Financial Times trata Bolsonaro como extravagantemente irresponsável

E existe a possibilidade de que, em meio a uma crise, as normas da política democrática simplesmente desmoronem. Trump já enervou muitos observadores políticos com suas repetidas afirmações de que a eleição de novembro será fraudada. Bolsonaro reuniu seu gabinete com generais

Do Financial Times

Coronavirus pode matar o populismo

© James Ferguson

Os populistas odeiam ser impopulares. É por isso que eles se mostraram tão ruins em lidar com o Covid-19, uma crise que não traz nada além de notícias sombrias – morte, destruição econômica e liberdades limitadas.

Donald Trump, o presidente dos EUA, e Jair Bolsonaro, o presidente do Brasil, são os dois líderes populistas mais importantes do mundo ocidental. Os resultados desastrosos de sua abordagem ao coronavírus estão se tornando aparentes. Na semana passada, o Brasil se tornou o segundo país do mundo, depois dos EUA, a registrar mais de 50.000 mortes de Covid-19 .

A característica distintiva da abordagem Trump-Bolsonaro ao Covid-19 é uma incapacidade fatal de enfrentar a realidade. Trump praticamente ignorou o vírus até janeiro, fevereiro e metade de março. Ele sugeriu várias vezes que desapareceria por mágica e que injeções com desinfetante poderiam ser um bom remédio. À medida que novos casos e mortes continuam a surgir, a mais recente ideia brilhante de Trump é argumentar que os EUA deveriam simplesmente parar de testar , na esperança de que a realidade desapareça se for simplesmente ignorada.

Bolsonaro tem sido ainda mais extravagantemente irresponsável – descartando o Covid-19 como um mero suspiro, abordando protestos anti-bloqueio e expulsando dois ministros da Saúde.

Agora os dois homens estão pagando um preço político significativo por sua incompetência. Trump está se saindo mal nas urnas , antes das eleições presidenciais de novembro. Bolsonaro também viu sua taxa de aprovação cair – em meio a discussões sobre impeachment e investigações sobre corrupção em seu círculo íntimo.

Coronavírus: Ian Bremmer sobre uma pandemia global em um mundo sem líderes
Na Grã-Bretanha, Boris Johnson tem sido mais respeitoso com o consenso científico. Mas, no início da crise, o primeiro-ministro sucumbiu a uma das maiores falhas na abordagem populista: uma perigosa relutância em agir com más notícias. Quando outras nações européias entraram em confinamento, ele proclamou que “vivemos em uma terra de liberdade” e adiou a ação . Em parte como resultado, o Reino Unido tem o maior número de mortes por Covid-19 na Europa. Em apenas dois meses, Johnson passou de popularidade recorde para um índice de aprovação negativo .

Leia também:  Covid-19 – Balanço de momento: 11,1 milhões de casos, 525 mil mortes e 5,9 milhões de altas, por Felipe A. P. L. Costa

Em contrapartida, Angela Merkel – que é detestada por Trump e muitos outros líderes populistas – passou por uma boa crise. A Alemanha tem uma das mais baixas taxas de mortalidade per capita da Europa. Quando Johnson protestou no parlamento na semana passada que não havia um único exemplo de país com um aplicativo eficaz de rastreamento de contatos, Sir Keir Starmer, o líder da oposição, respondeu com uma única palavra: Alemanha.

O contraste entre o desempenho de Merkel e o dos populistas demonstra que a capacidade de entender evidências é uma característica útil em um líder. O chanceler alemão tem doutorado em química. Por outro lado, Trump é um promotor imobiliário, Bolsonaro é um ex-capitão do exército e Johnson é formado em segunda classe em clássicos. Merkel conseguiu dar uma explicação clara e calma da matemática das taxas de infecção e agir de acordo com ela; Trump reclama que os EUA estão fazendo muitos testes. Merkel também subiu nas pesquisas – registrando seus mais altos índices de aprovação por muitos anos. Em contrapartida, o partido populista alternativo da Alemanha para a Alemanha – tradicionalmente hostil à linha do establishment em tudo, desde a UE até as vacinas – caiu.

Observando esse padrão, Francis Fukuyama, da Universidade de Stanford, especulou recentemente para a BBC : “A epidemia de Covid-19 pode realmente ajudar a ferver o populismo”. Matthew Goodwin, co-autor de Populismo Nacional – A Revolta Contra a Democracia Liberal , estabeleceu recentemente uma cadeia de eventos totalmente plausíveis, que mudariam o tom da política mundial nos próximos anos. Isso incluiria a derrota eleitoral dos senhores Trump, Bolsonaro e Johnson, a reeleição do presidente Emmanuel Macron na França e uma queda no apoio ao AfD. Coletivamente, o Sr. Goodwin sugere que isso significaria: “O liberalismo está de volta. O populismo acabou.

Leia também:  GGN Covid: no Brasil, crescimento pesado na curva de novos casos em São Paulo

A derrota de Trump em particular teria implicações globais – já que ele serviu de inspiração para os “populistas nacionais”, incluindo Bolsonaro, os governos da Hungria e Polônia e a direita radical na França, Alemanha, Itália e outros lugares.

Os liberais têm boas razões para esperar que o populismo surja gravemente danificado pelo Covid-19. Mas eles não devem comemorar tão cedo. Trump teve alguns meses muito ruins. Mas a perspectiva de uma “guerra cultural” na América – centrada em questões emotivas como raça e símbolos nacionais – poderia ajudar sua campanha.

As forças que primeiro alimentaram o populismo também não desapareceram. Como aponta Goodwin, alguns dos grupos sociais mais atraídos pelo populismo – pessoas sem educação universitária e pouco remunerados – serão particularmente afetados por uma crise econômica.

E existe a possibilidade de que, em meio a uma crise, as normas da política democrática simplesmente desmoronem. Trump já enervou muitos observadores políticos com suas repetidas afirmações de que a eleição de novembro será fraudada. Bolsonaro reuniu seu gabinete com generais e disse que os militares vão ignorar as decisões “absurdas” de remover um presidente eleito democraticamente “- uma aparente sugestão de que os militares se recusariam a aceitar um impeachment bem-sucedido no Congresso.

O populismo pode de fato ser rejeitado pelos eleitores logo após o Covid-19. Mas não há garantia de que os populistas sigam em silêncio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Os estrangeiros tratam Bolsonaro com a forma narrativa que o professor Marcos Nobre mencionou, em entrevista ao Luis Nassif, de modo mais preciso, com relação às suas atitudes: nomeando-o por irresponsável. Aliás, é mesmo terrivelmente irresponsável, inclusive é este comportamento que tem contribuído para sua queda de popularidade diante dos mais escolarizados. Bolsonaro, o irresponsável, acabou se apropriando de uma indicação da oposição, com relação aos auxílios emergenciais e acaba se escorando neles. Ocorre que o seu desleixo com a pandemia e o desespero para que a economia volte a ser pelo menos o pibinho pós-reformas, vai fazer a crise perdurar mais do que seris, caso não fosse tratado de modo irresponsável, pondo em risco o pagamento dos auxílios “mensais” pagos a cada mês e meio.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome