Bolsonaro adota personalismo de olho em 2022

Empenhado em se reeleger, presidente acumula embates com a equipe econômica e transfere decisões para o Congresso Nacional

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A sede de poder do presidente Jair Bolsonaro tem feito com que ele desvincule seu nome de propostas que venham a afrontar a população ou repercutir de maneira negativa, como forma de aproveitar a recente melhora na popularidade e por sua pretensão em se reeleger em 2022.

Um sinal claro de que Bolsonaro está disposto a desagradar quem quer que seja para manter a boa imagem foi visto na última semana, quando o presidente criticou abertamente o Ministério da Economia por sugerir o corte de benefícios da população pobre para viabilizar o programa Renda Brasil, além de se mostrar favorável ao afrouxamento da tributação a templos e igrejas.

Por conta do impacto gerado, Bolsonaro acabou por transferir a responsabilidade ao Congresso Nacional, liberando o senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator do Orçamento para 2021, para preparar um novo programa de transferência de renda e provocou os parlamentares a darem a última palavra sobre o perdão das dívidas de instituições religiosas.

Parlamentares ouvidos pelo jornal Correio Braziliense veem o comportamento do presidente com ceticismo, entendendo que Bolsonaro está disposto a fazer o que for para seguir na presidência até 2026, embora não tenha finalizado nem a primeira metade do mandato. Já cientistas políticos criticam a postura contrária do presidente ante sua equipe, entendendo que Bolsonaro não tem autoridade suficiente para ser comunicado sobre as decisões tomadas.

 

 

Leia Também
As palavras “nossos semelhantes” estão bem passadas de moda, por Maíra Vasconcelos
O labirinto fascista e a monstruosa coleção de mercadorias, por Tiago Ferro
“Fome tem que ser combatida com renda básica e imposto sobre riqueza”, diz economista
PM do Policiais Antifascismo é preso sob alegação de desespeitar superior no Maranhão

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Ofensivas de Salles fazem parte de estratégia para Bolsonaro trocar Ramos

1 comentário

  1. A quem a ignorância política elege legitimamente é garantida a reeleição…
    na dúvida, ou para ficar 100% garantida, basta voltar a prometer matar petistas e homenagear torturadores e destruidores da natureza

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome