Crise econômica se instalou no Brasil muito antes da pandemia, diz especialista

A pesquisa semanal Focus indicou que economistas e analistas financeiros trabalham com a perspectiva de uma contração menor da economia do Brasil em 2020

Da Sputnik Brasil

A pesquisa semanal Focus, divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira (27) indicou que economistas e analistas financeiros trabalham com a perspectiva de uma contração menor da economia do Brasil em 2020.

O mercado espera uma contração de 5,77% da economia brasileira neste ano, na quarta semana seguida em que os economistas melhoraram a previsão. Na semana anterior, a projeção era de que o Produto Interno Bruto (PIB) sofreria recuo de 5,95%. Para 2021 permanece a expectativa de um crescimento econômico de 3,50%.

Para Istvan Kasznar, economista e professor da FGV/RJ, elaborar as previsões tendem a ser “incoerentes e insuficientes”, mas atuam como uma “bússola” para orientar a política econômica do governo.

“Ao longo deste ano tivemos um lockdown, com uma parada geral. Agora, há mais de 20 dias, a economia como um todo começa a florescer e retomar. Porque as pessoas, entendendo que a pandemia veio para ficar […] querem manter os seus empregos, continuar a produzir, gerar renda, e obriga as empresas a produzirem”, disse Istvan Kasznar à Sputnik Brasil.

Para ele, uma certa retomada econômica era previsível. Os números baixos e até negativos do PIB, no entanto, não seriam somente uma consequência da pandemia, segundo o economista. Para Kasznar, o Brasil demorou para se recuperar da crise econômica de 2008. Assim, desde 2011 e 2012, as ações do governo não surtiram o efeito desejado e a economia do país iniciou a sua longa curva de desaceleração.

“Os gastos públicos começaram a aumentar, a dívida pública interna do Brasil cresceu de um patamar próximo aos 45% para hoje praticamente 107% (ainda há dúvidas a respeito do verdadeiro valor da formação dessa dívida sobre o PIB brasileiro) […] Em 2015 a economia arrefece mais ainda e, em 2016, é um desastre”, afirmou Istvan Kasznar.

Desde então, em função de uma massa de fatores, como má administração pública, corrupção e fuga de investimentos para o exterior, a crise foi se agravando durante os últimos anos. Assim a pandemia deu um choque negativo na economia em um contexto já bastante negativo.

“Existem muitos fatores responsáveis pela queda da economia brasileira, e vários desses permanecem entre nós. Sobretudo os estruturais. O Brasil necessitará, desse ponto de vista, de reformas”, destacou o entrevistado.

O economista destacou a importância da reforma tributária, mas também prevê um provável aumento da carga fiscal, como o retorno da extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

Leia também:  Lewandowski nega analisar recurso da Globo contra censura no caso Queiroz

Por outro lado, Kasznar acredita que uma retomada da economia pode ser esperada “se continuarmos trilhando a Reforma Tributária, a reforma do mercado de capitais, a reforma do sistema de administração pública, as reformas associadas ao mercado de trabalho que continua precisando de flexibilização, e muito mais”.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Como assim?….. Ontem mesmo os jornais – todos eles, noticiaram que as fortunas dos bilionários do Brasil aumentaram,- e muito, durante o período da pandemia- Que crise é essa e a quem ela atinge? Além disso, o país enfrenta as reformas desde o governo desastrado- intencionalmente desastrado, de FHC; e são reformas que não sofrem nunca solução de continuidade e ainda assim a economia caminha sempre para trás, e sempre, lógico, afrontando os interesses da população como um todo, inclusive e especialmente a classe média imbecilizada, porque as classes mais pobres já não tem mais nada de si para dar- senão a própria vida!!!. A reforma necessária agora, deveria ser realizada sobre o cérebro desses economistas que chutam com os dois pés, e sempre puxando o saco da classe dominante.Como pode a dívida pública estar subindo se já foram realizadas mais de 200 privatizações? A reforma da Previdência? A reforma trabalhista? e tantas outras, exceto aquelas que poderiam fazer os bilionários ajudarem no pagamento da conta!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome