Coronavírus: Mandetta diz que Brasil terá pico de casos até junho

Em entrevista, ministro da Saúde disse que país passará por um estresse nos próximos 60 a 90 dias - e que maioria dos casos vai exigir cuidados básicos

Henrique Mandetta, ministro da Saúde. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O Brasil deve enfrentar o pico do novo coronavírus entre 60 e 90 dias, segundo estimativa traçada pelo ministro da Saúde, Henrique Mandetta. O prognóstico é que os números aumentem entre abril e junho, atingindo a estabilidade a partir de julho.

“Nós estamos imaginando que nós vamos trabalhar com números ascendentes, espirais em abril, maio, junho. Nós vamos passar ai 60 a 90 dias de muito estresse para que quando chegarmos ao fim de junho, julho, a gente imagina que entra no platô”, disse Mandetta, em entrevista coletiva. “Agosto, setembro a gente deve estar voltando desde que a gente construa a chamada imunidade de mais de 50% das pessoas”.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, Mandetta afirmou que as medidas restritivas no país poderão aumentar no período, mas outros detalhes não foram divulgados.

Mandetta disse que o governo estima que de 80% a 85% dos casos do novo coronavírus no Brasil vão requerer apenas cuidados básicos, e que nos outros 15% haverá necessidade de internação. Porém, ele afirmou que se houver uma taxa de 15% da população de uma cidade com necessidade de internação, isso ultrapassa a normalidade.

O ministro afirmou ainda que o governo ainda avalia o impacto da dispersão do COVID-19, e que ainda não é possível saber se a situação será semelhante a de outros países afetados, como Estados Unidos, China e a Europa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Com base em que dados? O Uol divulgou que o óbito de hoje não estava se quer relacionado entre os suspeitos. Informou também que hospitais particulares não estão obrigados a informar o quadro ao SUS/ms. Na semana passada vi informação do MS de que havia 121 casos confirmados, mas que não contabizava 98 casos confirmados do Albert Einstein. Como ficamos?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome