Estudantes americanos protestam contra reconhecimento facial

Estudantes de cerca de uma dúzia de escolas realizaram protestos pessoalmente no campus esta semana, enquanto 36 escolas assistiram a ações online, incluindo petições.

‘Proibir esta tecnologia’: estudantes protestam contra o uso de reconhecimento facial nas universidades dos EUA

Estudantes de universidades dos Estados Unidos participaram de protestos para exigir que suas escolas evitassem o reconhecimento facial no campus.

Os protestos ocorreram na segunda-feira, após uma reação liderada por estudantes e pelo grupo de direitos digitais Fight for The Future contra um programa de reconhecimento facial proposto na Universidade da Califórnia – Los Angeles (UCLA) levou a escola a reverter o curso e abandonar a tecnologia. Estudantes de cerca de uma dúzia de escolas realizaram protestos pessoalmente no campus esta semana, enquanto 36 escolas assistiram a ações online, incluindo petições.

“As faculdades estão se tornando um ponto de inflamação na luta contra o reconhecimento facial e estamos realmente vendo uma enorme onda de estudantes, professores, professores e pesquisadores se organizando em torno disso”, disse Evan Greer, vice-diretor da Luta pelo Futuro.

Em 2019, os administradores da UCLA propuseram o uso de software de reconhecimento facial para vigilância de segurança no campus. Em uma campanha contra o programa, o Fight for the Future publicou a tecnologia de reconhecimento facial em mais de 400 fotos de professores e atletas da UCLA e encontrou o software que correspondia incorretamente a 58 daqueles com fotos em um banco de dados de fotos. A maioria das pessoas mal identificadas pelo banco de dados eram pessoas de cor.

Após as mudanças da UCLA, estudantes de várias universidades dos EUA procuraram se opor aos programas propostos ou reais em suas próprias escolas. Na segunda-feira, estudantes de quase uma dúzia de escolas, incluindo a Kent State University, a DePaul University, a Yale Law School e a University of Oregon, enviaram cartas e e-mails aos administradores expressando oposição ao programa de reconhecimento facial.

Dominique Coronel, um estudante da Universidade DePaul que participou da ação, disse que foi compelido como um estudante universitário mexicano-americano de primeira geração, perturbado por deportações realizadas pela Imigração e Imposição Aduaneira dos EUA (Ice) para se manifestar contra a tecnologia.

“Agora que sabemos (Ice) provavelmente está usando reconhecimento facial, sou ainda mais obrigado a participar de campanhas para banir a tecnologia dos campi”, disse ele. “A educação deve ser um lugar seguro, mas essa tecnologia machuca as pessoas mais vulneráveis ​​da sociedade”.

Confirma-se que cerca de 10 escolas nos EUA estão usando o reconhecimento facial no campus, de acordo com dados do Fight for the Future, e ainda mais se recusaram a dizer se o estão usando. Um punhado de escolas, incluindo Harvard, Columbia, Universidade de Michigan e – mais recentemente – UCLA, comprometeu-se agora a não usar a tecnologia.

No centro da campanha, na segunda-feira, está uma tentativa de obter mais clareza sobre as escolas que usam a tecnologia e que se comprometeram a não usá-la, disse Greer, e finalmente as ações dos legisladores.

“No final, não deveria caber a um oficial de segurança do campus ou mesmo a um presidente ou administrador de uma faculdade tomar decisões como essa sem ter todos os fatos ou conhecer todos os riscos potenciais da implementação desse sistema”, disse ela. “Isso ressalta a ampla necessidade de os legisladores se despirem, fazerem seu trabalho e aprovarem legislação para proibir o uso dessa tecnologia”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora