A voz e o violão de Zé Luiz Mazziotti, por Aquiles Rique Reis

A sonoridade da voz do Zé tem um timbre que é só dele, e ninguém tasca!

A voz e o violão de Zé Luiz Mazziotti

por Aquiles Rique Reis*

Uma ótima notícia aos que têm o privilégio de conhecer o cantor, violonista e compositor José Luiz Mazziotti. Para quem ainda não desfrutou do talento desse paulista de Rio Claro, convém ouvir depressa o seu recém-lançado A Roma (Kuarup) – CD gravado na Itália em 1992, mas que somente agora, dezenove anos depois, chega aos fãs.

A voz de Zé Luiz Mazziotti tem o poder de ser duas: ao vivo, quando necessário, tem a potência de um cantar aberto – daquele que pode até prescindir de um microfone. E pode também cantar com a mesma delicadeza com a qual João Gilberto estabeleceu um novo jeito de interpretar. A sonoridade da voz do Zé tem um timbre que é só dele, e ninguém tasca!

E o que é o violão tocado pelo Zé? Vixe! Conhecido como cantor e compositor, fiz questão de acrescentar o violão como mais um de seus atributos. E dos bons!

O repertório do álbum está à altura de sua voz aveludada, nos graves e nos agudos, o que faz com que as catorze músicas selecionadas pareçam ter nascido para serem cantadas por ele. Como se tivessem aguardado sua voz para se fazerem definitivas. E é a simplicidade da voz com o violão que atinge o mérito de descrever a música como foi concebida.

“Mar de Copacabana” (Gilberto Gil) tem intro do violão. Logo Zé Luiz Mazziotti apresenta sua voz anasalada, encorpada.

“Na Boca da Noite” (Toquinho e Paulo Vanzolini): o violão vem delicado como a voz – em crescente emoção. Beleza indo até aonde a vista alcança.

“Choro Bandido” (Edu Lobo e Chico Buarque) tem ZLM entregando seus atributos à obra-prima, que agora tem a sua assinatura.

Leia também:  Pela ordem Seu Presidente!

“Cobras e Lagartos” (Suely Costa e Hermínio Bello de Carvalho) tem a despedida como tema tratado com doçura por  ZLM.

“Outra Vez”, um Tom Jobim que marcou a bossa nova, e que hoje é revigorada pelo violão e pela voz do Zé, com divisões supimpas.

“Lembrança” (Ivan Lins, Vitor Martins e Gilson Peranzzetta): ZLM mostra sua classe.

“Todos os Mares” (Moacyr Luz e Aldir Blanc) traz a clareza da dicção de ZLM. E a afinação surfa na busca correta pelas notas que ondulam no swell.

“Anos Dourados” (Tom Jobim e Chico Buarque): outra obra-prima à qual Zé agregou ainda mais virtudes.

“Dança da Solidão” (Paulinho da Viola): indo à beleza como se fosse um prato de comida, ZLM confirma sua capacidade de tornar um clássico ainda mais belo.

Deixei para o final “Amor ao Ofício” (Zé Luiz Mazziotti e Sérgio Natureza). Música confessional com a força de versos explosivos, de esperança e de desilusão, de cantar ou de calar: “(…) Eu choro até mais que rio/ Mas canto, e consigo por isso ficar vivo/ E viver do que faço/ Da magia, do encanto,/ Do prazer de cantar/ Tanto quanto for preciso (…)”.

A Roma é disco para ser ouvido como se Mazziotti estivesse em sua casa. Entre um drinque e outro, você papeia com ele e sente que o cara canta como fala: voz harmônica rolando garganta afora, atenta a harmonias e melodias – mas sem esquecer o poder das palavras e seus significados.


*Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4

2 comentários

  1. Na wilkipedia de josé luiz mazzioti eles informam que o mesmo nasceu em rioclaro sp, e foi mesmo, só que embaixo eles dizem que ele nasceu no rio de Janeiro, que falta da atenção hein…..

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome