Entrevista: Torcedor preso por protestar contra Bolsonaro aciona Corregedoria da PM

"Posso estar sendo um pouco pretensioso, mas espero que isso sirva de estopim para a gente brigar contra toda essa porra que está acontecendo no nosso país senão vai virar o terror de novo"

Por Maria Tereza Cruz

‘Aterrorizante’, diz corintiano detido e mantido em sala com PMs que o humilharam

Do Ponte Jornalismo

Como qualquer torcedor de futebol fanático, o vendedor Rogério Lemes Coelho, 44 anos, afirma que nasceu corintiano. Mas não hesita em dizer quando se entendeu integrante do “bando de loucos”. “Acho que desde Sócrates, Casagrande, em 1982, 1983, quando eu vi aquele time da democracia corintiana ganhar do São Paulo, ganhar dois títulos. Sou capaz de falar a escalação até hoje”, afirmou em entrevista à Ponte, dois dias depois de ser detido pela Polícia Militar no início do dérbi paulista contra o Palmeiras, válido pelo Campeonato Brasileiro, no domingo (4/8), na Arena Corinthians, zona leste de São Paulo.

O motivo? Um protesto isolado contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Rogério conta que ao chegar na arquibancada, os jogadores estavam em campo perfilados e o hino nacional estava tocando. “Me deu uma coisa de patriotismo. Eu estudei na época que cantava hino na escola e sentíamos um lance de ser brasileiro. Aí pensei que não quero isso aí, esse Bolsonaro e tudo que ele representa para o meu país. ‘Bolsonaro, vai tomar no cu’ saiu como um desabafo. Gritei de mim para mim mesmo”, relatou.

Rogério levou um mata-leão de PMs que estavam perto dele, foi algemado e levado a uma salinha pequena onde passou por humilhações e xingamentos. Há alguns anos, o corintiano teve uma necrose na cabeça do fêmur e, por isso, teve que colocar uma placa de titânio para corrigir o problema. “Me jogaram no chão nessa sala, eu não conseguia me mexer porque as algemas estavam muito apertadas. Sentia muita dor, ainda estou todo dolorido. Entrava um, saía outro e todos me humilhando. Eu implorava: ‘me tira dessa posição, mano, por favor’. E os caras: ‘Foda-se, foda-se! Não vou te ajudar, não. Você não é ‘bravão’, você não é valentão? Você não gosta de xingar autoridade, de xingar o presidente?’. E não me tiravam dali”, continuou.

Membros da Democracia Corintiana apelidaram a sala de “DOI-Codi da Arena”, em referência ao local onde militantes contrários à ditadura militar em São Paulo foram presos e torturados no período ditatorial, entre 1964 e 1985. Alguns, até a morte. A história de Rogério viralizou em uma postagem na rede social Facebook.

O corintiano, morador da periferia de Mauá, na Grande São Paulo, revela que se soubesse a proporção que o post em suas redes sociais tomaria, não teria feito nada, mas que, agora, não tem mais volta. “Espero que isso sirva de estopim para a gente brigar contra toda essa porra que está acontecendo no nosso país, senão vai virar o terror de novo. Essas coisas que a gente ouve falar dos anos 1960, 1970, do período da ditadura, a gente está caminhando para isso e pode ser até pior. Essa gente é ruim. Esses caras que estão no governo do país são bandidos, milicianos”, desabafou Rogério, que já formalizou a denúncia na Ouvidoria da Polícia e na Corregedoria da PM.

Em nota divulgada apenas nesta terça-feira (6/8), a Arena e o Sport Club Corinthians Paulista repudiaram o ocorrido e afirmam que defendem a democracia e o direito constitucional de livre manifestação. “A agremiação lembra que diferentes autoridades, entre elas o presidente do clube [Andrés Sanchez, que já foi deputado federal pelo PT], já foram alvo de manifestações da torcida durante os mais variados eventos esportivos realizados no local e o episódio caracteriza-se como um grave atentado às liberdades individuais no Estado Democrático de Direito”, diz o texto.

À Ponte, Rogério confirmou que além do posicionamento oficial, Sanchez o convidou para assistir do camarote presidencial a partida entre Corinthians e Goiás, às 19h15 desta quarta-feira (7/8), também válida pelo Campeonato Brasileiro de futebol masculino.

Na segunda-feira (5/8), a SSP-SP enviou uma nota à Ponte informando que “as polícias de São Paulo são instrumentos do Estado Democrático de Direito e não pautam suas ações por orientações políticas. Entre as atribuições da Polícia Militar estão: proteger as pessoas, fazer cumprir as leis, combater o crime e preservar a ordem pública”, diz o texto, sustentando que a ação dos PMs contra Rogério aconteceu para evitar um “princípio de tumulto”.

Confira a entrevista completa de Rogério Lemes:

Leia também:  'Quartel-general' da campanha de Bolsonaro em BH foi omitido à Justiça Eleitoral

Ponte – Eu ia fazer uma brincadeira, porque dizem que time de futebol você não escolhe, você simplesmente nasce torcedor. Mas, de toda forma, desde quando você é corintiano?

Rogério Lemes – Acho que sou desde Sócrates, Casagrande, em 1982, 1983, quando eu vi aquele time da democracia corintiana ganhar do São Paulo, ganhar dois títulos. Sou capaz de falar a escalação até hoje. Eu não sei a escalação de quase nenhum Corinthians, mas aquele eu lembro perfeitamente.

Ponte – E sobre seu hábito de ir ao estádio: vai com que frequência, você é fiel torcedor?

Rogério Lemes – Sim, sou fiel torcedor. Eu vou no estádio desde o tempo do Pacaembu, quando eu já tinha o fiel torcedor. Eu tenho hábito. Não vou em todos os jogos, mas vou bastante, gosto muito. Uma das paixões da minha vida é acompanhar o Corinthians. Já fui para o Rio Grande do Sul, já fui para Minas [Gerais], só não vou mais porque não tenho tempo, eu trabalho de segunda a sábado.

Ponte – Você é vinculado a alguma organizada?

Rogério Lemes – Não. Eu tenho amizade com o pessoal, porque nessas de frequentar estádio e acompanhar o Corinthians, você vai conhecendo mesmo. Por exemplo, os Gaviões do ABC, eu tenho muito amigo lá. Já me falaram para me filiar, mas aí eu penso: para que me filiar? Isso vai fazer diferença? A amizade do pessoal já basta para mim.

Ponte – Você já tinha passado por algo parecido com o que aconteceu no domingo?

Rogério Lemes – Nunca tinha acontecido nada parecido. Eu estava num show de rock em Santo André, ia ter Garotos Podres, Ratos de Porão. Só que quando eu tava lá e vi que eles iam tocar por último, ia coincidir com o mesmo horário do jogo. Fiquei um pouco lá, vi a rapaziada e já fui embora. Cheguei na Arena, tomei uma gelada com os moleques e falei: ‘Vamos entrar?’. Os caras às vezes viajam, ficam nessa de tomar cerveja lá e o jogo rolando. Eu já falei: ‘Não, mano. Contra os ‘porco’ [forma como as torcidas rivais se referem aos palmeirenses] não vou perder não, quero ver o jogo do começo ao fim. Fiquem aí então’. Acabei entrando sozinho, passei as catracas, estava tocando o hino, não tinha começado o jogo. Eu levantei as duas mãos para o alto, como quando a gente vai fazer algum grito de ordem, assim, e disse: ‘Hey, Bolsonaro, vai comer chuchu’ [Rogério falou ao telefone desse jeito para a reportagem, mas o grito era de ‘vai tomar no cu’]. Comecei a gritar, mas eu tava atrás da torcida. Aquilo ali era mais um desabafo de mim para mim mesmo do que qualquer outra coisa. O que um cara sozinho gritando dentro de um estádio vai representar para o todo? A maioria tava gritando ‘Corinthians’.

Ponte – Como foi a abordagem feita pelos policiais?
Rogério Lemes –
Tem um vídeo que recebi há pouco que mostra a ação dos bandidos lá. Mostra a torcida cantando, ninguém estava me ouvindo. Só que um policial percebeu, ouviu o que eu tava gritando e veio para cima igual leão quando vai caçar um bicho. Aí um veio por trás e me deu um mata-leão. Não lembro se cheguei a apagar ou não, porque foi muito tenso. No vídeo dá muito bem para ver que eu fui desfalecendo, vários policiais a minha volta e um deles já metendo a mão na algema para me prender [pedimos o vídeo, mas Rogério disse que por enquanto não poderia divulgar]. Me levaram para uma sala onde ficaram me humilhando. Entrava um, saía outro e todos me humilhando. Eu tenho uma prótese na perna. Eu tinha uma necrose no fêmur e tive que colocar uma placa de titânio para corrigir esse problema, então eu tenho dificuldade, eu falava para o cara: ‘me tira dessa posição, mano, por favor’. Eu tava algemado e não conseguia me mexer. A algema estava muito apertada, meus punhos estão todos marcados, ainda está muito dolorido. E os caras: ‘Foda-se, foda-se! Não vou te ajudar, não. Você não é ‘bravão’, você não é valentão? Você não gosta de xingar autoridade, de xingar o presidente?’. E não me tiravam dali. Com muito esforço consegui levantar. Foi quando dois policiais falaram: ‘agora você vai para a delegacia’. Aí eu vi que não tinha conversa. Eu não falava mais nada. Chegando lá, a delegada perguntou: ‘qual a sua versão?’. Eu falei: ‘primeiro eu quero saber por que eu tô aqui? Qual crime eu cometi?’. Ela disse que eu não tinha cometido crime algum. E eu rebati: ‘por que me algemaram, me bateram, por que eu estou aqui falando com você? Vocês estão pegando meus dados, perguntando onde eu moro. O que é isso?’. Ela disse que era um procedimento e eu continuei rebatendo que se não havia crime não haveria necessidade de um boletim de ocorrência. Fui liberado depois que um rapaz de terno chegou. No início ficou arisco, mas se apresentou como defensor e disse que estava do meu lado. Ele que me tirou de lá. Quando cheguei na arquibancada faltavam poucos minutos para acabar o jogo. Naquela circunstância, eu nem sei o que era pior: ter perdido o jogo, a dignidade…

Leia também:  STJ derruba prisão de Pezão na Lava Jato

Ponte – Nessa sala você ficou como?

Rogério Lemes – Eu fiquei jogado no chão. Não é para receber gente. Não tem cadeira para sentar, água para beber. Tinha só uma mesinha, uma espécie de maca, não lembro bem.

Ponte – E você se sentiu como naquele momento?

Rogério Lemes – Me senti aterrorizado. A palavra é medo.

Ponte – Quais os próximos passos? O que pretende fazer?

Rogério Lemes – Eu na verdade não queria nada. Estava morrendo de medo, teve gente que falou para eu não mexer com esses caras, porque eu poderia ser morto por eles e ninguém ia ficar sabendo. Eu moro na periferia, eles podem passar, me matar, inventar uma história. Muita gente me pôs medo. Aí ontem (5/8) me ligou um cara da Democracia Corintiana. Conversei com bastante com ele, temos um amigo em comum, ele me encorajou e até o Corinthians mesmo, que não tinha se pronunciado, hoje soltou uma nota. E aí esse cara que me procurou, me colocou em contato com um advogado do núcleo de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Aí fui conversar com ele, que me passou para outro advogado bem experiente, que disse que minha vida estaria em risco se eu não fosse denunciar na Ouvidoria, Corregedoria da PM. Ele me disse que trabalha há mais de 30 anos na área criminal e o que eu sofri foi um abuso de autoridade e que a gente tem que levar isso para frente. Eu me expus e não tem mais volta.

Ponte – Você tinha essa dimensão?

Rogério Lemes – Nunca na minha vida. Eu saí do estádio e tomei um copo de vodka cheio e uma cerveja. Meus amigos queriam ir para balada, mas eu não tinha cabeça. Quis ir para casa. Quando cheguei, não conseguia dormir e aí fiz a postagem como um desabafo. Muita gente da minha família viu e tem muita gente que pensa diferente de mim, por isso eu fiz questão de escrever: ‘o que vocês estão apoiando é isso: ódio, maldade. Isso não pode fazer com ninguém’. Jogar alguém no chão, uma pessoa com prótese e ainda falar ‘foda-se’. Isso é coisa de guerra. Isso não se faz, é maldade. Eu postei isso como um desabafo, mas não tinha noção. Se eu soubesse, acho que não teria postado.

Leia também:  Moro é "desde já" pré-candidato à Presidência e se filiará ao Podemos

Ponte – O que você espera que aconteça agora?

Rogério Lemes – Olha, eu só espero que isso não aconteça nunca mais com mais ninguém. Que sirva de exemplo para quando um policial disser: ‘vou fazer isso’, ele pense: ‘não, não vou fazer porque vai dar ruim para mim’. Eu espero que o Corinthians não fique só na nota que eles deram, que isso que aconteceu sirva para mudar algumas condutas. Posso estar sendo um pouco pretensioso, mas espero que isso sirva de estopim para a gente brigar contra toda essa porra que está acontecendo no nosso país senão vai virar o terror de novo. Essas coisas que a gente ouve falar dos anos 1960, 1970, da ditadura militar… Eu não sei quantos anos você tem, mas eu cheguei a pegar o fim dessas histórias de não poder ficar ate depois de dez horas na rua, de ter que andar com carteira profissional no bolso para provar que era trabalhador. A gente está caminhando para isso e pode ser até pior, porque essa gente é ruim. Esses caras são ruins, esses caras que estão no governo do país são bandidos, milicianos. Que eu seja uma areia nesse oceano todo, uma pontinha. Como diz minha irmã, eu não tenho um gato para puxar pelo rabo, não tenho mulher, filhos. Se tiver retaliação, sou eu. Então pode vir.

Ponte – Você usou o termo desabafo mais de uma vez. O estadio para o torcedor é como uma casa, ou seja, você estava muito a vontade quando decidiu fazer o pequeno protesto. O que te motivou a gritar?

Rogério Lemes – Não sei. O hino estava tocando, me deu uma coisa de patriotismo. Eu estudei na época em que cantava hino na escola e dava um lance, um sentimento de ser brasileiro. Aí pensei que não quero isso aí, esse Bolsonaro e tudo que ele representa para o meu país. ‘Bolsonaro, vai tomar no cu’. Não quero isso. E gritei de mim para mim mesmo. Não tinha ninguém me vendo, ouvindo. Todo mundo olhando para o jogo que ia começar. Quando deu a muvuca dos policiais, todo mundo virou. Mas o que eu estou te dizendo é que não premeditei nada. Foi um desabafo. Um dos policiais chegou a dizer: ‘você xingou a gente’. Eu rebati, porque eu tenho respeito pela polícia. Eu falei: ‘eu não xinguei vocês, eu xinguei o presidente’.

Ponte – Eles pegaram seu celular?

Rogério Lemes – Sim, mas não mexeram em nada porque tinha senha, digital. Senti que era mais no intuito de me deixar sem comunicação, de me intimidar, de deixar claro que eu estava sozinho. E você pode até me chamar de maluco, mas na hora olhei e eu estava com um relógio que é todo preto. Eu pegava o relógio e fingia que estava falando pelo relógio, do tipo, não estou abandonado não. Aí eles tiraram também o relógio de mim.

Ponte – Está com medo da polícia?

Rogério Lemes – Ontem eu estava na frente da loja que eu trabalho, passou uma viatura, eu instintivamente dei dois passos para trás. Meu colega que estava junto notou. Se eu estiver num lugar que tem polícia e puder me esconder, eu farei. Não sei. Eu já apanhei de polícia no estádio, uma vez na porta do Morumbi apanhei do Choque. Mas está tudo estranho.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. O Corinthians já se posicionou em relação à existência dessa sala? Vai fechá-la imediatamente? Espero pacientemente que sim.

  2. Nassif: o episódio só vem mostrar o quanto o Comando da PolíciaMilitar de SãoPaulo (e possívelmente de outros Estados) está mancomunada e comprometido com as Milícias do Queiroz, a favor dos Porcões, em detrimento a NaçãoCorinthiana. Querem o título a qualquer custo. E não seria só no futebol. Portanto, Corinthianos do Brasil Uni-vos contra eles, radicalmente. Abaixo daBala e sua corja de Porcões, estejam onde estiverem. Se querem guerra, que seja guerra. Em qualquer lugar, dentro e fora de campo. Possivelmente sejam ordem do Palácio do Morumbi, que o governador é Porcão. Que a resposta seja à altura. Como diz na Bíblia, “quem fere pela espada enfrenta a espada”. Lógico que por trás disso tudo indica estão os VerdeSauvas, pai da criança. Guerra é guerra, generais…

    2
    3
  3. Somos a Terra da Inocência ou a Terra da Hipocrisia? Vou aos estádios há quase 50 anos e o tratamento da PM sempre foi este com o Cidadão Brasileiro. Só que a partir do momento que as Torcidas começaram a protestar contra o Tucanistão, levando faixas, camisetas e gritos, então entrou em operação a GESTAPO TUCANA. A Patrulha da Polícia Política. Inflada e apoiada com a Máfia dos Gângsters do Monopólio de RGT. Como é fácil e rápido para o Poder Público e Legislativo promover e criar Leis para a Censura e Mordaça. Não existe mais bandeiras, nem faixas, nem camisetas, nem música, nem instrumentos musicais, nem fogos, nem nada. Sempre tem um PM por perto para ouvir o que você está gritando. Qualquer atitude diferente e você que está sendo filmado, já começa a ser patrulhado por perto. Só que está Patrulha da Gestapo Tucana existe há décadas. Mas com o aperto e mordaça do Monopólio e Tucanistão contra os protestos da Torcida por Liberdade, Cidadania e Respeito, então a CENSURA e o SARRAFO começaram a ser baixados aleatoriamente. (P.S. A mesma Polícia que não descobre, nem coíbe o FAROESTE CABOCLO e a festa de destruição de Bancos e Carros Fortes. Que não descobre onde está o Ouro.Nem descobre onde está o Assassino do Ator. Mas para bater e calar o Cidadão Brasileiro, quanta competência !!! 40 anos de Redemocracia. 30 anos de Constituição Cidadã. O que diz OAB? Nada novamente? Quanta surpresa !!)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome