O sincopado nos 100 anos de Jackson do Pandeiro

Os cem anos de Jackson do Pandeiro são um bom motivo para recordar um estilo interessantíssimo de interpretação brasileira, o sincopado

Os cem anos de Jackson do Pandeiro são um bom motivo para recordar um estilo interessantíssimo de interpretação brasileira, o sincopado. Trata-se de um estilo que explora os tempos fracos do ritmo, as chamadas síncopas. Em geral se menciona muito o samba sincopado, mas o sincopado abrangeu vários ritmos, do samba de Vassourinha ao coco de Jackson, à embolada de Manezinhos Araujo.

Aliás, o coco sempre foi o mais rico dos ritmos nordestinos. Quando Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira planejaram o lançamento do nordeste na música brasileira, optaram pelo baião por ser mais facilmente assimilável que o coco.

Jackson foi um dos campeões nacionais do estilo sincopado.

No samba, o sincopado dominou os anos 40, com compositores excepcionais como Geraldo Pereira, Wilson Batista, Roberto Martins, e intérpretes como Joel é Gaúcho, Vassourinha, o pioneiro Luiz Barbosa, um pouco anterior. Nos anos 50, Cyro Monteiro, Dilermando Pinheiro e Miltinho.

Nos anos 60, o show “Telecoteco”, de Ciro Monteiro e de Dilermando Pinheiro foi um clássico. Aliás, a idade fez bem para Ciro, que encorpou a voz. Nas gravações dos anos 40 e 50, não tinha um timbre à altura de Luiz Barbosa e Vassourinha.

Mas o balanço de Jackson foi uma história à parte.
Aqui, uma seleção do sincopado na música brasileira.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome