Coronavírus: Sindicato chinês se compromete a ajudar no envio de insumos ao Brasil

Sobre bolsonaristas, federação de trabalhadores diz que ignorantes políticos não afetar relacionamento amistoso mantido entre os países

Membros da Federação Nacional dos Sindicatos da China (ACFTU - All-China Federation of Trade Unions) - Foto: Reprodução/CUT.org.br

Jornal GGN – A Federação Nacional dos Sindicatos da China (ACFTU) se comprometeu a auxiliar os brasileiros no processo para a liberação de insumos para a produção de vacinas no país.

A Federação Nacional dos Sindicatos da China é a maior entidade sindical do mundo, com 302 milhões de filiados em 1.713.000 organizações. Está dividida em 31 federações regionais e 10 sindicatos industriais nacionais, e é apontada como o maior sindicato do mundo.

Segundo a CUT (Central Única dos Trabalhadores), que participou da reunião, os sindicalistas chineses comprometeram-se a intermediar o diálogo entre as centrais brasileiras e o governo chinês. “Vamos usar todos os nossos canais e esforços para levar a mensagem de vocês [centrais sindicais] ao governo central e ao Partido [Comunista Chinês] sobre as necessidades imediatas do povo brasileiro ante a pandemia”, afirmou An Jianhua, membro da Direção Executiva e secretário Internacional da Federação dos Sindicatos da China.

A entidade ocupa a vice-presidência na Assembleia Popular chinesa (espécie de Congresso Nacional), com trânsito e forte influência junto ao governo do presidente Xi Jinping.

“Nós também já conversamos muitas vezes com o governo para falar que a maioria do povo brasileiro e as centrais sindicais do Brasil, que representam a classe trabalhadora, sempre mantiveram uma atitude amistosa em relação à China”, lembrou.

As relações diplomáticas entre Brasil e China mostram sinais de desgaste durante o mandato de Jair Bolsonaro, muito por conta das ações do filho do presidente , o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Quanto a isso, An Jianhua foi direto. “Algumas palavras de ignorantes não vão comprometer as tendências amistosas das relações entre a China e o Brasil”.

Além de presidentes e secretários das seis centrais sindicais brasileira, o presidente da IndustriAll-Brasil, Aroaldo Oliveira, também participou da reunião com os chineses.

 

Leia Também
Vacinas de Oxford chegam hoje e Fiocruz trabalhará de madrugada para distribuição
Ao bajular Bolsonaro, Mendonça perde mais uma, por Marcelo Auler
São Paulo fecha serviços não essenciais a partir das 20h em todo o estado
As falas dos bolsominions pobres  contra a vacina, por Urariano Mota

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora