Como esperado, caso Wajngarten é arquivado

Foram quatro votos a dois na Comissão de Ética da Presidência; chefe da Secom recebe dinheiro de TVs e agências por meio de sua agência de publicidade

Jornal GGN – A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu, por quatro votos a dois, pelo arquivamento da denúncia envolvendo o chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), Fábio Wajngarten, mesmo sem investigação.

De acordo com informações do jornal Folha de São Paulo, Wajngarten foi denunciado por um suposto conflito de interesse: ele recebe, por meio da empresa FW Comunicação (da qual é sócio majoritário), dinheiro de TVs e agências de publicidade contratadas pela Secom, ministérios e estatais do governo.

Entre os contratantes da empresa, estão a agência Artplan e as emissoras Record e Band – que passaram a ser contempladas com um volume maior de verba desde que a gestão de Wajngarten começou, em abril do ano passado.

A legislação vigente proíbe que integrantes da cúpula do governo mantenham negócios com pessoas físicas ou jurídicas que possam ser afetadas por suas decisões. A prática implica conflito de interesses e pode configurar ato de improbidade administrativa, se demonstrado benefício indevido. Entre as penalidades previstas, está a demissão do agente público.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Bolsonaro cede a Trump, e zera imposto sobre etanol dos EUA

1 comentário

  1. Um comitê da própria presidência julgando e decidindo sobre um membro da presidência?
    Não há nada externo?
    Como quer o adolinquente em relação à investigação isenta de seu familiarmente celebrado Adriano?
    Ou esse sociopata mítico é controlado ou aos pouquinhos, comendo pelas beiradas, a sociedade não terá a quem recorrer, o que já está ficando difícil.
    Se estiverem (e muitas já estão) aparelhadas as policias, os MP’s, o justiciário, militares, a míRdia (só na TV aberta, Band, RedeTV, Record e SBT, Globo apoiando Moro e Guedes, fora EBC, TVEscola, FioCruz, etc.), as instituições ambientais, de cultura, de ensino, apoio de propaganda (ex. Havan), redes sociais…
    Quem os julgará, segurará, controlará, contestará?
    As pessoas precisam saber (ou lembrar) que Hitler e seu nazismo eram repudiados e até ridicularizados na Alemanha de um presidente republicano (Hindenburg), de uma imprensa livre e de oposições democráticas e até comunistas! Os nazi não tinham sequer maioria parlamentar. Hitler foi até preso!
    Aos pouquinhos foram aparelhando tudo até que se tornaram “irresistíveis”.
    Aí, deu no que deu:
    Alemanha acima de todos e Hitler acima de tudo!
    Inclusive da própria Alemanha…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome