Nássara, o caricaturista da canção

por Mara L. Baraúna

Antonio Gabriel Nássara (Rio de Janeiro, 11 novembro de 1909 – 11 de dezembro de 1996)

O carioca Nássara, filho dos imigrantes libaneses Gabriel Jorge Nasra e Guaiba Dayá, nasceu na Rua Esperança, nº 2, no bairro de São Cristóvão.

A família de sete irmãos mantinha um armarinho no bairro. Antônio fazia entrega de artigos e tomava conta do caixa da empresa. Tinha doze anos de idade quando a família se mudou para a mesma rua de Vila Isabel em que morava Noel Rosa. Lá, fez amizade com grandes personagens da música e da boêmia da cidade, como Braguinha, Haroldo Barbosa e Orestes Barbosa, que se encontravam no Ponto de Cem Réis.

Nássara é protagonista privilegiado das histórias do samba, da imprensa e da carioquice na primeira metade do século 20. A verve do poeta e do compositor apareceu aos poucos, motivada pelo convívio com cantores, compositores, poetas e boêmios do Rio no princípio do século 20.

Fez sua estreia na imprensa carioca no jornal O Globo, em 1927, com um desenho que acompanha a reportagem de Eduardo Bahout sobre a travessia do Atlântico realizada pelo hidroavião Jahú.

Em 1928, começou a frequentar o curso de arquitetura, mas não se formou. Ele tem as primeiras aulas formais de desenho com Modesto Brocos, seu professor na Escola Nacional de Belas Artes, que ao vê-lo rabiscando o papel o aconselhou a deixar o desenho acadêmico e técnico e explorar seu talento para a caricatura.  Com os colegas do curso Jota Ruy, Barata Ribeiro, Manuelito Xavier, Jaci Rosas e Luís Barbosa, formou um conjunto musical chamado Turma da ENBA. Com esse grupo compõe seu primeiro samba, Saldo a meu favor. Ruy tocava reco-reco, chocalho e era o letrista oficial do grupo. Nássara fazia música se divertindo, caminhando na calçada, batendo papo.

Em 1931, teve sua primeira música gravada, Para o samba entrar no céu, com Almirante e Jota Ruy e gravado por Almirante e seu Bando de Tangarás, grupo que tinha em sua formação, além do cantor,  Noel Rosa, João de Barro, Henrique Brito e Alvinho.

https://www.youtube.com/watch?v=cRjixlfEjmc]

Ainda em 1930, como paginador no jornal O Globo, conhece os modernos métodos de impressão e ilustração. Em 1931, abandona o curso de arquitetura e trabalha como paginador no jornal A Esquerda, no qual publica diversas caricaturas. Assim como outros jovens desenhistas surgidos nos anos 1930, Nássara é influenciado pelo grande caricaturista da época, o carioca J. Carlos. Posteriormente conhece o traço geometrizado e a caricatura em meio-tom de Guevara, paraguaio radicado no Brasil.

Em 1932, estreia na Rádio Philips, no programa de Ademar Casé. No primeiro ano de seu programa, Casé sugeriu a Nássara, um dos redatores do programa, fazer um jingle, um modismo que estava se espalhando pelo mundo inteiro. Nássara resolveu escrever um fado para o senhor Albino, português, dono da padaria Bragança, muito famosa na época, para servir como um dos patrocinadores do programa. A interpretação ficou a cargo de Luís Barbosa que gravou com sotaque português para dar maior “autenticidade” à origem lusitana da padaria. A gravação ficou tão boa que os donos da padaria fecharam contrato de um ano com Casé. 

Leia também:  Domingueira GGN: Cláudio Jorge, vencedor do Grammy Latino

Oh, padeiro desta rua / tenha sempre na lembrança / não me traga outro pão / que não seja o pão Bragança.

Pão inimigo da fome / Fome inimiga do pão / enquanto os dois não se matam / a gente não fica na mão.

De noite, quando me deito / e faço a oração / peço com todo respeito / que  nunca me falte pão.      

É creditado também a Nássara o anúncio de um purgante, de nome Manon Purgativo, produto até então nunca veiculado por rádio. Ele desincumbiu-se da tarefa com o seguinte texto, que foi ao ar e agradou ao patrocinador:

Um casal de noivos brigou. Ele, arrependido, resolveu fazer as pazes, mas a moça estava irredutível. Conversou com a futura sogra, que lhe aconselhou que presenteasse a filha com algo de valor. Comprou-lhe, então, uma joia caríssima. E não fez efeito. Deu-lhe um casaco de peles. Mas não fez efeito. Então, lembrou de dar a ela um vidro de Manon Purgativo… Ahhh! Fez efeito!!! Manon Purgativo, à venda em todas as farmácias e drogarias.            

Nássara criou depois seu próprio programa, de pouca duração, o Talismã, que começava meia hora antes do de Casé. Nesse programa, ele criou um personagem, o Antônio Paraíso, um malandro muito inteligente. Ainda em 1932, quando trabalhava no jornal Mundo Sportivo, fundado pelo jornalista Mario Filho, participou da organização do primeiro concurso de escolas de samba, patrocinado pelo jornal. O Mundo Sportivo perdia leitores com o término do campeonato de futebol e estava sem assunto. O jornalista Carlos Pimentel, muito ligado ao mundo do samba, teve a ideia de realizar na Praça Onze um desfile de escolas de samba e estabeleceu critérios para o julgamento das 19 escolas participantes. A escola vencedora foi a Estação Primeira da Mangueira, fundada em 1928, enquanto o segundo lugar ficou com o grupo carnavalesco de Osvaldo Cruz, hoje Portela, fundada em 1926. O sucesso garantiu a oficialização do concurso que permaneceu na Praça Onze até 1941.

Nássara compôs músicas de grande sucesso, como Formosa; Alá lá ô, com Haroldo Lobo; Mundo de Zinco e Sereia de Copacabana, ambas com Wilson Batista. Formosa, parceria com Jota Ruy, nasceu como samba, mas virou marchinha a pedido de Francisco Alves que a imortalizou junto com Mário Reis no Carnaval de 1933, foi sua primeira marcha a cair na boca do povo, o que fez sua carreira musical se firmar.

https://www.youtube.com/watch?v=1E5n2WOOQFo]

https://www.youtube.com/watch?v=YXr8n1aQbyA]

https://www.youtube.com/watch?v=lWuJTmGw-Zw]

https://www.youtube.com/watch?v=CPRX1hhqWwA]

Mesmo em canções que não fizeram sucesso, Nássara deixou sua assinatura. Foi o caso de Garota colossal, parceria com Ary Barroso. A marcha foi gravada em outubro de 1934 por Francisco Alves, para ser lançada no carnaval de 1935. A censura getulista implicou com o verso Você, você é meu hino nacional. E proibiu a música na folia. Naqueles tempos nacionalistas, como em todos os tempos, era vedado brincar com um símbolo da pátria. O chefe da censura, Lauro Müller, passou uma descompostura em Ary e Nássara. Os dois saíram da delegacia para rir do episódio.

Leia também:  Tem Cunhado de Lobisomem, o espetáculo, no dia 26 de novembro

https://www.youtube.com/watch?v=_TViCkxrq8U]

Em 1934, fez Retiro da saudade, sua primeira parceria com o antigo vizinho Noel.

[video:https://www.youtube.com/watch?v=oVh_VNqQfNQ

A maior parte de sua produção carnavalesca se deu entre os anos 30 e 40. Fazia paródias ou citava composições famosas em suas próprias músicas, como em Periquitinho verde, com Sá Roris, quando citou Mamãe eu quero; em 1941, Nássara e Frazão com Nós queremos uma valsa, aproveitaram trechos de  Valsa dos patinadores, de Emil Waldteufel,  e a marcha Pombinha branca, com Wilson Batista, é uma paródia da valsa La Paloma.  Em 1943, Nássara e Frazão repetiram a dose usando compassos do Danúbio Azul na marcha O Danúbio Azulou.

Na letra de Maria Rosa para o carnaval de 1934, cunhou a expressão mulher fatal, que entrou imediatamente para o vocabulário da MPB. 

[video:https://www.youtube.com/watch?v=hB5E6vTM9VA

[video:https://www.youtube.com/watch?v=7nOQQtj65Pc

[video:https://www.youtube.com/watch?v=p3UDdImW2iU

A carreira prosseguiu sempre em parceria com os principais compositores da época. Nássara fazia as segundas partes dos sambas, corrigindo rimas de pé-quebrado e falhas no português. Em 1939, com Frazão, seu parceiro mais constante, fez Florisbela, vencedora do concurso da Feira de Amostras do Carnaval daquele ano e gravada por Sílvio Caldas, além do samba Meu consolo é você, parceria com Roberto Martins, sucesso gravado por Orlando Silva. Compôs mais de duas centenas de músicas, especialmente sambas e marchas, gravadas por Francisco Alves, Orlando Silva, Cyro Monteiro, Gilberto Alves e Araci de Almeida, entre muitos outros bambas. Até no exterior Nássara teve músicas gravadas, como Periquitinho verde, que em inglês ganhou o título de Little Green Parrot.

[video:https://www.youtube.com/watch?v=CIS3_QBTQdQ

De 1943 a 1945, colaborou na revista O Cruzeiro, fazendo charges relativas à Segunda Guerra Mundial. No final da década de 1940, tornou-se parceiro de Wilson Batista. A primeira composição da dupla, a marcha Balzaquiana, foi gravada em 1950 por Jorge Goulart, e, traduzida para o francês por Michel Simon, Pas de tendron, non, non/ pas de tendron, foi lançada na França por ocasião das comemorações do centenário de Honoré de Balzac. Na morte de Francisco Alves, em um acidente de carro, fez o samba Chico Viola, gravado por Dircinha Batista, em 1953.

[video:https://www.youtube.com/watch?v=S0F72WsAWaQ

Nos anos 1950, Nássara ajuda a fundar, com o jornalista Samuel Wainer (1912 – 1980), o jornal Última Hora, no qual mantém página dupla em cores com crônicas do cotidiano do Rio de Janeiro. No final da década de 1950, desiludido com os esquemas de comercialização do carnaval, diminuiu sua produção. Voltou a compor em 1968, lançando O craque do tamborim, em parceria com Luís Reis. A 13 de fevereiro de 1968 prestou depoimento sobre sua vida ao Museu da Imagem e do Som, do Rio de Janeiro. No início da década de 1970, voltou a atuar como desenhista, fazendo 12 capas de LPs da série No tempo dos bons tempos, da gravadora Philips, etiqueta Fontana.

Em 1974, começa a colaborar para o jornal de humor O Pasquim. Nesse momento, inicia-se a segunda fase de sua carreira, em que é descoberto e admirado por uma geração de caricaturistas mais novos. Permanece ali até 1983, com o mesmo humor afiado e traço econômico, certeiro e inconfundível  dos primeiros tempos. 

Leia também:  Parte final de opereta brasileira estreia no YouTube, por Carlos Motta

As charges e caricaturas de Nássara se caracterizam pelas linhas econômicas e formas geometrizadas, em que tudo é redutível a esferas, cones, ovóides combinados entre si. Disse Millôr Fernandes: Nássara é o Mondrian do portrait-charge, corrige a natureza fazendo com que as personagens acabem se parecendo com a caricatura. Sua inesgotável produção gráfica apareceu em ícones da imprensa, como Crítica, de Mario Rodrigues, pai de Mario Filho e Nelson Rodrigues, Diretrizes e Cruzeiro, e parte dela hoje pertence ao acervo do Museu Nacional de Belas-Artes. Vários artistas das novas gerações fizeram caricaturas dele para uma exposição, em sua homenagem, no Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro, em 1990.

Não chegou a ver publicado seu último trabalho, de 1996, com mais de 30 desenhos que ilustravam o livro infantil Moça perfumosa, rapaz pimpão, de Daniela Chindler. Era o primeiro livro infantil que ilustrava. 

Morreu no dia 11 de dezembro de 1996, com 87 anos, de um infarto quando lia o jornal, de manhã, em sua casa, na Rua Belizário Távora no bairro de Laranjeiras, zona sul do Rio de Janeiro. Nássara era casado com d. Iracema e não deixou filhos. Passou seus últimos anos acometido por surdez, o que fazia com que ele poucas vezes saísse de casa. 

Um mês antes de sua morte, a turma do Pasquim festejou o seu aniversário com um almoço. Nássara agradeceu às novas gerações pelo reconhecimento e aos deuses pela graça de ter ficado surdo e, portanto, livre das “músicas modernas”. Sempre foi considerado, nos meios jornalísticos, como uma grande e admirável figura humana.

Seu trabalho como cartunista foi tema do livro Nássara Desenhista, de Cássio Loredano, publicado pela Funarte em 1985; em 1999, Isabel Lustosa escreveu Nássara: o perfeito fazedor de artes, e em 2010, Carlos Didier o homenageou em Nássara : passado a limpo

Fontes:

Arte do traço

Nássara na Enciclopédia Itau Cultural

Nássara no Dicionário Cravo Albin 

Nássara, por Diniz Botelho Filho

Nássara: a música brasileira em três traços, por Danilo M. Martinho 

Nássara : o chargista da canção, por Luís Antônio Giron 

Um artista entre o samba e a caricatura, por Luís Antônio Giron 

Crônicas de um outro Rio de Janeiro, por Bruno Dorigatti

O desenho original da música de Nássara, por Raphael Vidigal  

O fino traço do Brasil, por Araújo Lopes 

Homenagem a Nássara

Música Popular

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. O post nos traz um pouco

    O post nos traz um pouco conhecido autor de uma vasta obra conhecidíssima! Nássara é um dos muitos excelentes artistas que não fazem questão do estrelismo, muito pelo contrário.

  2. Fotos

    Nassif

    Não consegui carregar as fotos, fiquei frustradissima!!! Também tive problemas com 2 vídeos, não aparecem a imagem e pensei que não estivessem funcionando, mas estão. 

    Abraços

    Mara Baraúna

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome