Ciro dá preferência a vice mulher, de São Paulo ou Minas Gerais, diz Carlos Lupi ao GGN

Em entrevista ao GGN, Lupi rebate críticas ao tom da campanha de Ciro e reafirma expectativa de vê-lo no segundo turno contra Lula

Ciro Gomes
Foto: Agência Brasil

Ciro Gomes (PDT) ainda não definiu um nome para compor sua chapa presidencial com vistas às eleições de outubro, mas já tem um perfil em mente: deve ser uma pessoa de São Paulo ou Minas Gerais – dois grandes colégios eleitorais do País – e, de “preferência”, uma mulher.

“Temos um perfil. Queremos que seja de São Paulo ou Minas Gerais. De preferência, uma mulher. Por quê? Pelo perfil eleitoral, para dar força à presença feminina, mas não é simples assim. Não podemos fabricar. Tem que ser nome que agregue, some eleitoralmente. Ainda estamos na fase de escolha de perfil e tentativa de aliança”, disse Lupi ao GGN, na noite de quarta, 29.

Na entrevista aos jornalistas Luis Nassif e Marcelo Auler, Lupi defendeu a candidatura de Ciro e o tom da campanha do correligionário, que decidiu atacar o lulopetismo como estratégia para desbancar Jair Bolsonaro e chegar ao segundo turno. No último Datafolha, Ciro apareceu com 10% dos votos válidos.

PRESSÃO NA BASE PEDETISTA

Lupi rebateu as informações de bastidores sobre uma suposta pressão da base do PDT para Ciro recuar da candidatura. Segundo o dirigente, a campanha de Ciro a presidente pode ampliar a bancada na Câmara.

“Elegemos, na última eleição, 28 deputados federais. Nossa previsão é fazer de 35 a 40. A candidatura do Ciro só ajuda. Toda vez que tivemos candidatura própria, o partido só cresceu.”

Sobre a estratégia de campanha de Ciro, que emula os ataques bolsonaristas ao PT, sendo que a posição de Jair Bolsonaro nas pesquisas parece bastante consolidada, Lupi respondeu que não vê “Bolsonaro com essa força toda”.

“Damos uma dimensão maior do que ele tem. Ele não mais será aquele língua solta, se anunciando como novidade, que teve uma facada que o ajudou muito no processo eleitoral. Hoje o mundo é diferente. Inflação, preço da carne, gasolina, gás de cozinha. Escândalo de corrupção. Isso está quebrando Bolsonaro. Se a gente tiver competência, se Ciro conseguir transmitir uma mensagem, ele pode fazer um segundo turno com Lula. Nós pensamos assim.”

Ainda de acordo com Lupi, “candidato que se desespera com pesquisa, não pode ser candidato. Quem vai dizer da viabilidade [de Ciro] é o processo eleitoral. Eu não me guio por pesquisa; pesquisa não me diz o que fazer. Nós temos que oferecer ideias e apostar no amadurecimento do nosso povo.”

Assista:

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Magda Mendonça

- 2022-07-01 08:03:45

Que diferença faz a escolha do vice de Ciro? O problema é o próprio Ciro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador