Deltan parou de fazer filantropia com palestras e embolsou R$ 580 mil

Para se livrar de ação no Conselho Nacional do Ministério Público, Deltan Dallagnol afirmou que a maior parte dos recursos de palestras ia para hospital e combate à corrupção

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Depois que convenceu o Conselho Nacional do Ministério Público a arquivar uma ação que questionava suas palestras, alegando que fazia filantropia com elas, Deltan Dallagnol mudou o foco. Alterou os contratos de prestação do serviço e passou a embolsar o lucro líquido que obtinha com os eventos. Dessa maneira, segundo comprovantes trocados por mensagens de Telegram, o procurador da Lava Jato faturou pelo menos R$ 580 mil para si, a partir de 2017. É o que mostra novo vazamento do Intercept Brasil em parceria com a Folha, nesta sexta (23).

Segundo o jornal, cada “aula” de Dallagnol variou entre R$ 10 mil e R$ 35 mil. Se juntar os montantes que ele remeteu para filantropia com o que embolsou, são mais de R$ 1 milhão em palestras e eventos conquistados graças à fama na Lava Jato.

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

“A lista de contratantes do procurador traz unidades da operadora de planos de saúde Unimed, firmas do mercado financeiro e associações industriais e comerciais”, anotou a Folha.

No mês passada, a Vaza Jato revelou que Deltan pretendia ampliar ainda mais os lucros, abrindo uma empresa com o colega Roberson Pozzobom, no nome das respectivas esposas. A revelação foi parar na Corregedoria do CNMP.

Procurador, o coordenador da força-tarefa da Lava Jato afirmou que “na soma de 2016 a 2018, destinou a maior parte dos valores para atividade beneficente ou ações anticorrupção, incluindo uma reserva de R$ 184 mil que mantém em aplicação financeira e que ele diz planejar para essa última finalidade. Ele não comenta as mudanças ocorridas especificamente após 2017”, indicou a Folha.

Leia também:  Petrobras anuncia abertura de processo de venda de mais quatro refinarias

Até 2016, “a maior parte do valor arrecadado com as palestras havia sido doada ao Hospital Oncopediátrico Erasto Gaertner, de Curitiba. A instituição médica informou à época ter recebido R$ 219 mil (R$ 240 mil em valores atualizados) do procurador.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Tem mais um detalhe inquietante:
    Várias Unimed’s regionais contrataram o procurador. O MPF contrata a Unimed como fornecedora de seu plano de saúde corporativo.
    Imagine o que o MPF diria se um deputado federal desse palestras remuneradas para um fornecedor da Câmara.

  2. De filantropia, o Deltan Dallagbosta pulou para a pilantropia e queria montar uma empresa de fachada para lucrar. Ok?

    “Vc e Amanda do Robito estão com a missão de abrir uma empresa de eventos e palestras. Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade…”. – Dallagbosta, o $anto do pau oco

  3. Por isto que eu chamava a operação de Leva Jetons (o extra que vinha das operações criminosas, do chefe da gangue lavajatista). Juntou um dinheirinho e vai gastar com advogados e ainda sobra para pode utilizar através de sua veia empreendedora. Agora vai e num Brasil sem corrupção, será uma bênção..

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome