Empresa chinesa fecha compra de fábrica de turbinas eólicas na Bahia

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Goldwind fechou acordo com General Electric para venda de planta; mais de 1000 empregos devem ser criados na região

Foto de Karsten Würth na Unsplash

A fábrica chinesa de turbinas Xinjiang Goldwind Science & Technology Co Ltd finalizou um acordo com a General Eletric para comprar uma planta no Brasil, oficializando assim a aquisição de sua primeira fábrica de turbinas eólicas no exterior.

Segundo o site China Daily, a planta negociada está localizada em Camaçari, na Bahia, e a expectativa é que a Goldwind inicie a produção em massa de turbinas eólicas até o final de 2024, gerando mais de mil empregos na região.

Em nota, a Goldwind destaca que seu investimento no país vai melhorar o aproveitamento dos recursos eólicos da região e melhorando as cadeias de investimento. A empresa também se mostra otimista com relação ao avanço de longo prazo do mercado brasileiro de energia eólica, que pode dobrar até 2030 com investimentos projetados em cerca de US$ 34 bilhões.

Dados da BoombergNEF posicionam a Goldwind como fornecedor líder mundial de turbinas eólicas, comissionando 16,4 gigawatts de projetos no ano passado, 95% dos quais estavam em seu mercado doméstico, de acordo com o relatório Global Wind Turbine Market Shares de 2023.

Ela também teve a maior capacidade recém-instalada no exterior de todos os participantes da indústria chinesa no ano passado, com 748 megawatts, o que representou menos de 5% da capacidade total recém-instalada da empresa de 16,4 GW, deixando um expressivo potencial para crescimento.

O Brasil representa o primeiro mercado internacional da Goldwind. Em 2021, a empresa entregou ao país seu primeiro projeto de aerogerador com capacidade instalada total de 82 MW. Até o momento, a capacidade instalada da Goldwind no Brasil atingiu 662 MW.

Atualmente, 50% das exportações de turbinas eólicas da China são feitas pela Goldwind, com instalações na América do Norte, Oceania, Ásia e América do Sul excedendo 1 GW.

De acordo com a publicação chinesa, dados de abril de 2023 mostram que cerca de 60% dos equipamentos de energia eólica no mundo eram produzidos na China, e os fabricantes têm estruturado planos para expandir sua atuação no mercado internacional.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Taí o tipo de investimento que vai ao encontro dos interesses nacionais e não aquele que a nossa imprensa livre de isenção, alardeia que está saindo do país, ou seja o investimento motel,de alta rotatividade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador