O estupro diário do jornalismo

Atualizado às 13:32

Não há nenhum apuro técnico nesse festival de denúncias bancado pela mídia.

Valem-se de um recurso que descrevo em meu livro “O jornalismo dos anos 90”, fartamente praticado pela revista Veja.

Juntam-se alguns pontos verdadeiros – porém irrelevantes – e com base neles desenham uma história muito mais ampla, na qual os pontos relevantes são meras suposições, que não vêm acompanhada de fatos.

É o caso da tal “denúncia” do Estadão sobre o lobby junto à Casa Civil para estender os benefícios da redução do IPI às empresas Hyundai e CAOA.

O que diz a matéria do Estadão:

  1. A manchete, parte principal da matéria, aquela em que o rigor jornalístico tem que ser redobrado, afirma que Medida Provisória “teria sido” comprada.
  2. Na  reportagem, fica-se sabendo de que um tal Mauro Marcondes “teria” acertado o pagamento de R$ 4 milhões a alguém do PT. Mas não teria revelado o nome de ninguém que teria recebido a propina
  3. A matéria diz que um dos escritórios repassou R$ 2,4 milhões a um filho de Lula. Assim, parágrafo solto, sem nenhuma informação adicional que corrobore a acusação, sem investigações adicionais nem nada.
  4. Aí aparece alguém no dossiê dizendo que nada foi pago e que era golpe do Mauro Marcondes para desviar dinheiro.
  5. Na sequência, constata-se que, quando percebeu que estava sendo vítima do golpe, a CAOA pulou do barco e também não pagou nada. E o escritório ameaçou divulgar gravações das conversas entre eles.
  6. Por fim, o grande elo perdido: um dos lobista seria Alexandre Paes Santos, supostamente ligado à Erenice Guerra.

Alexandre, ou APS, era ligado à revista Veja, tal qual Carlinhos Cachoeira. Usava a revista para espalhar dossiês contra adversários de seus clientes. Entrou na história sem se saber por que e, dentre todas as ligações dele, supôs-se uma com Erenice, o elo perdido.

No fundo, o que se tem é a história de um espertalhão que tentou passar a perna na CAOA vendendo lobby em favor de uma MP que seria aprovada. Descoberto o golpe, e os desvios de dinheiro, as empresas pularam fora. E ele as chantageou ameaçando com gravações onde elas topavam subornar alguém que só o lobista sabia quem.

A única empresa que acreditou no espertalhão foi o Estadão.

Do Estadão

Documentos apontam que MP editada na gestão Lula foi ‘comprada’ por lobby

Empresas negociaram pagamento de até R$ 36 milhões a lobistas para conseguir da Casa Civil um ‘ato normativo’ que prorrogou incentivos fiscais de R$ 1,3 bilhão

Documentos obtidos pelo Estado indicam que uma medida provisória editada em 2009 pelo governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria sido “comprada” por meio de lobby e de corrupção para favorecer montadoras de veículos. Empresas do setor negociaram pagamentos de até R$ 36 milhões a lobistas para conseguir do Executivo um “ato normativo” que prorrogasse incentivos fiscais de R$ 1,3 bilhão por ano. Mensagens trocadas entre os envolvidos mencionam a oferta de propina a agentes públicos para viabilizar o texto, em vigor até o fim deste ano. 

Para ser publicada, a MP passou pelo crivo da presidente Dilma Rousseff, então ministra da Casa Civil. Anotações de um dos envolvidos no esquema descrevem também uma reunião com o então ministro Gilberto Carvalho para tratar da norma, quatro dias antes de o texto ser editado. Um dos escritórios que atuaram para viabilizar a medida fez repasses de R$ 2,4 milhões a um filho do ex­presidente Lula, o empresário Luís Cláudio Lula da Silva, em 2011, ano em que a MP entrou em vigor.

O roteiro para influenciar as políticas de desoneração do governo e emplacar a MP é descrito em contratos de lobby pactuados antes da edição da norma. Conforme os documentos, a MMC Automotores, subsidiária da Mitsubishi no Brasil, e o Grupo CAOA (fabricante de veículos Hyundai e revendedora das marcas Ford, Hyundai e Subaru) pagariam honorários a um “consórcio” formado pelos escritórios SGR Consultoria Empresarial, do advogado José Ricardo da Silva, e Marcondes & Mautoni Empreendimentos, do empresário Mauro Marcondes Machado, para obter a extensão das benesses fiscais por ao menos cinco anos. Os incentivos expirariam em 31 de dezembro de 2010, caso não fossem prorrogados.

IPI. Os contratos obtidos pelo Estado datam de 11 e 19 de novembro de 2009. No dia 20 daquele mês, o ex­presidente Lula assinou a MP 471, esticando de 2011 até 2015 a política de descontos no IPI de carros produzidos nas três regiões (Norte, Nordeste e Centro­-Oeste). À época, a Ford tinha uma fábrica na Bahia e CAOA e Mitsubishi fábricas em Goiás. A norma corresponde ao que era pleiteado nos documentos. Em março do ano seguinte, o Congresso aprovou o texto, convertendo­o na Lei 12.218/2010. Suspeitas de corrupção para viabilizar a medida provisória surgiram em e­mails trocados por envolvidos no caso.

Uma das mensagens, de 15 de outubro de 2010, diz que houve “acordo para aprovação da MP 471” e que Mauro Marcondes pactuou a entrega de R$ 4 milhões a “pessoas do governo, PT”, mas faltou com o compromisso. Além disso, o texto sugere a participação de “deputados e senadores” nas negociações. Não há, no entanto, menção a nomes dos agentes públicos supostamente envolvidos. 

Acordo. O e­mail diz que a negociação costurada por representantes das empresas de lobby viabilizou a MP 471. O remetente – que se identifica como “Raimundo Lima”, mas cujo verdadeiro nome é mantido sob sigilo – pede que o sócio­fundador da MMC no Brasil, Eduardo Sousa Ramos, interceda junto à CAOA para que ela retome pagamentos.

Diferentemente da representante da Mitsubishi no Brasil, a CAOA teria participado do acerto, mas recuado na hora de fazer pagamentos. Um dos lobistas não teria repassado dinheiro a outros envolvidos.“Este (Mauro Marcondes Machado) vem desviando recursos, os quais não vêm chegando às pessoas devidas (…) Comunico ao senhor do acordo fechado para a aprovação da MP 471, valor este do seu conhecimento. (…) o sr. Mauro Marcondes alega ter entregado a pessoas do atual governo, PT, a quantia de R$ 4 milhões, o qual (sic) não é verdade”, alega.

A mensagem, intitulada “Eduardo Sousa Ramos (confidencial)” foi enviada às 16h54 por “Raimundo” à secretária do executivo da MMC, Lilian Pina, que a repassou a Marcondes meia hora depois. O remetente escreve que, se o dinheiro não fluísse, poderia expor um dossiê e gravações com detalhes das tratativas. “A forma de denúncia a ser utilizada serão as gravações pelas vezes em que estive com Mauro Marcondes, Carlos Alberto e Anuar”, avisa, referindo­se a empresários da CAOA. “Dou até o dia 21 para que me seja repassada a quantia de US$ 1,5 milhão”, ameaça.

Os dois escritórios de consultoria confirmam ter atuado para emplacar a MP 471, mas negam que o trabalho envolvesse lobby ou pagamento de propina.

Ambos são investigados por atuar para as montadoras no esquema de corrupção no Carf. A MMC e a CAOA informam ter contratado a Marcondes & Mautoni, mas negam que o objetivo fosse a “compra” da Medida Provisória. Dono da SGR, José Ricardo era parceiro de negócios do lobista Alexandre Paes dos Santos, ligado à advogada Erenice Guerra, secretária executiva de Dilma na Casa Civil quando a MP foi discutida. Marcondes é vice­presidente da Anfavea, na qual representa a MMC e a CAOA.

PS – Caso de confirme pagamento de R$ 2,4 milhões da Marcondes para o filho de Lula (clique aqui) tem-se, agora, um caso à espera de uma explicação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Rede Regional de Notícias: uma agência à disposição do Governo Bolsonaro?, por Tânia Giusti

48 comentários

  1. A primeira vítima da guerra é

    A primeira vítima da guerra é a verdade, pois ela morre antes do primeiro tiro. A fumaça da guerra turva a visão de todos no campo de batalha. 

    Reproduzidos os chavões adequados, podemos concluir que imprensa desnacionalizada está em guerra com o Brasil, mas só produz fumaça.

    No momento os barões da mídia não tem soldados.

    Quando resolverem contratar mercenários, os aquários todos serão despedaçados por bombas.

    Finda a guerra, finda a crise, espaço para o jornalismo renascer. 

    Next…

     

  2. O Estadão é o Gilmar Mendes

    O Estadão é o Gilmar Mendes impresso. Trabalha contra o PT 24 horas por dia. Pior é ver Boechat, da BandNews, fazendo uso dos factoides do Estadão para falar mal de Lula através da rádio.

  3. Cunha – Melhor mudar de assunto…

    Enquanto isso… Continuam tratando Cunha com todo o respeito que ele merece! Uma acusação documentada da Suiça é tratada como mera suspeita. Antes de ser uma força à serviço da plutocracia, nosso Jornalismo é burro. Mentem até quando não há necessidade da mentira… 

  4. Alguém tem que fazer alguma

    Alguém tem que fazer alguma coisa. É um absurdo o que a mídia golpista está fazendo contra as pessoas e o Brasil. Estou muito indignado. Todo dia tem uma mentira, um factóide e as coisas boas numca são notícia. Estou puto da vida com o PIG.

  5. O jeito pig de fazer valer

    “A única empresa que acreditou no espertalhão foi o Estadão.”

    Ai, esse pig, na ânsia de provar a qualquer custa, sobretudo ao custo da verdade, de que Lula e Dilma “sabiam”, entram em cada uma. Ja fazem par com a Veja e a Folha na ma-fé, mau jornalismo e nos golpes.

  6. Mas desde da ópera bufa IL

    Mas desde da ópera bufa IL MENSALONE é assim: tomam-se alguns fatos verídicos, inventa-se um enrêdo contra aqueles a quem o Partido da Imprensa quer atingir e empurra-se esta m rda toda cérebro dos midiotas adentro.

  7. É por essas e outras que o

    É por essas e outras que o centenário diário paulista encontra-se em estado comatoso, como bem sentenciou PHA. As emissoras de rádio do grupo foram arrendadas a um grupo evangélico, desses que usam concessão pública para tomar dinheiro dos pobres, explorando a fé dos menos esclarecidos e mais desvalidos. O jornal só não vai à falência porque é do interesse dos credores (bancos e financeiras) que o veículo continue a fazer esse anti-jornalismo canalha. E não foi vendido porque não há compradores interessados, já que a crise estrutural (agravada pela canalhice que transformou a maioria dos periódicos imopressos em detrito sólido de maré baixa) colocou na UTI os veículos concorrentes que poderiam adquiri-lo. A agonia se prolonga, mas a morte – mesmo que demore um pouco mais – é certa.

  8. Os “estrupados” no final são

    Os “estrupados” no final são a ética, a decência, a responsabilidade com a comunidade, e tudo o mais que DEVERIA nortear um jornalismo que se DESEJARIA ser respeitado. 

    Li logo ao acordar a matéria. Uma das mais nojentas das tantas que o Estadão já publicou. De tão absurda, de tão frágil factualmente e de tão afrontosa à lógica que se depreende de imediato sua motivação, ou o pano de fundo: a possível candidatura de Lula em 2018. Coincidência ou não, ontem o ex-presidente levantou essa hipótese fazendo uso do condicional “se necessário”.

    Até tudo bem(ou tudo mal, se assim quiserem). O que esperar dessas corporações jornalísticas compromissadas-engajadas que arfam nos estertores da extinção, angústia que as faz ainda mais virulenta e irresponsável para os que debitam parte desse estado comatoso? 

    A miséria, o trágico, o inaceitável, o verdadeiro horror é a (mais uma) constatação de que instâncias do Estado brasileiro há tempos vem conspirando de forma acintosa contra governos democraticamente eleitos as quais DEVERIAM total pleito de reverência pelas injunções da  hierarquia funcional e indeclinável compromisso e lealdade em termos de ética profissional. 

    O jornal não cita onde nem a forma que obteve esses tais “documentos”, mas fica claro que foi via Polícia Federal. Jamais se ADMITIRIA num autêntico Estado de Direito que cidadãos e cidadãs tivessem seus nomes expostos em jornais de forma comprometedora e desonrosa por conta de uma investigação ainda em curso por um órgão policial. Esses vazamentos sistemáticos aceitos passivamente pelo governo demonstra cabalmente que este perdeu totalmente o controle sobre a instituição pré-citada. O que seguramente é um absurdo por todos os aspectos. 

    PS: a matéria original, que li logo pela manhã, continha outros informes adicionais, a exemplo de um fac-símile do que seria um documento do órgão policial. Por que a retiraram? 

     

  9. Filho de Lula já assumiu que

    Filho de Lula já assumiu que recebeu. A empresa não diz porque pagou. Lembra bastante Oi/Brt, Lulinha e a mudança no plano geral de Outorgas. 

  10. O Estadão acredita piamente

    O Estadão acredita piamente que seus leitores são otários. E na maioria dos casos isso é certo.

  11. Ou será mais uma daquelas

    Ou será mais uma daquelas iguais o do valdemiro? Arma-se uma pra jogar pra plateia depois? Não foi assim com o tal dossie e com a tal agenda? E o embroglio das declarações do imposto? misturam tudo e colocam o nome PT no meio, fazem uma confusão só e está pronta mais um escandalo, já que não precisa se provar nada e quando se precisa a coisa fica feia como  quando a mulher foi a congresso mostrar a tal agenda e mostrou declarações e mãos vazias.

  12. Para este grupo o jornalismo não possui nenhuma prioridade

     

                        Nassif,

                          Todos sabem que o único objetivo dos barões da mídia é derrubar a Presidenta DILMA, destruir a reputação do LULA (“Missão impossível em minha modesta opnião”), e destruir o PT.

                      O Jornalismo e a verdade para eles são detalhes insignificantes, eles não estão nem aí.

                      Faz muito tempo que eles partiram pra cima na base do “tudo ou nada”.

                      É uma operação Kamikaze  e estão levando o jornalismo junto.

  13. Mas a PF já está em campo…….

    A PF já está fazendo buscas nas dependências da CAOA. O EStadão pauta a PF? Ou é tudo um grande CAÔ-a?

    • Mesmo diante de tanta

      Mesmo diante de tanta manipulação, esquema de perseguição política e vários crimes cometidos por instituições do Estado encarregadas de combatê-lo, você ainda consegue manter o bom humor!  Parabéns!

  14. jornalismo

    O jornalismo acabou e não é um fenômeno brasileiro, é mundial. Jornalista a serviço de corporações. O resto é blog.

  15. Estão querendo desencavar a

    Estão querendo desencavar a Erenice? O filho do Lula não é o Lulinha? É outro, né? Eles estão dando um refresco para o Lulinha dessa vez. Afinal de contas ser dono da FriBoi e fazer maracutaia com a Hundai é muito para uma pessoa só. Já que o Lula tem mais filhos é melhor escolher outro

  16. Engraçado que as denuncias

    Engraçado que as denuncias contra os inimigos do PT são sempre validas, agora quando as denuncias são contra os petistas ai é golpe. A mesma incoerencia que a midia anti governo tem a midia pró governo tam∫ém tem, é uma pena que não se tenha no Brasil hoje jornalistas parciais. Mais coerência por favor.

    • Diga-me
      Desde quando você
      Diga-me
      Desde quando você acredita em factoides?
      Mesmo que não sejamos parecidos, nunca deu chance para a dúvida ou atenção que há mais de 15 anos o jornalismo dos blogs progressista (o meu)vem desmontndo uma a uma as mentiras publicadas pelo PiG ( o seu).
      Po cara, faz um esforço ou passe vergonha com as paredes
      .

  17. o dono da CAOA

    Está para nascer alguem que passe a perna do dono da CAOA.

    Esse cara é vivo (não estou afirmando se isso é bom  ou ruim ) mas que é vivo, ele é.

  18. Hoje de manhã, o Boechat,

    Hoje de manhã, o Boechat, naquela rádio de BANDidos,  deu grande destaque a essa reportagem. Acentuou bem a fala quando mencionava o “filho de Lula” que ficou “milionário”  e por aí vai….

    Foi o principal destaque.

    As contas do Cunha na Suiça ficaram para o final. Quase que por obrigação de ter que falar…

    Me desculpem os jornalistas, mas essa profissão hoje é coisa de maioria de marginais barra pesada e

    de gente desesperada..

    Os que podem, já abandoranaram as redações e escrevem por conta própria.

    Os pobres coitados que ficam à mercê dessas famiglias, comem o pão que o diabo amassou.

    Triste fim.

    • Denuncia do Estadão Venda de MP

      A repercussão e a importância dada pelo @BoechatBandNews mostra sua falta de escrúpulos, a falta de jornalismo na Band e sua total dependência de capas de jornais para fundamentar suas ilações, sua covardia, seu canalhismo, jor ops. porcalisticos.

    • Boechat

      Boechat é intragável. Mais falso que uma nota de R$ 3 com efígie do Aécio e um dístico laudatório assinado por Marta Suplicy: “Cunha seja louvado/ e o pecado seja lavado”. 

      Física e moralmente, Boechat se parece mais e mais, a cada dia, com o personagem Smeagle, de “O Senhor dos Anéis”.

      Melhor não ouvi-lo.

       

    • Amigo, no PIG não existe

      Amigo, no PIG não existe  jornarlistas. Quem ficou se trasformou em “meros” jagunços.

  19. “Bons cristãos”

    Todas as “tiorias” que estão por trás dessas “reportagens” precisam, precisam ser nutridas, cevadas diariamente pra poderem justificar tudo que seus portadores fazem, fizeram e pretendem fazer até o final. É preciso “pintar” um diabo bem feio pra que tudo e qualquer coisa seja vista como necessária para justificar um “mal maior”. Não há mais razão nenhuma para qualquer dúvida: tudo que essa oposição acusa é exatamente o que ela faz.. Por isso o denodo para expiar os proprios pecados sacrificando o bode expiatório.

    Mas o que é mais irritante mesmo é ver que ainda há quem nutra esperança de que de um dia pro outro essa imprensa venha a fazer alguma coisa parecida com jornalismo. Costumam até usar a palavra pra se referir à essa máquina de propaganda sórdida de interesses comerciais e políticos!

  20. CULPA DO PT .. isso é verdade!!!

    Ficar nas mão de uma mídia mequetrefe, meia-boca, vendida, preguiçosa e falida! É culpa do PT sim minha gente. Deixar a notícia na mão de meia-duzia de famílias, durante 12 anos de governo.. Pessoal, a culpa é de quem? Minha que não é. E acredito que de nenhum de vcs! Sabe o que são 8 anos de popularidade estratosférica. De gente querendo encostar no Sapo Barbudo como se ele fosse o Papa? Vi isso na cobertura de um salão do automóvel. Fila de jornalista para tirar foto com o Lula. Eu tava lá! Não consegui pq quando estava chegando na minha vez a comitiva andou. Era o Lula. Frisson total onde ele chegava.  Ele poderia ter mexido onde quisesse, a hora que quisesse. Neguinho reclamaria sim, mas não passaria daí. Mas, infelizmente,  nosso Grande Lula, achou que daria para fazer uma média..  Com essa gente (Globo, Veja, Mesquitas, Frias e os escambau) não tem acordo. 8 anos de Lula, 4 de Dilma e até hoje a bendita Receita Federal não mostra para nós a DARF da Globo, quitada. Eu não vi! Tudo pago com juros e correções, como acontece aqui com os pobres mortais contribuintes. Pq o governo do PT não encostou os Marinhos no muro? Não deixou bem claro para a população que são sonegadores? Ou paga ou cadeia como acontece para nós? Que baita republicanismo, não! Outra coisa: Pq essa tragédia na comunicação de Dilma? Uai, por que ela QUER assim.. Não tem interesse nenhum em ter uma boa equipe. Tanto que dispensou o Franklin. Pq não continupu com ele?  Cadê o tal Edinho? Sumiu … Pode ser bonzinho, mas é um meia-boca na Comunicação.  Então, não tenho dó de Lula, de Dilma … Fico chateado é com o desmanche do PT. Isso dói na alma! (Em tempo: arranca Janine para enfiar o Mercadante. Deixa o Zé Duardo… né? ou seja .. esse Mercadante.. esse Zé Duardo têm corpo fechado, não?

    • concordo com você, falta

      concordo com você, falta culhões e investimento em uma mídia pública de qualidade, que pegue em todas as televisões do Brasil, em boa qualidade. Só isto basta para derrubar a globo, ela pode até enfiar o darf…

      • robertopivador

        a Tv Brasil e a NBR tem melhorado muito.

        Em BHZ ambas já se encontram disponíveis na tv aberta digital, com ótima imagem e som, canais 65-1 e 65-2.

         

        Eu sugeriria no 65-3 a reprodução da Telesur, excelente canal para noticiário internacional diferenciado e també sudamericano.

         

        Mas tem que entranhar em todos os grotões, não ser tvs apenas de capitais.

        Mas é um começo…

    • Perfeito Alêminas, fostes

      Perfeito Alêminas, fostes curto e direto. Se permites vou me estender um pouco.

      20 anos de luta e construção de uma opção à velha costura elitista de sempre, com velhas figuras ou com caras novas, emergentes, carreiristas, todos sempre dispostos a manter tudo como sempre esteve neste país e a evitar a todo custo qualquer mudança por menor que seja!!!!

      Importante lembrar que esta construção não foi um esforço exclusivo das lideranças políticas petistas, agora acantonadas, e prontas para a rendição ou para pular fora do barco, mas de muitos milhares de militantes e simpatizantes do PT que sempre defenderam e empurraram o partido para frente. Não foi com a carta aos brasileiros ou com as alianças para conseguir mais 2 minutos de horário gratuito na TV nesta ou naquela eleição ou com os esquemas mirabolantes de dinheiro de campanha que o PT avançou. Foi com o nosso voto !!! Na verdade tudo tem é ajudado a nos destruir como opção política.

      As elites brasileira fizeram de tudo para quebrar essa força que o PT tão bem representou. E até aqui não tiveram sucesso. O PT era o instrumento para poder modificar esse país, e não para mantê-lo como sempre foi. Se era para manter tudo como estava, não havia sido necessário toda essa lutas, derrotas, sofrimentos. Inexplicável rendição, isto parece um haraquiri, um suícidio, um tiro no pé, uma inédita aceitação da derrota mesmo tendo vencido.

      Não nos enganemos,acabar com esse instrumento de luta é o objetivo dessa gente. A derrota do PT será não só a derrota da esquerda mas a derrota de todos os democratas e toda a gente que quer e necessita de mudanças e reformas sempre postergadas neste país. A derrota da esquerda em 64 custou no mínimo 30 anos de retrocesso político, institucional, social e econômico. Quantas gerações vão precisar passar por esse martírio uma vez mais? O Brasil não pode ser o país do futuro.

      Como dói !!!!!

  21. Jornalismo? Mídia, Justiça? Quimeras Ou Não, Fux [Dido]?

    Boa tarde.
    Nada surpreende, no tocante à mídia n´ativa. Toda vez que vejo estes criadores de não notícia, me lembro do filme A Montanha dos Sete Abutres. Retrato fidelíssimo do PIG. No mais, quem creu piamente que poderia amainá-los com pequenos rapapés, omeletes, festinhas na casa dos Civita, como Dilma o faz, acredita em tudo…

  22. A mídia ocidental está morrendo e aqui está o porque

    The Western Media Is Dying and Here’s Why

     September 28, 2015 (Tony Cartalucci – NEO) – Seymour Hersh has risked much over his decades of journalism. He is a true journalist who has been attacked, slandered, and shunned by all sides simply because he seems to resist taking any side.
     When he reported on US atrocities in Vietnam, he was first attacked and denounced as a traitor or worse. In time, both the truth and Hersh were vindicated and the importance of what he did as a journalist to both inform the public and serve as a check and balance against the special interests of ruling power were recognized with a Pultizer Prize.  In 2007, when he exposed the then Bush-administration’s plansto use the Muslim Brotherhood and militant groups linked to Al Qaeda to overthrow the government of Syria – the result of which is unfolding today – the New Yorker gladly welcomed his work as a message they perceived would resonate well with liberal audiences. 
    But then in 2013, when Hersh brought forward information contradicting the West’s official narrative regarding a chemical attack on the outskirts of Damascus, the New Yorker decided not to publish it. His report, “Whose Sarin?” instead found itself published in the London Review of Books.  The story of Hersh bringing this information forward to the public and how the Western media attempted to first discourage it, then bury it, before attempting to discredit both the report and Hersh himself is a microcosm of the dying Western media.  The Final Nail  Hersh’s  report went on in detail covering the manner in which Western leaders intentionally manipulated or even outright fabricated intelligence to justify military intervention in Syria – eerily similar to the lies told to justify the invasion and occupation of Iraq, and the escalation of the war in Vietnam after the Gulf of Tonkin incident.   And not only did the report punch holes through the official narrative, it helped hobble what little momentum was left for Western military aggression against Syria based on the lies told by the US and its allies regarding the chemical attack.
    In Hersh’s follow up report, “The Red Line and the Rat Line,” also published by the London Review of Books, he revealed information not only further exposing the lies told by the US and its allies, but suggested NATO member Turkey and close US-ally Saudi Arabia may have played a role in supplying those responsible for the attack with the chemical weapons.

    Should Hersh’s reports reach wider audiences and the idea of a West capable of conceiving, carrying out, then trying to exploit a crime against humanity to justify expanded, unjust war, Western foreign policy would irrevocably be disfigured and perhaps begin to unravel.

    Outsourcing Trust  The methods of augmenting an increasingly discredited and distrusted Western media have become very creative. With the advent of the Internet and social media, attempts to produce viral content and seemingly outside sources to help guide the public back who are turning away from the mainstream media in droves was actually the subject of an entire policy paper by former Administrator of the White House Office of Information and Regulatory Affairs, Cass Sunstein. The paper was covered in a Salon article titled, “Obama confidant’s spine-chilling proposal,” which stated (emphasis added):
    Sunstein advocates that the Government’s stealth infiltration should be accomplished by sending covert agents into “chat rooms, online social networks, or even real-space groups.”He also proposes that the Government make secret payments to so-called “independent” credible voices to bolster the Government’s messaging (on the ground that those who don’t believe government sources will be more inclined to listen to those who appear independent while secretly acting on behalf of the Government).It would be these – what are essentially government-paid liars – who the West would turn to in an attempt to bury Hersh and the remnants of real Western journalism with him.  The “Independent Credible Voices”  UK-based unemployed government worker Eliot Higgins began and maintained a popular blog amalgamating online photos and videos from the Syrian conflict. Journalists and analysts from all sides used his resource as a sort of “wartime encyclopedia.” While Higgins possessed no qualifications or background in warfare, geopolitics, or weapons specifically, what he did possess was a great amount of time. In this time he was able to accurately look up and catalog the media on his blog.  However, it wasn’t long before the Western media approached him to fulfill the role of “independent credible voice.” Whether Eliot Higgins was the recipient of “secret payments” at that time or not, it is clear now that he was both approached by and sought those willing to pay him for his services and that his work from then on was decidedly both biased and dishonest.  
    Higgins was furnished with his own “weapons expert,” Dan Kaszeta, who either owns or is an associate of multiple dubious “consulting” firms. Together from the beginning Higgins and Kaszeta bolstered the West’s narrative that the Syrian government was responsible for using munitions filled with nerve agents right in front of UN inspectors in Damascus.

    Using what they collectively called “open source intelligence” – watching YouTube videos and looking at Google Earth – they claimed the type of rocket and nerve agent used could only have been deployed by the Syrian government.

    Hersh contested these claims in both of his reports and in additional interviews pointing out that the rockets were crude and could just as easily be homemade, while the production of nerve agents – certainly the work of a state actor – could have been done in either Turkey or Saudi Arabia or with either nations’ assistance, then deployed by militants in Syria.  To this day, the UN’s official conclusion is that there was “clear and convincing evidence” that rockets containing nerve agents were launched at Damascus suburbs – assigning no blame, nor indicating from where either the rockets or the nerve agents originated.  Higgins and Kaszeta, featured in the London Guardian and Foreign Policy Magazine, would directly attack Hersh’s claims citing YouTube videos and UN reports as evidence that the Syrian government possessed the type of rockets used in the attack and the type of nerve agent contained in the rockets – omitting one very important question – what if the attack was meant to look like the work of the Syrian government?

    In reality, all Higgins and Kaszeta proved was that whoever carried out the attack – designed solely to grant the US and its allies justification for direct military intervention – spent a lot of time and effort to make the attack appear as if the Syrian government carried it out. They predicate their entire argument upon claiming the West would not – for some reason – fabricate an attack to justify a war they sought to wage but lacked any justification to do so. 

    Along side Higgins and Kaszeta’s rebuttal was a scathing indictment of not only Hersh, but traditional journalism in general. The London Gaurdian’s Brian Whitaker would pen a piece titled, “Investigating chemical weapons in Syria – Seymour Hersh and Brown Moses go head to head,”claiming (emphasis added):
    While seeking to re-ignite the “whodunnit” debate about chemical weapons, Hersh’s article unwittingly revealed a lot about the changing nature of investigative journalism. Hersh is old-school. He operates in a world of hush-hush contacts – often-anonymous well-placed sources passing snippets of information around which he constructs an article that challenges received wisdom. The Hersh style of journalism certainly has a place, but in the age of the internet it’s a diminishing one – as the web-based work of Higgins and others continually shows.It is a talking point that Higgins himself would again make in the space afforded to him by Foreign Policy magazine – that traditional journalism with real sources is out, and Cass Sunstein’s army of paid “independent credible voices” are in.   Vindication  A Russian-brokered deal that saw the entirety of Syria’s chemical weapon stockpiles removed from the country under the supervision of the United Nations means that there are neither chemical weapons for the Syrian government to use (or be blamed for using), nor chemical weapons left for terrorists fighting the Syrian government to pilfer and use.  Yet now along Turkey’s border – the nation Hersh has suggested was behind the 2013 gas attack – terrorists from the so-called “Islamic State” (ISIS) are allegedly deploying chemical weapons.  Initial reports indicate the use of mustard gas – a blistering agent. Like nerve agents, the production and deployment of these weapons requires state resources.

    The Western media, in a bid to explain how ISIS has acquired these weapons, has begun spinning theories that Syria’s weapons on their way out of Syria somehow ended up in ISIS’ hands. The presence of chemical weapons in northern Syria and Iraq indicates that just as Hersh suggested, chemical weapons are being passed on to terrorists operating in Syria from either Turkey or Saudi Arabia, or both.  With this recent development, literally years of Higgins and Kaszeta’s lies have been exposed, vindicating award-winning veteran journalist Seymour Hersh and the traditional methods of journalism he employed to draw his conclusions. It also exposes Sunstein’s army of “independent credible voices” as just another facet in the echo chamber of discredited, now widely distrusted lies of the Western media.  In an attempt to get Higgin’s and Kaszeta’s opinion on who they believed were supplying ISIS with chemical weapons, Kaszeta replied by saying, “lizard men.” Higgins refused to comment. When asked if either would like to extend an apology to Hersh, Kasezta would inexplicably reply, “Hersh owes me an apology, now get lost you useless sack of sh*t.” One might expect a higher degree of professionalism and civilized debate from “experts” regularly deferred to by the Western media not only in regards to the Syrian conflict but also in Ukraine, where Eliot Higgins is now offering his “independent credible voice” to the MH17 disaster. However, admittedly employed by Western think tanks and consultancy agencies, Higgins no longer possess an “independent” voice, and considering his intentional and unrepentant deceit regarding Syria, he no longer possess a “credible’ voice either.  Sunstein’s Failed Experiment  Using chemical weapons has never been an effective means of fighting war. Beyond their psychological effects, conventional weapons have proven a vastly superior means of waging and winning war.   During the deadly 8 year war between Iraq and Iran, chemical weapons were used including nerve agents. Yet a document produced by the US Marine Corps, titled, “Lessons Learned: The Iran-Iraq War” under “Appendix B: Chemical Weapons,” revealed less than 2-3% of all casualties were the result of chemical warfare. 

    The report concluded that even large scale use of chemical weapons offered little advantage to either side and suggests that attacks carried out with such weapons required almost perfect weather and geographical conditions to be of even limited benefit. On a smaller scale, the use of chemical weapons would be tactically and strategically useless – unless of course used as a means of implicating your enemy and justifying wider war.  Likewise, shooting down a civilian airliner over Ukraine offers no benefit to a warring party unless of course they did it to implicate their enemies and justify wider war.

    Discerning this is a product of critical thinking – which is what drove people away from the Western media in the first place. Sunstein’s mistaken belief that somehow those drifting away from the Western media were as easily fooled as those still watching it is why people like Higgins have ended up chased out of the independent media and back, deeply within the system that co-opted and used him in the first place.  For Hersh, he proves that dedication to the truth when it is unpopular is a small price to pay to keep one’s dignity. The ridicule and accusations of those without dignity fades, but the truth is everlasting. When the truth Hersh has pointed out beneath the lies finally surfaced for all to see, vindication exposed people like Higgins and Kaszeta for all to see.  With the veils of legitimacy and professionalism yanked from them, they are reduced to vulgar, miniature versions of the rotting system that created them. Without realizing their very creation as “consultants” lies in the decline of those who sought them out, not because of their talent, but because of their willingness to do what those with dignity refuse to do, they will likely go on with their ignoble work. But like the media houses that desperately needed their “independent credible voices” to begin with, fewer will be listening and reading.  Tony Cartalucci, Bangkok-based geopolitical researcher and writer, especially for the online magazineNew Eastern Outlook”.  

     

  23. ESTÃO SURPRESOS

    A demora e a energia gasta para acabar com o Brasil está surpreendendo esses inescrupulosos conspíradores.

    Acreditavam que tudo seria muito mais rápido, mas, não foi.

    O Brasil resiste bravamente e a areia da ampulheta começa a ficar em muito menor quantidade que esses traidores da pátria gostariam.

    Um leão a cada dia, uma mentira a cada manhã, ainda  assim uma a uma vão cair e os leões vão começar a miar.

    A cada dia aumenta a insegurança, daqui a pouco vão propor um “pacto para salvar o Brasil” e nessa hora espero que não recebam as mãos e os braços abertos, mas, ao contrário, um punho cerrado e um dedo em riste. É feio admito, mas, é o que merecem.

    Nós vamos continuar por aqui, amando e ajudando este nosso gigante recém acordado a ocupar, cada vez mais, o lugar que lhe é devido, o de protagonista, não de cauda como querem.

    Força Brasil, falta pouco para o estrangeiro abandonar a luta, pois, nasceram aqui, mas, não são seus filhos.

     

     

     

  24. Informação viciada, quem vai comprar?

    O negócio do estadão, é basicamente vender informação, mas se a informação for falsa ou não verossímel, ele abre espaço para quem vende boas informações…

  25. Se o Lula no auge de sua

    Se o Lula no auge de sua popularidade como presidente tivesse ousado encaminhar a regulação da mídia, o PMDB faria com ele o que está fazendo agora com a Dilma.

    O PIG está se suicidando sozinho, perdendo a audiência a cada dia enquanto os blogs progressistas ganham mais leitores.

     

     

     

  26.  
    … A “grande” imprensa mais

     

    … A “grande” imprensa mais canalha, mais salafrária, mais imunda, mais sórdida, mais vagabunda, mais criminosa [seletivamente]… Mais [mega]corrupta da face da Terra: o PIG ‘braZ$&le&ro’!…… Falta, agora, o restante do SUIÇALÃO, a começar pelo tesoureiro Marcio Fortes do PSDB da fatídica e famigerada era [mega]corrupta e antinacionalista/entreguista do ‘Príncipe da Privataria’!…Ah “rebanho” de salafrários irrecuperáveis!…

  27. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome