Dexametasona reduz mortes por coronavírus, mostra estudo de Oxford

"Este é o único medicamento até o momento que demonstrou reduzir a mortalidade de forma significativa. É um grande avanço", diz o chefe do estudo

Jornal GGN – O maior ensaio clínico do mundo sobre tratamentos para coronavírus mostrou que um medicamento de baixo custo e amplamente disponível no mercado ajudou a salvar vidas de pacientes com covid-19 em estado grave.

Segundo os resultados do Recovery, o estudo feito pela Universidade de Oxford, a dexametasona reduziu as mortes por coronavírus em um terço entre os pacientes que estavam em ventiladores mecânicos. Entre aqueles que estavam internados no oxigênio, a redução foi de um quinto.

O estudo envolveu 2 mil pacientes que usaram dexametasona e 4 mil que não receberam o medicamento. “Para os pacientes em ventiladores mecânicos, reduziu o risco de morte de 40% para 28%. Para pacientes que necessitam apenas de oxigênio, o risco de morte diminuiu de 25% para 20%”, narrou O Globo desta terça (16).

O tratamento dura 10 dias e custa 5 libras (cerca de R$ 35) por paciente. “Este é o único medicamento até o momento que demonstrou reduzir a mortalidade de forma significativa. É um grande avanço”, disse o chefe do estudo, Peter Horby, à BBC.

No Brasil, o Hospital Sírio-Libanês iniciou em abril uma pesquisa com a dexametasona.

De acordo com as estimativas, se o corticoide estivesse disponível no Reino Unido desde o início da pandemia, cerca de 5 mil vidas teriam sido salvas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora