ESPORTE:NEM SÓ DE BOLA VIVE O FUTEBOL

ANT: uma voz contra a elitização do futebol

publicada quarta-feira, 10/11/2010 às 10:15 e atualizada quarta-feira, 10/11/2010 às 10:07

 

por Felipe Dias Carrilho

“A religião é o ópio do povo” é uma das mais conhecidas frases de Karl Marx. Apesar da minha confessa admiração pela obra do pensador alemão, nunca consegui esconder certa ressalva em relação à sentença.

Dita isoladamente, a máxima estabelece uma regra geral para o papel social dos narcóticos e das crenças metafísicas (dito alienante), sem considerar os usos, as especificidades dos mais variados sistemas de representação mítica do universo, nem avaliá-los em perspectiva histórica.

Mas o pior acontece quando algum sabichão – geralmente metido a intelectual e esnobe – resolve adaptar a frase ao mundo da bola. “O futebol é o ópio do povo”, brada com ar de originalidade, e prossegue em sua perspicaz análise: “o Brasil não vai para frente porque o povo gosta mesmo é de pão e circo”.

Nem parece que estamos falando do esporte que um político conservador estadunidense, Jack Kemp, há alguns anos tratou de atacar de modo sintomático: “que se faça uma distinção entre o futebol norte-americano, democrático e capitalista, e o outro, europeu e socialista”. Sim, nos EUA o futebol é visto como uma atividade “suspeita”, de gente “esquerdista”.

E, como não bastassem os exemplos de resistência futebolística histórica do povo brasileiro, como da inclusão social do negro pelo exemplo de figuras emblemáticas – que vão de Friedenreich a Pelé, passando pelo goleiro Barbosa -, ou de afirmação da nossa cultura popular, com a conquista de cinco Copas do Mundo, surge agora mais um testemunho do potencial de mobilização do futebol: a ANT – Associação Nacional dos Torcedores.

Fundada há apenas um mês, dia 10 outubro, no Rio de Janeiro, a ANT é uma organização sem fins lucrativos que congrega torcedores de todos os clubes do Brasil. O objetivo geral é lutar contra a elitização do futebol brasileiro, cristalizada pela eminência da realização da Copa do Mundo de 2014 no país.

Leia também:  TRF-1 derruba afastamento de diretores da ANEEL e da ONS

Sim, o futebol é a nossa cachaça, sem a qual ninguém segura o rojão das injustiças sociais. Abaixo, alguns tópicos, que podem ser encontrados no site da associação, e que dão conta do adversário a ser batido.

“1- A exclusão do povo brasileiro dos estádios de futebol, fruto de uma política deliberada de diminuição da capacidade dos estádios, extinção de setores populares e aumento abusivo dos ingressos.

2- O desrespeito à cultura torcedora, com a extinção de áreas populares, como a geral, onde há uma tradição própria de participação no espetáculo, que inclui assistir ao jogo de pé (o que acontece na Alemanha).

3- A falta de transparência no futebol brasileiro, há décadas nas mãos de dirigentes incompetentes e corruptos; exigimos a democratização das decisões acerca do futebol brasileiro, com a participação dos torcedores; por exemplo: as sucessivas e milionárias reformas do Maracanã, feitas sem nenhuma consulta aos torcedores.

4- A exploração politiqueira do futebol visando eleger candidatos que se aproveitam da sua popularidade para conseguir mandatos contra o povo.

5- O controle das tabelas e horários dos campeonatos na mão da rede de televisão que há décadas detém o lucrativo monopólio das transmissões televisivas de jogos de futebol; horário máximo de 20h para o início das partidas durante a semana e 17h aos domingos.

6- A retirada de comunidades de trabalhadores em nome da Copa do Mundo e das Olimpíadas.

7- A falta de meios de transporte dignos durante os dias de jogos; exigimos esquemas especiais em dias de jogos”.

 

Leia também:  Brasil perde R$ 77 bilhões por ano devido a multinacionais que não pagam impostos

Felipe Dias Carrilho é historiador e autor do livro “Futebol, uma janela para o Brasil – As relações entre o futebol e a sociedade brasileira”.

Leia outros textos de Felipe Dias Carrilho

Veja também esse vídeo informativo:

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome