Devastação e pandemia: Fabiana Prado no Cai na Roda deste sábado

“Esse processo acelerado de desmatamento, que vem crescendo nos últimos anos, além dos impactos climáticos, tem desdobramentos na questão de saúde", alerta a bióloga em entrevista as jornalistas do GGN

TV GGN

Jornal GGN – No momento em que o pulmão do mundo, Manaus (AM), sofre com a falta de oxigênio, a bióloga e gerente de projetos do Instituto de Pesquisas Ecológica (IPÊ), Fabiana Prado, fala ao Cai na Roda sobre os impactos do desmatamento florestal na saúde pública, na edição deste sábado, 16 de dezembro, exibida na TV GGN.

“As pandemias surgem, na maioria, por meio de animais silvestres. O [novo] coronavírus veio de um morcego que entrou na parte alimentar humana. Isso também acontece com aves, com porcos, com os macacos – no caso do HIV [vírus da imunodeficiência humana]. Dentro dos sistemas mais bem preservados existem milhares de vírus e bactérias que estão em equilíbrio com aquele ambiente. Mas, a partir do momento que ele tem um contato, seja com um animal de uso para consumo humano ou quando o próprio homem faz o consumo desse animal, ele entra na circulação humana”, explica. 

“O ponto chave dessa relação é: toda vez que se desmata uma área, têm populações humanas se agregando [nessa região]. Com isso, esse ambiente [desmatado] fica muito mais propício aos vírus e bactérias que estão ali”, diz. “Quanto mais a gente desmata esses ambientes, mais eles ficam desequilibrados”, pontua a bióloga. 

Sendo assim, “esse processo acelerado de desmatamento, que vem crescendo nos últimos anos, além dos impactos climáticos, também tem desdobramentos na questão de saúde”, alerta Prado. 

Ao longo de uma hora de entrevista, a especialista também destaca como a politização do manejo da pandemia pelo governo federal e o desleixo sobre a ciência, em especial nos últimos dois anos, já afeta a população e pode agravar – ainda mais – o cenário diante da ameaça de outras epidemias. 

“Nós estamos vivendo o agravamento da pandemia por conta da politização e pela falta de ter a ciência mais implementada. Se não há investimento na ciência, que tem diminuído muito, isso tudo reflete no agora. Nós poderíamos estar em uma situação muito melhor. E, o que está acontecendo em Manaus pode acontecer em outros lugares, dependendo da situação”, dispara. 

Prado ainda fala sobre temas como a importância da fiscalização ambiental, os impactos do desmatamento em áreas urbanas e da liberação excessiva do uso de agrotóxicos, a trágica queimada do Pantanal, os projetos do IPÊ, a importância da educação ambiental, a valorização da comercialização de produtos locais em comunidades isoladas e a relação dos ambientalistas com o Ibama.

Participaram desta edição do Cai na Roda as jornalistas Lourdes Nassif, Ana Gabriela Sales e Tatiane Côrrea. Confira:

Sobre o Cai Na Roda

Todos os sábados, às 20h, o canal divulga um novo episódio do Cai Na Roda, programa realizado exclusivamente pelas jornalistas mulheres da redação, que priorizam entrevistas com outras mulheres especialistas em diversas áreas. Deixe nos comentários sugestão de novas convidadas. Confira outros episódios aqui:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora