Dilma rebate reportagem da IstoÉ sobre assalto ao patrimônio público

Jornal GGN – A assessoria de Dilma Rousseff rebateu reportagem da revista IstoÉ denunciando suposto desaparecimento de objetos da Presidência que, por auditoria do Tribunal de Contas da União, não pertenceriam ao acervo pessoal da presidente. Segundo nota à imprensa, IstoÉ, mais uma vez, lança mão de mentiras para atingir a imagem de Dilma. A nota diz que a reportagem faz confusão entre o que é acervo presidencial e o que pertence a outros setores do governo federal, além de ter se baseado de um relatório inconclusivo.

“Tal auditoria contempla órgãos integrantes da Presidência da República e não se limita aos palácios do Planalto e da Alvorada. Integram-na as secretarias Especial de Políticas para as Mulheres, de Portos, de Aviação Civil e de Micro e Pequena Empresa.”

A presidente também desmentiu nota publicada pelo colunista Jorge Bastos Moreno, em O Globo, dando conta da falta de um objeto que, na verdade, está em posse de Dilma, no Palácio da Alvorada.

“Sobre o cervo doado pelo governo da Bulgária – uma réplica de um dos tesouros da Trácia, do século 4 AC, a Assessoria de Imprensa da presidenta Dilma Rousseff informa que, ao contrário do que noticiou o colunista, o presente não está perdido e encontra-se no acervo pessoal da presidenta Dilma Rousseff, no Palácio da Alvorada, como atesta a foto cima, feita nesta sexta-feira, 12 de agosto, com a edição do jornal O Globo. Além disso, a cabeça do cervo não é de porcelana, mas de ferro fundido, banhado a ouro.”

Leia também:  Leitoras, leitores e assinantes protestam contra a parcialidade do programa sabatina Folha/UOL

Leia mais aqui.

Leia, abaixo, a nota na íntegra.

Sobre a suposta reportagem “Assalto ao Patrimônio – Documentos atestam o extravio de bens da União na era PT”, de autoria de Débora Bergamasco, publicada pela revista IstoÉ, na edição que circula neste sábado, 13 de agosto, a Assessoria de Imprensa da Presidenta Dilma Rousseff esclarece:

Mais uma vez, como é de rotina, IstoÉ e a chefe da Sucursal de Brasília da revista deixam de fazer jornalismo. Produzem ficção travestida de notícia, e deixam de cumprir o obrigatório na profissão: ouvir o outro lado. Essa é praxe, esquecida por setores da imprensa, como IstoÉ.

A chamada da “reportagem” – “Assalto ao Patrimônio” – já mostra o facciosismo de sempre praticado pela Editora Três. IstoÉ já foi acionada na Justiça – e perdeu, no mês passado – pelos ataques promovidos contra a honra da presidenta Dilma Rousseff.

É importante destacar que a primeira auditoria patrimonial completa dos bens integrantes da Presidência da Republica ocorreu em 2012, durante o mandato da presidenta Dilma Rousseff.

Citada por IstoÉ, a auditoria TC 011.591.2016-1, do Tribunal de Contas da União, ainda não está concluída, como se comprova a partir de uma verificação no site do TCU. Além disso, o relatório apresentado é sigiloso. IstoÉ sequer reproduz esclarecimentos prestados aos auditores.

Tal auditoria contempla órgãos integrantes da Presidência da República e não se limita aos palácios do Planalto e da Alvorada. Integram-na as secretarias Especial de Políticas para as Mulheres, de Portos, de Aviação Civil e de Micro e Pequena Empresa.

IstoÉ faz deliberada confusão entre os bens que integram o acervo privado do presidente da República, que nos termos do artigo 2º da Lei 8.394/91, são de sua propriedade particular, inclusive para fins de herança, doação ou venda, daqueles bens que NÃO integram o referido acervo, por força do artigo 3º do Decreto 4.344/2002, em especial os documentos bibliográficos e museológicos recebidos em cerimônias de troca de presentes, nas audiências com chefes de Estado e de Governo por ocasião das “Visitas Oficiais” ou “Viagens de Estado” do presidente da República ao exterior. Aplica-se, da mesma forma, quando das “Visitas Oficiais” ou “Viagens de Estado” de chefes de Estado e de Governo estrangeiros ao Brasil.

Leia também:  Luis Nassif aparece em relatório do governo Bolsonaro como "detrator"

Tal entendimento, a propósito, é o mesmo que vem sendo aplicado pela Presidência da República desde 2002, quando da edição do decreto, de agosto daquele ano, pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, cabendo à Diretoria de Documentação Histórica da Presidência da República proceder a correta classificação dos bens que integram, respectivamente, os acervos privado e público da União.

Assim, diferentemente do que relata IstoÉ, todos os 716 presentes recebidos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela presidenta Dilma Rousseff foram corretamente classificados com a estrita observância à legislação aplicável e ao processo de registro documental pelo setor competente.

Sem tais esclarecimentos, que não constam na “reportagem” de IstoÉ porque a revista não ouviu o outro lado, a opinião pública é induzida a acreditar no que foi publicado.

Os ataques contra a presidenta Dilma Rousseff pretendem intimidá-la e buscam desconstruir a sua imagem pública e a sua honra. Mesmo adversários sabem da sua seriedade e honestidade.

A presidenta Dilma Rousseff estuda as medidas legais cabíveis contra a Secretaria de Governo da Presidência da República, a Editora Três, a revista IstoÉ e a autora da reportagem.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. Esse Morena sabujo da direita

    Esse Morena sabujo da direita estava babando Geddel Vieira Lima no progrma perto no brando do Canal Brasil.

  2. TCU

    Seria melhor ela chamar o TCU e ajudar a achar o que falta, nunca se esquecendo que ela é a fiel depositária de tudo.

  3. A isto é esta pedindo de novo para ser processada

    Se eu fosse a Dilma, eu acenaria com esse pedido da editora tres e a processaria de novo. Se a cada bobagem da isto é a DIlma processasse,logo logo ela pararia de publicar calunia, ou por vergonha na cara,ou porque faliu.

    Ironicamente, ninguem nunca levou esse acervo a serio, até que começaram a inventar que o PT teria o saqueado,hahahahaha. Pior é  que há quem acredite. Isso aqui obviamente que foi tabelado com o Temer, por isso ele pediu que fizessem a auditoria e deixou que o TCU vazasse apenas parte do trabalho deles. 

  4. De acordo com a ‘teoria do

    De acordo com a ‘teoria do domínio do fato bananeira’ nada escapa.

    A Dilma é honesta sem duvida…mas deu mole, e a plutocracia vem pra cima.

  5. QUEM É JORGE BASTOS MORENO?

    QUEM É JORGE BASTOS MORENO?

    Jorge Basta Morena! é um dos maiores lambe-cus da história da Globo, façanha que, num jornal que chupou do talo até a ponta os sacos escrotais de 5 ditadores militares, não é pouca coisa. A mulher do vice golpista teve que antecipar, às pressas, a vinda para Brasília, quando soube que Moreno não desgrudava a língua do saco e do ass hole do marido.

     

  6. Duvidodo que exista no mundo

    Duvidodo que exista no mundo zelite zelote mais atrasada, temos Instituições  e uma midia extremamente classistas e seletivos, não permitem que o pais avence, odeiam a democracia quando isso significa inclusão social

  7. Moreno e a lama
    O papel indigno do Moreno no golpe não será esquecido.

    Ele, como “jornalista”, já o foi há muito.

    Mudei de ideia. Meses atrás fiz post sobre o evento em que ele, bobamente, me bloqueou no Twitter. Pedia, então, que reconsiderasse.

    Hoje agradeço.

    Não vi esse lixo.

  8. Dilma rebate reportagem da IstoÉ sobre assalto ao patrimônio púb

    Não tenho a menor dúvida de como, de forma sábia e republicana, a nossa intemerata e intimorata Dilma rebateu a reportagem. De imediato, acionou seu controle remoto!

    Como se trata de uma revista, viu que o controle remoto não se aplicava e, astuciosamente, já tomou a decisão de trocar de banca.

    Brava e valente Dilma, cujo destemor será cantado em prosa e verso nos compêndios de história. Esgrimir um controle remoto com tamanha habilidade não é para qualquer um.

  9. Dilma rebate reportagem da IstoÉ sobre assalto ao patrimônio púb

    Não tenho a menor dúvida de como, de forma sábia e republicana, a nossa intemerata e intimorata Dilma rebateu a reportagem. De imediato, acionou seu controle remoto!

    Como se trata de uma revista, viu que o controle remoto não se aplicava e, astuciosamente, já tomou a decisão de trocar de banca.

    Brava e valente Dilma, cujo destemor será cantado em prosa e verso nos compêndios de história. Esgrimir um controle remoto com tamanha habilidade não é para qualquer um.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome