Falta de insumos compromete produção da Coronavac

Entraves diplomáticos levaram Instituto Butantan a deixar de produzir vacinas contra covid-19, e a reduzir previsão de entrega em maio pela metade

Jornal GGN – A falta de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) levou à interrupção da produção da Coronavac, vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

“Não temos mais insumos, mais IFA, para a produção de vacinas Coronavac, que até aqui abasteceram 70% de todo o sistema vacinal do País. Não temos porque o governo da China ainda não liberou o embarque de 10 mil litros de insumos que estão prontos, destinados ao Instituto Butantan pelo laboratório Sinovac, que correspondem a aproximadamente 18 milhões de doses da vacina, absolutamente necessários para manter a frequência do sistema vacinal, acelerar e, principalmente, atender aqueles que precisam tomar a segunda dose da vacina”, disse o governador João Doria (PSDB), segundo o jornal O Estado de S.Paulo.

A falta de insumos também comprometeu o prognóstico de entrega de doses em maio: o repasse deve ser de pouco mais de 5 milhões de doses, bem abaixo dos 12 milhões inicialmente projetados. O governo de São Paulo ressalta que o cronograma de vacinação será cumprido, mas seu ritmo deve ser desacelerado para que não se tenha interrupção.

Segundo Doria, o atraso no envio de insumos pela China está relacionado às ofensas que o presidente Jair Bolsonaro e sua equipe fizeram ao país. “Todos sabem que temos um entrave diplomático, fruto de declarações inadequadas, desastrosas feitas pelo governo federal contra a China, contra o governo da China e a própria vacina. Isso gerou um bloqueio por parte do governo chinês para a liberação do embarque desses insumos.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome