Bolsonaro sobre Holocausto: “Podemos perdoar, mas não esquecer”

"Nós podemos perdoar, mas não podemos esquecer. E é minha essa frase", disparou o presidente, arrancando alguns aplausos em encontro com evangélicos

Jornal GGN – Em encontro com lideranças evangélicas nesta sexta (12), Jair Bolsonaro fez um comentário polêmico sobre o Holocausto. De acordo com ele, “nós podemos perdoar, mas não podemos esquecer.”

Depois de se gabar de ser o autor da frase, Bolsonaro insistiu que “quem esquece o passado está condenado a não ter futuro. Se não queremos repetir a história [do genocídio durante a II Guerra], que não foi boa, vamos evitar com ações e com atos para que não se repita daquela forma.”

Cerca de seis 6 milhões de judeus foram vítimas do Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial.

Do mesmo encontro participaram Dias Toffoli e Davi Alcolumbre, presidentes do Supremo Tribunal Federal e Senado, respectivamente.

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carlos Elisio

- 2019-04-14 19:49:34

Concordo que Deus é bom, e a tudo perdoa. Foda é o capeta sr presidente, com este não tem jogo. Principalmente falsos profetas ou moralistas sem moral.

Jarbas Similevinsk

- 2019-04-14 11:02:46

Corrigindo o meu comentário anterior: a administração federal é composta por dezenas de milhares de pessoas.

Jarbas Similevinsk

- 2019-04-13 11:51:53

A Esquerda está confundindo Bolsonaro com a Bíblia. Cada palavra é analisada como se provindo de algum deus. É tudo o que a Direita quer. Vamos discutir ações, gente! E ademais, neste caso Bolso não disse nenhuma bobagem. Perdoar faz bem a quem perdoa. Mesmo porque, combinando Mein Kampf e Hannah Arendt, Hitler, em sua juventude, era um idealista (confesso que só me interessei, nesse livro, pela parte autobiográfica). Vamos trilhar o caminho do meio, gente! Ideologias congelam as ideias e promovem o ódio. Vamos discutir e conciliar, coisas de gente inteligente. E quanto ao Bolso, não tem a menor importância. A administração federal é composta por dezenas de milhões de pessoas, cada uma sabendo, bem ou mal, o que fazer. O presidente, no caso, é mero fantoche, mero espantalho. E 200 milhões de pessoas são 200 milhões de pessoas que saberão como se adaptar.

Rui Ribeiro

- 2019-04-13 06:21:34

E devemos sempre lembrar da pobre e indefesa familia alvo da fúria da buchada de canhão sobre a população civil, a troco de nada. Em vez de se solidarizar com as vítimas da barbárie militar, se solidariza com um humoristinha peba de 5quinta categoria, enquanto processa o Duvivirr pelo mesmo motivo que o gentália foi condenado, além de adotar e louvar e incentivar práticas naxistas Quanta hipocrisia, Rato de Esgoto

Henrique Souza

- 2019-04-12 21:10:00

Não é dele não! É de Emir Kusturica, a ultima frase de "Underground - mentiras de guerra". E se trata sobre a guerra da Iugoslávia.

Eduardo Outro

- 2019-04-12 19:38:31

De boca fechada é uma múmia.

- 2019-04-12 19:34:38

bom então hitler pode dormir sossegado no inferno. o bozo te perdoa!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador