Mercadante rebate Época e nega acordo financeiro com o PMDB em 2014

Jornal GGN – Em nota para a imprensa, o ex-ministro Aloizio Mercadante rebate reportagem da revista Época e nega a suposta participação em acordo financeiro com o PMDB nas eleições de 2014. “Não solicitei a qualquer empresário, de qualquer setor da economia, ajuda financeira para a campanha presidencial de 2014, para o PMDB ou o PT, ou mesmo a quaisquer partidos ou candidatos”, diz.

A matéria da revista afirma que Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara preso nesta semana na Operação Lava Jato, pretende revelar um suposto acordo no qual o PMDB teria cobrado R$ 40 milhões do PT para apoiar a chapa de Dilma Rousseff nas eleições de 2014. A revista também diz que o acordo teria sido fechado no primeiro semestre de 2014, entre Aloizio Mercadante e o senador Valdir Raupp.

Mercadante também que afirma que, enquanto ministro, nunca solicitou apoio financeiro para campanhas, ressaltando que os assuntos relativos à campanha eram tratados entre os partidos e pelas coordenações das campanhas”, e que não eram assuntos do governo.  “Sempre cumpri rigorosamente a determinação da presidenta Dilma Rousseff de tratar exclusivamente de assuntos do governo”, afirma.

Leia a íntegra da nota abaixo:

A respeito da reportagem de capa “A chapa de R$ 40 milhões”, publicada pela revista Época neste sábado, 22 de outubro, o ex-ministro Aloizio Mercadante esclarece:

1. São completamente falsas as especulações da revista sobre a minha suposta participação em um eventual acordo financeiro com o PMDB na campanha eleitoral de 2014. Jamais participei de nenhum encontro com qualquer liderança do PMDB para discutir finanças de campanha. Não solicitei a qualquer empresário, de qualquer setor da economia, ajuda financeira para a campanha presidencial de 2014, para o PMDB ou o PT, ou mesmo a quaisquer partidos ou candidatos.

Leia também:  Moro participava de planejamento da Lava Jato com MPF e PF

2. Enquanto fui ministro de Estado, incluindo o período que estive na condição de chefe da Casa Civil,  jamais solicitei apoio financeiro para campanhas eleitorais. As dezenas de delações empresariais e de executivos de empresas já realizadas confirmam integralmente esta afirmação. Tenho absoluta convicção de que as delações em andamento também confirmarão.

3. As audiências com parlamentares e líderes partidários no Palácio do Planalto foram para tratar da conjuntura nacional , em especial das pautas do Congresso Nacional, questões relativas às políticas públicas e a outras demandas junto ao governo, incluindo solicitações de cargos na administração federal. Tais reuniões sempre foram acompanhadas pelos ministros da Secretaria de Assuntos Institucionais.

4. No período das eleições , os assuntos relativos à campanha eram tratados entre os partidos e pelas coordenações das campanhas. Não eram assuntos de governo. Portanto, não eram pauta da Casa Civil. Sempre cumpri rigorosamente a determinação da presidenta Dilma Rousseff de tratar exclusivamente de assuntos do governo. Sempre deixei claro a todos interlocutores que, na condição de chefe da Casa Civil, era responsável pelas pautas e assuntos do governo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Mercadante

    caro amigo Mercadante 

     

    Depois do que ouvimos nas gravações, você falar ou não, não faz a mínima diferença 

     

    Sua credibilidade não é mais a mesma 

  2. já querem transformar o Cunha

    já querem transformar o Cunha no Delcidio II: o objetivo é entronizar no Planalto o PSDB, este sim o sonho da Globo…que absurdo a propriedade cruzada nos meios de comunicação…pra onde vc tenta escapar termina se deparando com a Globo no seu encalço…ontem senti isso ao pegar um taxi..sou eu que pago o taxi mas sou obrigado a ouvir a CBN, central de propaganda golpista? pedi para o taxista mudar a sintonia…tá complicado

    • rs…………………bem por aí mesmo

      motivo de ter colocado que PIG deita e rola sobre

      entre outras atribuições, PIG tem tudo dos que pescam com uso de bombas ou redes assassinas, as que arrastam tudo, de peixe miúdo até suas crias

      PIG deve saber muito bem que o peso da isca deve ter no máximo o peso total de todas as escamas do peixe grande que se quer pegar

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome