O terrorismo midiático do TCU e da PF, por Luis Nassif

O terrorismo midiático e a síndrome de abstinência de escândalos têm afetado dois órgãos de Estado: o Tribunal de Contas da União e a Polícia Federal.

O TCU montou um quadro técnico competente, que padece de uma frustração central: não poder investigar os próprios Ministros do TCU, que sempre dão a última palavra. Sua revanche é montar relatórios e marcar o gol.

Investigam determinada operação. Se for normal, será perda de tempo: não gerará matéria nem dividendos para os fiscais. Trata-se então, em qualquer hipótese, de atuar como órgão acusador.

É o caso da nova denúncia contra o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), de supostamente ter adquirido ações da JBS por um preço superavaliado (clique aqui).

Segundo a reportagem, para chegar ao chamado “preço justo” o TCU calculou a média dos 90 pregões anteriores.

Por definição, essas médias são arbitrárias. Por que não 30 dias? Por que não 180 dias?

Para compras de participação expressiva, o mercado jamais se vale dessa metodologia. Mesmo porque esses preços refletem a posição de acionistas minoritários, sem acesso ao conselho de administração e às instâncias de decisão da empresa.

Todas as avaliações de “preço justo” levam em conta o olhar para frente e não o retrovisor. Aliás, o retrovisor foi largamente empregado na primeira fase da privatização brasileira, a partir dos anos 90, para depreciar preços de ativos públicos.

Veja o exemplo:

  1. A Empresa A tem uma rentabilidade de 10 por ação por ano.

  2. Com investimento X, a rentabilidade poderá aumentar para, digamos, 15 por ação. Negocia-se, então, em torno desse novo referencial.

Todos os modelos de simulação adotados pelo mercado olham para a frente. Define-se uma taxa de retorno esperado pelo investidor se simulam as taxas de crescimento e os ganhos de acordo com indicadores prospectivos objetivos: preço dos produtos vendidos, ganhos de sinergia com aquisições, rentabilidade esperada.

Em cima disso, há metodologias como DCF, dividend growth model, absolute e relative valuation models, etc.

Todas essas metodologias mostrariam discernimento do BNDES nos investimentos. Tanto que todos eles apresentaram resultados superiores ao do IBOVESPA em vários períodos analisados.

Por isso mesmo, a denúncia do BNDES e do ex-presidente Luciano Coutinho é apenas fogo de artifício para gerar manchetes.

Os indiciamentos da PF

No fim de semana, a Polícia Federal promoveu o terceiro indiciamento do governador mineiro Fernando Pimentel e a enésima reportagem mencionando os indiciamentos. Todas em cima de um único fato: as delações de um marqueteiro detido no mesmo período em que ocorreu o escândalo do helicóptero com 500 quilos de cocaína.

Pela enésima vez: inquérito da PF não tem o menor valor legal. Seu único objetivo é gerar manchetes e fazer política. Todos os inquéritos anteriores foram derrubados, ou pelo Ministério Público Federal – a quem compete legalmente indiciar – ou pelos tribunais superiores.

No caso, o episódio foi de um não-favor. Segundo a denúncia, o grupo francês Casino teria pago a Fernando Pimentel para que não saísse o financiamento para o Pão de Açucar adquirir sua parte na holding de controle do grupo. Todos os jornais da época noticiaram que o BNDES não aprovou a operação devido ao fato de não haver consenso entre os acionistas. E, certamente, devido à repercussão profundamente negativa na mídia.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

14 comentários

  1. “Pela enésima vez: inquérito

    “Pela enésima vez: inquérito da PF não tem o menor valor legal”:

    Eles tem merecida e precisamente o valor de “palavra de delegado”.

  2. E ainda tem gente usando esse
    E ainda tem gente usando esse conceito esdrúxulo de preço justo. Na formação do preço o que menos interessa é saber se ele é justo ou não. Justica é um conceito ético moral, não econômico.

  3. Não acho que esse tipo de

    Não acho que esse tipo de denúncia seja “apenas fogo de artifício para gerar manchetes”. Penso que tem um objetivo maior, que é o de conseguir que um juiz autorize as quebras de sigilos bancário, fiscal e de telefones de figuras importantes. Aí fica divertido o trabalho da PF, além de possivelmente render viagens com diárias, adicionais e tudo mais. O certo é que, com certeza, ficar bisbilhotando contas e grampeando telefones deve ser bem melhor, mais lucrativo e seguro do que arriscar a pele atrás de traficantes de drogas e armas ou coisa parecida. Posso estar sendo injusto com os profissionais da PF, mas tenho essa suspeita.

    De toda forma tem o lado bom, que é o fato de que, com essas quebras de sigilo já se conseguiu muita coisa boa, desbaratar quadrilhas e tudo mais. A questão é saber se isso é legal. Se é isso que a sociedade brasileira quer.

  4. Não tem valor legal.
    Mas

    Não tem valor legal.

    Mas desde quando temos hoje Leis e Constituição vigentes no país?

    Entendo que no país as Leis escancaradamente valem apenas para os inimigos da Plutocracia.

    Hoje, as leis são feitas pelo judiciário, ele seleciona o que “vale” e o que “não vale”.

    • não…..

      Terrorismo Midiático é dengue, chicungunya, microcefalia, mas principalmente a mortífera FEBRE AMARELA aparecer todos os dias na TV, enquanto Dilma estava no poder. E de repente desaparecer do noticiário, como se tudo estivesse resolvido, como a chegada do golpista Temer. Só que não. Só estava escondida da Opinião Pública. Se alastrando pelo estado de São Paulo, Grande São Paulo até chegar definitivamente na cidade de São Paulo. Então mídia e Imprensa não puderam mais esconder. Mortes nas portas das c asas e Prontos Socorros e Postos de Saúde abarrotados de gente, que deveria ter sido informada há muito tempo. Entendemos até um Governo que não tem preocupação nem responsabilidade com o Pocvo, como é o Tucanistão. Mas a Mídia e a Imprensa? Terrorismo Midiático? Será? 

  5. As instituições que deveriam

    As instituições que deveriam funcionar como freios e contrapesos agora estão presicando ,elas também, que lhe imponham freios. A imprensa deveria fazer isso, mas ela também entrou no vale tudo sem se preocupar com suas responsabilidades face à sociedade. Daqui a pouco teremos uma sociedade antropofagica em que todos comem a todos. 

    Sobre a PF mineira, eles deveriam investigar quem matou o ex-policial, a tal modelo, o corolenato da familia Neves Cunha ha muitos anos mandando em Minas. Ao invés disso, toda semana abrem um inquérito contra o governador petista so porque é petista. E ainda tiveram que devolver o helicoca, tirando o chapéu, abaixando a cabeça e pedindo desculpas aos traficantes que mandam no Estado. 

  6. Por tudo isto, Nassif, que

    Por tudo isto, Nassif, que você, como outros denunciam com tanta competência é que se faz urgente resgatar o país da mão desses hipócritas predadores, componentes de TCU, Polícia Federal, Ministério Público e parte do Judiciário.

    Como eu – e também outros – já disse em outros sites, esses caras custam caro e fazem muito mal ao Brasil.

  7. Mancheteando não-notícias

    Lendo esta nota do Nassif, curta, objetiva, direta na jugular dos tcu-useiros e pe-efeiros, me lembrei das análises que faz Wilson Santos, no Cinegnose. A notícia, como mostrada no post, era o helicóptero apreendido com 445 kg de pasta-base de cocaína, em novembro de 2013, na cidade da Afonso Cláudio, interior do ES. A família proprietária do helicoca é a do senador Zezé Perrella, que quando presidiu o Cruzeiro sempre tinha como convidado de honra, na faixa, sem pagar ingresso para assistir aos jogos no Mineirão, o então governador, hoje senador, Aécio Cunha, esse mesmo que foi grampeado pedindo propina, ameaçando matar o que retiraria a peita, mas que foi salvo pelo STF e Senado acanalhados e tomados pelo crime organizado.

    Mas ao tcu, à pf, ao stf, ao mpf e outros operadores do sistema judiciário e órgãos de fiscalização e controle, ao PIG/PPV, não interessam os fatos graves, que deveriam originar manchetes e lides. O que interessa são as versões fantasiosas, capazes de incriminar aqueles indesejáveis, considerados inimigos políticos a serem silenciados, inviabilizados, condenados, encarcerados ou a terem a honra e reputação assassinadas em nome das oligarquias escravocratas, plutocratas, cleptocrtas, privatistas e entreguistas, as quais dominam o aparato do sistema judiciário, a economia e finanças, o braço armado-repressor-opressor do Estado Brasileiro, a serviço e submissas, todas elas, ao alto comando internacional do golpe, que fica nos EEUU.

  8. Erro de Econometria Básica

    “Segundo a reportagem, para chegar ao chamado “preço justo” o TCU calculou a média dos 90 pregões anteriores.

    Por definição, essas médias são arbitrárias. Por que não 30 dias? Por que não 180 dias?”

    Não se usa média para avaliar preços futuros de ativos e derivativos financeiros, e também não se usam horizontes tão curtos. Em geral, pegam-se séries históricas (longas, com anos e não dias), dados semanais, escolhe-se o dia mais ameno de negociação, tipicamente uma quarta-feira, e ajusta-se um modelo qualquer, como um auto-regressivo (pra ficar no mais simples), e pode-se usar a predição, que é razoavelmmente precisa para um horizonte de 1 ou 2 dias (!!!).

    Esse tipo de técnica é empregada para análise de risco, isto é, para avaliar o risco de se perder dinheiro num certo investimento.

    Por isso, não se olha para trás para fazer previsão de preços, e sim, usa-se expectativas, que em alguns casos, podem ser extraídas das opções de compra e venda negociadas em bolsa, para ajustar um modelo que generalize o Black-Scholes, como o de Heston ou o de volatilidade local de Dupire.  Isso não é tarefa fácil e acredito que o corpo técnico do BNDES é perfeitamente capaz de fazer isso, dado que alguns deles tem formação sólida em Métodos Matemáticos em Finanças ou Econometria.

    OBS.: As expectativas do mercado mudam a todo o momento, por isso, ao fazer esse tipo de ajuste hoje e depois amanhã pode levar a conglusões completamente diferentes.

  9. Isso que dizer o

    Isso que dizer o seguinte…

    Estes órgãos e outros assemelhados estão sendo “controlados”(?) não pelo time da primeira divisão do conhecimento!

    Dos que sabem o que estão fazendo…

    São controlados pelos times da serie B ou até mesmo C que estão a frente destes órgãos!

    Sabe o que isso significa?

    Pela necessidade de distorcer para levar vantagem, para provar suas teses que não foi golpe, acabam distorcendo até aquilo na qual é sua sustentação!

    É como matar a galinha dos ovos de ouro para ver se há uma mina de ouro dentro da galinha…

    O Brasil caminha em direção solene para o fundo do poço…

  10. De excrescências e subserviências

    TCU é uma excrescência, um colegiado de amigos do rei ao qual foi dado o absurdo nome de tribunal; Polícia Federal há muito perdeu a noção do que seja sua função dentro de uma sociedade republicana e segue a cartilha tucano-maçônica de impedir que adversários exerçam qualquer tipo de protagonismo. Acrescente-se a isso um distintivo de xerife e uma arma na cintura e o estrago está feito.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome