Carlos Decotelli é o novo ministro da educação de Bolsonaro

Ex-presidente do FNDE foi indicado pela ala militar do governo e teve nomeação anunciada nesta tarde

Jornal GGN – O professor e ex-presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), Carlos Decotelli, é o novo ministro da Educação de Jair Bolsonaro (sem partido). A nomeação foi anunciada nesta quinta-feira, 25 de junho, nas redes sociais.

“Informo a nomeação do Professor Carlos Alberto Decotelli da Silva para o cargo de Ministro da Educação. Decotelli é bacaharel em Ciências Econômicas pela UERJ, Mestre pela FGV, Doutor pela Universidade de Rosário, Argentina e Pós-Doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha”, disse Bolsonaro nas redes sociais.

Oficial da reserva da Marinha, Decotelli será o terceiro ministro a encabeçar a pasta desde o início do governo Bolsonaro, assumindo o lugar de Abraham Weintraub, exonerado na semana passada para assumir uma das diretorias do Banco Mundial, nos Estados Unidos.

Nesta tarde, a nomeação de Decotelli foi publicada na versão eletrônica do Diário Oficial da União (DOU). Ele é o primeiro ministro negro do governo Bolsonaro.

A indicação foi da ala militar do governo e contou com o apoio do ministro da Economia, Paulo Guedes, com quem Decotelli atuou no passado no Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC), informou o jornal Folha de S. Paulo.

Leia também:  Do Banestado à Lava Jato: a polêmica cooperação entre Brasil e EUA

Decotelli também derrotou a possível nomeação de Renato Feder, secretário de Educação do Paraná, que esteve com Bolsonaro esta semana para discutir assuntos sobre a pasta. 

De acordo com a Folha, um dos motivos para o secretário não assumir o Ministério é o fato de ter sido um dos doadores da campanha do desafeto político de Bolsonaro, governador João Doria (PSDB-SP), em 2016. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Uma coisa é certa. No governo do vagabundo Jair Bolsonaro qualquer corrupto pode ser nomeado. Pouco importa a cor, basta ser um pilantra com experiência em rachadinhas, decisões judiciais duvidosas, laranjais, compra e venda de influência e licitações fraudulentas.

  2. Twitter do agora Ministro da Educação

    Tem uma coletânea do melhor do ministro no twitter circulando nas redes. Recentíssimo, não é antigo, não. Devastador.

    E poderia ser diferente?

  3. “Militar reformado da Marinha, novo ministro da Educação é criador de cursos do tipo MBA com Paulo Guedes”

    25 Junho 2020 Última Atualização: 25 Junho 2020

    Fonte: https://www.adusp.org.br/index.php/conj-pol/3723-ministro-educacao

    O governo Bolsonaro já tem seu novo ministro da Educação: é Carlos Alberto Decotelli da Silva, oficial reformado da Marinha, bacharel em Economia pela UERJ, mestre em administração pela FGV e doutor em administração financeira pela Universidade Nacional de Rosário, na Argentina. Decotelli presidiu o Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE) entre fevereiro e agosto de 2019, sob a gestão de Abraham Weintraub no MEC. Segundo o jornal Valor Econômico, Decotelli é visto como “indicação da ala militar” do governo.

    “O perfil do novo ministro demonstra, explicitamente, o viés que pouco a pouco vai prevalecendo no Ministério da Educação. É um viés economicista e militar para conduzir um bem social, um direito conquistado. Certamente, distante do projeto de educação que defendemos, será mais um a desestruturar a educação superior pública”, declarou ao Informativo Adusp o professor Antonio Gonçalves, presidente do Andes-Sindicato Nacional.

    Na avaliação da colunista Carla Araújo, do UOL, o novo ministro é alinhado com Bolsonaro, “fiel aos conceitos de guerra cultural”, mas não ligado diretamente aos seguidores de Olavo de Carvalho (ao contrário de seu antecessor Weintraub), e será o responsável por fazer “a conexão da academia” com a gestão do MEC.

    Decotelli, por sua vez, procurou demarcar com os ministros que lhe precederam no MEC, conforme o portal G1: “A minha formação é na área de gestão e finanças. Eu sou um gestor de finanças e administração. O presidente falou: aplique a ciência, aplique a integração, para podermos entregar a melhor política pública para a educação no Brasil. Não tenho competência para fazer adequação ideológica”.

    Ainda segundo o Valor Econômico, Decotelli coordenou atividades na Escola de Guerra Naval e participou ativamente do planejamento de governo, durante o período de transição. O jornal o definiu ainda como “financista”. O novo ministro é próximo de Paulo Guedes, ministro da Economia: juntos, criaram o curso “MBA Finanças” no Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec). Além disso, Decotelli dá aulas na Fundação Dom Cabral, conhecida por oferecer MBAs e lecionar para militares.

    De acordo com o colunista Guilherme Amado, da revista Época, quando esteve à frente do FNDE Decotelli deu aval a uma licitação de R$ 3 bilhões com irregularidades, suspensa após alerta da Controladoria-Geral da União (CGU): “Uma escola em MG receberia 118 notebooks por aluno”, exemplificou o jornalista.

  4. “Luiz Fernando Juncal Gomes- Twitter do agora Ministro da Educação
    Tem uma coletânea do melhor do ministro no twitter circulando nas redes. Recentíssimo, não é antigo, não. Devastador. ” Vi esse twiter. ASSUSTADOR.
    Não sei qual é o pior, esse ou o anterior.
    O terrível é que esses tipos de canalhas estão sendo exemplo para os cabeças fracas do futuro.
    De onde essa hiena miliciana e seus capangas tiram tantos depredadores?
    Nenhum deles sobreviverá.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome