Brasil, um país desestruturado, por Aldo Fornazieri

Não sabem os democratas e progressistas que é necessário antecipar-se no tempo e ao tempo, pois o tempo leva tudo à ruína?

Foto Justificando

Brasil, um país desestruturado

por Aldo Fornazieri

O Brasil vive uma desestruturação política e moral sem precedentes. Depois de quatro anos de crise era de se esperar que a sociedade fizesse uma opção eleitoral pelo senso de uma unidade maior para enfrentar os desafios do presente e as incertezas do futuro. No entanto, fez uma opção pelo candidato mais divisionista, aquele que se empenha diariamente para agravar as lacerações políticas e sociais do país. Um presidente prudente deveria fazer sempre apelos para a unidade do país e do povo. O governo Bolsonaro vai exatamente no sentido contrário: estimula a divisão política e religiosa, não tem nenhuma mensagem aos desamparados e age de forma hostil aos grupos despossuídos de direitos sociais e civis. 

Sem um ponto de referência catalizador, sem uma força centrípeta unificante, o Brasil se afunda na anomia, na perda do sentido comum, na falta de confiança, agravando ainda mais sua incapacidade de se dar uma comunidade de destino. Diante deste quadro desalentador, o que se vislumbra são dois caminhos: uma apatia e uma prostração ainda maior da sociedade, dos indivíduos e dos movimentos ou uma radicalização da luta política e social, com o aumento das tensões. Neste momento prevalece o desalento e a prostração.

O fato é que no campo governista não há capacidade aglutinadora de forças, não há atratividade unificante. A única coisa que se destaca é a capacidade de diálogo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que não é expressão exatamente do governo e que, de certa forma, se expande também para o campo da oposição. Neste campo verifica-se a mesma incapacidade que se observa no governo: nenhum partido e nenhum líder se mostram capazes de imprimir direção e sentido às forças democráticas e progressistas.

Ciro Gomes se perdeu no seu descontrole, na sua incapacidade de perceber a ocasião que a história lhe oferecia para alçar-se na condição de um líder maior, nas suas mágoas corrosivas. Enveredou pelo caminho da pequena política, no sectarismo desagregador. Com Lula preso, o PT está amarrado ao seu imobilismo. Não tem liderança social nem para mobilizar em favor da liberdade de Lula e nem para aglutinar forças políticas e sociais em defesa de uma plataforma progressista de reformas e em oposição ao governo. Sem força suficiente no partido para ter autonomia, Haddad permanece manietado aos ditames da burocracia. Se é verdade que o PSol tende a ocupar um espaço maior pela sua combatividade, trata-se de um partido que tem pouca força social e Guilherme Boulos ainda é uma promessa. Lula é o único líder que poderia dar um sentido de unidade ao campo democrático e progressista. O governo e as forças de direita sabem disso. Mantê-lo preso é condição para manter uma oposição fraca, desunida, desorientada.

Leia também:  Reinaldo Guimarães: ‘Está em curso uma destruição institucional sem precedentes’

No campo social, a CUT parece não conseguir ir além das bravatas recorrentes. Assim, cada movimento continuará travando suas lutas, de forma dispersa, fragmentada, sem vislumbrar um sentido unificante, sem visualizar uma força potente para garantir direitos e projetar mudanças. Nem as derrotas continuadas, do impeachment-golpe, das eleições municipais de 2016, da reforma trabalhista, da prisão de Lula e das eleições de 2018 parecem ser suficientes para estimular o surgimento de líderes, partidos e movimentos poderosos, capazes de imprimir direção e sentido ao campo democrático e progressista. Os pequenos lampejos que surgem, se perdem na confusão brumosa das incapacidades, das vaidades, da arrogância e dos pequenos poderes mesquinhos que cada líder e cada partido presume ter como algo grandioso. A confusão é tão grande que setores de esquerda elegeram Hamilton Mourão, o vice-presidente, como a voz iluminista do Brasil.

Com tudo isso, as elites conservadoras e a extrema-direita se sentem à vontade para continuar com suas insolências, com a sua predação, com seus crimes e com sua impunidade. Os crimes da Boate Kiss, os crimes de Mariana, os crimes que vitimaram a Chapecoense e tantos outros crimes sociais e ambientais não foram capazes de evitar os crimes das enchentes, os crimes da violência, os crimes de Brumadinho e os crimes do Flamengo. As vítimas são sempre as mesmas: pessoas pobres e humildes do povo. Ninguém foi punido, ninguém está preso, ninguém paga pelas perdas do bem absoluto das pessoas que morreram, que é a vida de cada um.

O contraste brutal, criminoso e inaceitável deste país foi visto em Brumadinho: enquanto o presidente da Vale, que ganha o salário absurdo de R$ 1,6 milhão por mês, se esmerava em declarações hipócritas, os bombeiros, que recebem seus parcos salários de forma parcelada, rastejavam na lama para encontrar corpos de vítimas para dar o direito aos seus familiares de os enterrarem. Nenhum país decente e honesto, nenhum país que queira ser ético e ter um futuro, aceita tamanho abismo das desigualdades, da falta de direitos, da falta de uma vida digna para a imensa maioria do seu povo. Nenhum país que prezasse a si mesmo deixaria a direção da Vale, a direção do Flamengo, a direção da boate Kiss livres da cadeia. Sem dúvida, há uma cumplicidade criminosa entre os juízes e os grandes criminosos do setor privado, ricos e poderosos.

Leia também:  Os inimigos da democracia e o princípio do fim do bolsonarismo, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Quando as tragédias criminosas acontecem, os dirigentes e diretores anunciam que providências estavam a caminho, que faltou tempo para evitar os desastres. Na verdade, não faltou tempo. Faltou vergonha, faltou decência, faltou responsabilidade. Em nosso país, a falta de prudência não é um descuido. É uma ação criminosamente deliberada daqueles que têm poder.

As elites econômicas e políticas do Brasil perderam qualquer limite do tolerável. Que sentido faz um deputado ou um senador ter 30 assessores e a Agência Nacional de Mineração ter 35 fiscais para fiscalizar quase mil barragens? Só a presidência da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro tinha (ou ainda tem) mais de 200 assessores. Esses absurdos agregam duas coisas: privilégios de um lado e crimes de outro. Por que as direções e os parlamentares das esquerdas pouco combatem os privilégios indecentes, indecorosos e criminosos dos políticos, dos juízes e do alto funcionalismo público?

As elites econômicas e políticas do país nutrem um desprezo, uma insensibilidade, uma crueldade e uma desumanidade inauditas para com os trabalhadores, com os pobres e com o povo. As esquerdas precisam examinar até que ponto não são cúmplices com tudo isso. O Estado está desorganizado na fiscalização, na prevenção e se mostra incapaz de produzir justiça, igualdade, dignidade e de garantir direitos. No Brasil existe democracia e direitos para 30% da população. Para o resto é abandono, pobreza, falta de direitos, angústia, desesperança e morte.

Os democratas e progressistas, as esquerdas, precisam ser capazes de tocar nessas questões que violentam o povo, precisam combater os privilégios e estar ao lado do povo, precisam incitar a inaceitabilidade contra as instituições e as práticas que infelicitam, degradam e matam a vida. Perderam os progressistas as capacidades persuasivas, de convencimento, de comunicação? Não têm as esquerdas sentido de urgência perante as tragédias criminosas que se sucedem? Não sabem os democratas e progressistas que é necessário antecipar-se no tempo e ao tempo, pois o tempo leva tudo à ruína? Será necessário rogar aos Deuses para que enviem ao Brasil alguém capaz de liderar o povo e de combater a crueldade e os crimes das elites?

Leia também:  TV GGN: Carlos Bolsonaro antecipa o golpe, por Luis Nassif

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

14 comentários

  1. Haddad irá retomar as caravanas do PT ao Nordeste. Haddad vai ao Nordeste discutir a Previdência e fazer campanha pela libertação do Lula. Primeiro, isso mostra o total desconhecimento do PT e dele quanto a alma do povo nordestino. O nordestino na sua imensa maioria, aqueles que idolatram Lula não querem saber de previdência, mesmo precisando dela, aliás, milhões deles nem sabem o que seja previdência. O povo quer Lula Livre ou fatos que mostrem claramente que ele será libertado breve. O nordestino diferente do que pensam Haddad e o PT sabe muito bem que Lula Livre significa muito mais que a reforma da previdência e sabe que Haddad não trará nada de novo, só conversa mole pra boi dormir. O nordestino nem sabe direito quem é Haddad. Aqueles que o conhecem o respeitam mais não o amam como a Lula. Haddad precisa entender isso. Sua caravana vai passar como passa a poeira nas estradas tórridas do sertão. Fica a terra batida, nada mais. Segundo, que lá no nordeste não é o lugar para se fazer campanha por Lula Livre. Fazer campanha por Lula Livre no nordeste é gastar tempo e dinheiro atoa, no fundo é enganar o sertanejo sofrido, é uma piada. Quem mais deseja Lula Livre e daria tudo para libertá-lo que o povo nordestino? Haddad deveria fazer campanha com os demais líderes do PT na porta do STF, fazer protestos na frente do tribunal, é lá que ele deveria fazer campanha.

    • NÃO SEI POR QUE AGORA ESSA PERSEGUIÇÃO AO HADDAD.. ELE JÁ DEMONSTROU POR A MAIS B QUE É A SEGUNDA PESSOA DO LULA, E ESTÁ LIVRE PARA SE MEXER EM SEU FAVOR. É HONESTO, É SUPER INTELIGENTE E É MUITO QUERIDO, SENÃO NÃO TERIA MILHÕES DE VOTOS, CHEGANDO AA POUCOS DO CANDIDATO ELEITO.

    • Ou seja, deveria fazer campanha onde não tem povo, submetendo-se totalmente à lógica da institucionalidade.

    • Caro jjlopez,vc quer dizer q Haddad deve se distanciar do povão e ficar chorando na frente das Instituições q já sabemos q não farão nada?Presta atenção q foi isso q vc escreveu,ô povo ignorante viu,até quando se propõe ALGUMA AÇÃO EFETIVA NAS RUAS ainda reclamam,por isso muitos merecem é chicote nas costas mesmo!!

  2. “””As elites econômicas e políticas do país nutrem um desprezo, uma insensibilidade, uma crueldade e uma desumanidade inauditas para com os trabalhadores, com os pobres e com o povo. As esquerdas precisam examinar até que ponto não são cúmplices com tudo isso. O Estado está desorganizado na fiscalização, na prevenção e se mostra incapaz de produzir justiça, igualdade, dignidade e de garantir direitos. No Brasil existe democracia e direitos para 30% da população. Para o resto é abandono, pobreza, falta de direitos, angústia, desesperança e morte.”””
    A TRISTEZA TOMA CONTA DE CADA UM DE NÓS BRASILEIROS COM A NEGLIGÊNCIA E CUMPLICIDADE DE TODOS PELAS TRAGÉDIAS QUE VÃO ACONTECENDO SEM PARAR. PARABÉNS FORNAZIERI POR ESSE ARTIGO. IMPECÁVEL.

  3. Os resultados das eleições para governadores, para deputados e para a presidência demonstram que parcela considerável do povo não tem a menor condição de opinar em questões fundamentais para o futuro do país e nem para o próprio futuro, de seus filhos e netos. Está na hora de rever esta ideia de que democracia é dar a qualquer ignorante facilmente manipulável o direito a voto. A apatia popular e o “baratatonteamento” do campo progressista revelam a falta de confiança de que a política institucional vá resolver qualquer coisa. Muita gente, muita gente mesmo, desistiu do Brazil. A parte final das vidas e histórias de Tiradentes, Getúlio Vargas, Jango, JK, Lula, Marisa Letícia e outros demonstra que esta nação não vale o sacrifício pessoal de ninguém. Ou alguns líderes se apresentam para gritar “vamos quebrar tudo”, ou as raposas entreguistas e parasitas vão continuar sempre encontrando um jeitinho de tapear as galinhas para continuar mandando no galinheiro.

  4. Os governos desenvolvimentistas no Brasil democrático (Vargas, JK [em termos], Jango, Lula, Dilma) sempre atuaram na defensiva. Sempre tiveram a grande mídia fazendo pressão contra. O recurso para manter-se no poder foi aliar-se aos caciques regionais e ceder às suas demandas específicas. O que inclui o uso de expedientes dos mais escusos.

    O caminho da aliança com velhos caciques não faz mais sentido. Grande maioria já foi derrotada, e os que seguem têm que reciclar.

    Paradoxalmente, a exacerbação do liberalismo na figura de Paulo Guedes, facilita a montagem de um frente ampla desenvolvimentista. Isso inclui produtores rurais (ameaçados pelo corte de subsídios), produtores de leite (um segmento enorme e fundamental para o campo, prejudicados pela suspensão da tarifa anti-dumping), funcionários públicos, trabalhadores empregados e desempregados, mulheres, LGBTs, o segmento da cultura, etc.

    Alguém que esteja acima dos partidos precisa costurar essa frente. Para dar certo, tem que pensar como contornar ciúmes quanto ao protagonismo. E tem que saber como garantir mídia. Mídia hoje é tudo.

    Quanto à questão da ética, sem dúvida nenhuma o partido que entender que uma cultura na política – sair dos palácios, valorizar e usar pessoalmente os serviços públicos, recusar mordomias de qualquer tipo – está na ordem do dia, sai na frente. O PT no seu início tinha essas normas internas bastante claras, foram sendo gradativamente abandonadas. Acredito que hoje as condições estão melhores.

  5. Desastres da vale já provocaram mais de quatrocentas mortes……

    Essa é uma discussão que deveria estar sendo feita…

    Depois de todos esses anos quais as vantagens que as privatizações trouxeram ao país?

    Não a fazem por que o sistema na espoliação e destruição do patrimônio brasileiro…..

    E a mídia quadrilheira-assassina e corrupta se cala ……..

  6. Não quero dizer nada, mas estou convencido a um bom tempo que o objetivo dessa Guerra Híbrida que assola o país era esse mesmo: desestruturar toda a sociedade. Todavia também me parece bastante óbvio que o desafio sempre foi moderar a dosagem por causa do tamanho do país. Não podia ser intensa a ponto de gerar uma nova Líbia, nem moderada a ponto de ainda assim permitir uma coesão mais intensa.
    Pelo visto está funcionando porque colocaram imbecis no poder, que claramente não conseguem governar, ao mesmo tempo que utilizam as forças armadas para manter o mínimo de coesão nacional.
    Pode ser tudo loucura minha, mas sabe como é que é “yo no creo en las brujas, pero que las ay, las ay”.

  7. Se a destruição dos Países deu certo no Iraque, deu certo na Líbia, deu certo no Afeganistão, como não daria certo “NESSA PORRA”(?), onde predomina uma “elite” econômica, social, intelectual do tempo da brilhantina glostora, do pó de arroz e do laquê? Ainda mais com as “forças armadas” geração fralda geriátrica?? Em resumo: São todos uns AMASSA BOSTA.

  8. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome