CDHM faz audiência pública sobre perseguições e violência contra povos e comunidades tradicionais de matriz africana

De janeiro a junho de 2019, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos registrou 61 denúncias de discriminação contra adeptos das religiões afro

Foto: Fernando Bola

da Câmara dos Deputados 

CDHM faz audiência pública sobre perseguições e violência contra povos e comunidades tradicionais de matriz africana

por Pedro Calvi, da CDHM

A intolerância religiosa no Brasil aumenta a cada ano, principalmente contra as chamadas religiões de matriz africana como comprovam alguns dados disponíveis sobre o assunto. São centenas de casos, inclusive homicídios, em quase todos os estados no Brasil. Levantamento feito Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), que recebe denúncias por meio do Disque 100, mostra que o número de denúncias de discriminação religiosa contra terreiros e adeptos de religiões de matriz africana como umbanda e candomblé aumentou 5,5% em 2018 em relação a 2017 no Brasil. Foram 152 casos em 2018, contra 144 em 2017. Os estados campeões são Rio Grande do Norte, São Paulo e Rio de Janeiro. As religiões de matriz africana com maior número de adeptos no Brasil são a umbanda e o candomblé.

A Comissão de Direitos Humanos e  Minorias  da  Câmara  dos  Deputados  (CDHM) faz, nesta quarta-feira (27), às 14h30, audiência pública Para debater essa situação e propor soluções. Os deputados Helder Salomão (PT/ES)  e Alexandre Padilha (PT/SP) pediram a realização do debate, que acontece no plenário 9.

“A intolerância religiosa no Brasil vem crescendo anualmente, principalmente contra as chamadas religiões de matriz africana como comprova alguns dados disponíveis sobre o assunto. São centenas de casos, inclusive homicídios, em quase todos os estados”, afirma Salomão, presidente da CDHM.

Leia também:  CNMP aceita processo contra Deltan a pedido de Renan Calheiros

Violência psicológica

Ainda de acordo com os números do ministério, o tipo de violação mais registrado em 2018 foi a violência psicológica, com 201 casos. A violência psicológica é qualquer atitude que ultraje, humilhe, constranja ou avilte uma pessoa por sua prática ou identificação religiosa. A umbanda é a religião que teve mais registros no ano passado. Foram 72 denúncias de ataques contra umbandistas em 2018. Em segundo vem o candomblé, com 47 denúncias. Em terceiro, está a religião testemunhas de Jeová, com 31 registros no mesmo período.

De janeiro a junho de 2019, o ministério registrou 61 denúncias de discriminação contra adeptos das religiões afro. Até agora, neste ano, a violência institucional registrou o maior número de casos neste ano (119).

Para Alexandre Padilha “essa violência é causada pelo fracasso das instituições e organizações em ter um serviço profissional e adequado às pessoas em virtude de sua cor, cultura, origem racial ou étnica. Em qualquer caso, o racismo institucional sempre coloca pessoas de grupos raciais ou étnicos discriminados em desvantagem no acesso a benefícios gerados pelo Estado e por demais instituições e organizações”.

Audiência pública

Devem participar das discussões representantes do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; do Ministério Público Federal e da Secretaria de Políticas de Direitos Humanos e de Igualdade Racial do Distrito Federal, além de  Luciana Grando Dytz, presidente da Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef); WALMIR DAMASCENO, coordenador geral do Instituto Latino Americano de Tradições Afro Bantu (Ilabantu) e Representante para América Latina do Centro Internacional das Civilizações Bantu, Tata katuvanjesi (Ciciba); Hédio Silva Junior,  coordenador-executivo do Instituto de Defesa das Religiões Afro Brasileiras (Idafro) e Vera Lúcia Chiodi, mãe de santo da Casa Luz de Yorima.

Leia também:  O populismo judicial de Barroso no julgamento do ICMS

Fonte: Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Pobre país miscigenado onde boa parte do povo se acha descendente de europeus.
    Um país explorado pelos EUA, mas que o povinho soberbo gosta de viajar para Miami e prestigiar aquela merda.
    Pobre país idiota que ataca sua própria cultura.
    Por essas e outras tenho vergonha de ser brasileiro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome