China busca aumentar a autossuficiência à medida que o país se volta para dentro

Os líderes chineses veem a recuperação econômica de seu país, no contexto global, como uma nova vantagem assimétrica a favor da China

The Guardian

Os principais líderes da China começaram uma reunião para impulsionar a autossuficiência da economia enquanto o país se fecha em meio a tensões diplomáticas e a crise do coronavírus.

A sessão de quatro dias conhecida como plenum, que determinará as metas de política da China para os próximos cinco anos, começou na segunda-feira a portas fechadas em Pequim. Embora o novo plano econômico só seja divulgado antes da aprovação pela legislatura que aprovou o carimbo, o Congresso Nacional do Povo, os detalhes divulgados após o encerramento do plenário fornecem pistas importantes sobre as novas prioridades do Partido Comunista Chinês.

A reunião está sendo realizada em meio a uma economia global em deterioração, laços historicamente tensos entre a China e os EUA e um ambiente internacional cada vez mais difícil para Pequim, pois está sob escrutínio por alegados abusos de direitos humanos e repressão política em Xinjiang e Hong Kong e questões sobre sua transparência quando o surto de Covid-19 surgiu em Wuhan em dezembro.

A plenária também acontece em um momento de oportunidade para a China. A economia foi a primeira a começar a se recuperar após meses de paralisação da pandemia, com expectativa de crescimento de 2% neste ano, enquanto a economia global deve contrair 4,4%, segundo o Fundo Monetário Internacional. Os economistas esperam que a economia da China se torne a maior nos próximos anos.

Os analistas esperam que os líderes defendam políticas que ajudem a substituir o comércio internacional perdido pela demanda doméstica, em linha com a economia de “dupla circulação” que o líder chinês, Xi Jinping , tem pressionado em meio à pandemia, com foco em melhorar sua tecnologia doméstica e outras indústrias setores.

As autoridades também devem traçar metas para os próximos 15 anos, como parte de uma visão mais ampla de transformar o país em uma “potência moderna” até 2050, a tempo de a República Popular da China comemorar 100 anos. O lançamento de tal plano de longo prazo, mesmo em termos provavelmente vagos, reforçou as previsões de que Xi planeja permanecer no poder potencialmente pelo resto da vida.

Julian Gewirtz, um membro sênior de estudos da China no Conselho de Relações Exteriores, disse que o plenário foi “em última análise, sobre a preparação para uma luta de longo prazo enquanto aproveita as oportunidades de curto prazo apresentadas por Trump e cobiça”.

“Os líderes chineses veem a recuperação econômica de seu país, no contexto global, como uma nova vantagem assimétrica a favor da China”, disse. “Se este plenário tivesse um slogan, poderia muito bem ser o que o principal formulador de política econômica, o vice-primeiro-ministro Liu He, disse em um discurso recente: ‘Agora as coisas ruins estão se transformando em boas.’”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. E ai vem um sacana, Pompeo, falar para o “Idiota” (dispensa nomear), que o brasil precisa reduzir o comervio com a China. (Devem pensar em assumir este 3o lugar. Malandros!!)
    https://www.jb.com.br/economia/2020/10/1026227-brasil-amplia-exportacao-de-petroleo-a-china-e-e-o-3-maior-fornecedor-em-setembro.html

    A verdade é qie eles, eua, como exaustivamente reportado aqui no ggn, em conluio com lesas-patria só agiram para destruir nossa maior empresa, a Petrobras.
    Estes pulhas, que desde o inicio do seculo 21 vinham sabotando a Embraer nos grandes pleitos mundiais, usarando muito a OMC com apoio de sua assecla canadende, Bombardier, resultando na venda predatoria de nossa grande empresa de tecnologia aeronautica. Agem agora para destruir o restante de nosso parque energético esfacelando a eletrobras
    Tudo igual, só mudou o segmento de lesas-patria.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome