarcon

- 2017-02-20 18:26:43

Os próximos premiados

Já que o ministro da inCultura acha que ganhador de prêmio concedido pelo governo tem que ser puxa-saco do tal governo, quem seriam os próximos ganhadores do prêmio Camões?

De saída, se destacam dois fortes candidatos: Lobão e Alexandre Frota.

Lobão é o mais conhecido poeta "underground" (uma referência ao nível de suas composições).

Alexandre Frota  saiu do "HO - HA - UI - SIM" e mudou radicalmente para "HO HO HO HA HA UI", revolucionando completamente o gênero (todos os gêneros humanos incluídos).

Mas outros chegam com força (cai fora Frota)

Sarney e seus "Marimbondos de Fogo" -- categoria Poesia de terror (ou terror de poesia, dá na mesma)

Merval Pereira e sua ficção política (só ele acredita no PSDB)

Míriam Leitão, a urubóloga,  está na categoria Irrealismo Trágico.

 

O que mais virá por aí?

 

Luiz (o outro)

- 2017-02-20 18:21:05

o Freire é só um babacão

Roberto Freire, aquele imbecil que, como o Sarney, mudou de domicilio eleitoral para conseguir se eleger? Quem de respeito liga para o que ele fala?

Alan Souza

- 2017-02-20 18:17:17

Dificuldades

"Eu estou até agora com dificuldades para entender a cerimônia de premiação"

Resumindo: Roberto Freire trumpanizou-se.

(Não que nos últimos 20 anos ele tenha sido muito melhor do que isso...)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador