A incrível resiliência da Huawey

Os analistas esperam que o controle da Huawei no primeiro lugar seja temporário. Os números da fabricante de telefones diminuíram 5% globalmente, e a Samsung provavelmente se recuperará de seus piores resultados naquele trimestre.

Depois de ter alcançado a liderança no mercado de 5G, a Huawey está sendo submetida a uma caçada implacável por parte dos Estados Unidos, assim como a Samsung – que também avança nesse campo. Executivos foram detidos, ameaças foram realizadas a países com intenção de adotar a tecnologia, proibiu-se que celulares da companhia acessassem aplicativos do Google.

Mesmo assim, ainda que provisoriamente a empresa alcançou o primeiro lugar na venda de celulares pelo mundo.

Abaixo, reportagem da BBC Internacional sobre essa vitória.

Huawei ocupa o primeiro lugar em embarques globais de telefones pela primeira vez

A Huawei se tornou o maior fornecedor de smartphones do mundo pela primeira vez, segundo estimativas de analistas.

Ele ocupou o primeiro lugar ao entregar 55,8 milhões de dispositivos no último trimestre, ultrapassando os 53,7 milhões da Samsung.

O relatório vem da empresa de análise Canalys, que chamou a mudança de “notável”.

O fato de a China ter saído do bloqueio pandêmico antes de outros países é apontado como a razão do sucesso da Huawei.

Os telefones da Huawei também têm se esforçado para atrair os mercados ocidentais porque não possuem aplicativos criados pelo Google, que são proibidos devido a restrições comerciais dos EUA.

Seu domínio recém-encontrado é impulsionado principalmente por suas vendas impressionantes na China.

As remessas para o exterior diminuíram em 27% a empresa – mas a Canalys estima que agora vende mais de 70% de todos os smartphones na China continental.

“Este é um resultado notável que poucas pessoas teriam previsto um ano atrás”, disse o analista Ben Stanton, da Canalys.

Leia também:  Vazamento impediu Queiroz de trabalhar com Flávio Bolsonaro no Senado

A empresa também destacou que a pandemia de coronavírus afetou fortemente os envios da Samsung, reduzindo-os em cerca de 30%. Isso tornou mais fácil para o mercado chinês – que emergiu do bloqueio mais cedo – dominar o ranking.

“Se não fosse o Covid-19, não teria acontecido”, disse Stanton. “A Huawei aproveitou ao máximo a recuperação econômica chinesa para reacender seus negócios com smartphones”.

Huawei assume a liderança
Remessas globais de smartphones

Fonte: Canalys

“Tomar o primeiro lugar é muito importante para a Huawei”, acrescentou seu colega Mo Jia.

“É desesperador mostrar a força de sua marca para consumidores domésticos, fornecedores de componentes e desenvolvedores”.

A falta de integração com os aplicativos populares do Google nos telefones da Huawei deve adiar alguns compradores de smartphones. As restrições comerciais impostas pelos EUA significam que o Google não pode colaborar com a Huawei para adicioná-las.

Isso significa que o Google Maps, o YouTube, a Google Play Store e outros aplicativos vistos como padrão na maioria dos dispositivos Android simplesmente não estão disponíveis por meios normais .

A Huawei respondeu criando sua própria solução de loja de aplicativos, que o The Register relata agora com cerca de 81.000 aplicativos voltados para ocidentais e mais de 70 milhões de usuários europeus.

Mas não está claro quantos desses usuários são pessoas com acesso à loja de aplicativos do Google e quantos estão usando a Huawei App Gallery como sua única fonte de novos aplicativos.

Os analistas esperam que o controle da Huawei no primeiro lugar seja temporário. Os números da fabricante de telefones diminuíram 5% globalmente, e a Samsung provavelmente se recuperará de seus piores resultados naquele trimestre.

Leia também:  AGU adota ‘vale-tudo’ em defesa de Jair Bolsonaro

Um porta-voz da Huawei, no entanto, disse que a empresa “demonstrou excepcional resistência nesses tempos difíceis”.

“Em meio a um período de desaceleração e desafios econômicos globais sem precedentes, continuamos a crescer e a ampliar nossa posição de liderança, fornecendo produtos e experiência inovadores aos consumidores”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Em 80, o Brasil iniciava o fim de um crescimento a nível chinês. E a China, sob Deng Xiaoping, começava a trilhar seu crescimento a nível brasileiro, que tornou um país mais pobre proporcionalmente do que o Brasil, embora com armas atômicas, passados 40 anos, no maior rival dos americanos no campo da tecnologia – fora o fato da China ser o maior detentor de papeis da dívida americana. A visão de Deng Xiaoping – não importa a cor do gato desde que coma o rato – é a visão que deve ser adotada por qualquer país que queira ser forte no cenário internacional. Prova viva de que prum país pensar em ficar forte não basta ter recursos naturais : é fundamental ter uma elite de verdade – e não uma elite miserável que hoje infesta o Brasil de norte a sul.

  2. Meu celular é um Huawei, o melhor de todas as marcas que já tive até hoje; altamente recomendável.

    JAIR FORA BOZO CANALHA!!!

    3
    1
  3. E remédio,.é vacina, é banda larga, e6etsnol. Seja o que for, americano quer o mundo a seus pés,.submisso e de bundinha de fora para que eles passem a mão como quiserem.
    Funciona com os subservientes tupiniquins e ainda bem que temos a China para fazer frente.
    Aliás, nem sei porque a china se preocuparia. Afinal,.com uma população de 1.7bi, basicamente 1/5 da população mundial,.só o mercado interno garante a huawey excelente retorno e se cooptar india e china ferra os concorrentes.
    Na parte bélica, que os eua também são tiranos, ainda bem que a Rússia ainda faz contraponto.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome