Governo Bolsonaro usa dados de governo petista para rebater críticas francesas

Ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores divulgam nota por conta de acordo que pode ser firmado entre União Europeia e Mercosul

Foto: Reprodução/Greenpeace

Jornal GGN – O governo de Jair Bolsonaro usou dados de desmatamento apurados durante o governo do PT para se defender das críticas recebidas pela França, por conta do acordo que o Mercosul pode ser fechado com a União Europeia.

A nota conjunta do Ministério da Agricultura e do Ministério das Relações Exteriores diz que, “em um primeiro exame preliminar sobre o relatório encomendado pelo governo francês sobre o impacto do Acordo Mercosul-UE, divulgado na última quinta-feira, o governo brasileiro observa a necessidade de aprofundar o conhecimento sobre a realidade brasileira bem como considerar os dados técnicos disponíveis sobre o tema”.

“Por ora, afirma, em primeiro lugar, que o referido Acordo não representa qualquer ameaça ao meio ambiente, à saúde humana e aos direitos sociais. Ao contrário, reforça compromissos multilaterais e agrega as melhores práticas na matéria”, diz o comunicado. “O relatório apresenta argumentos não baseados em critérios técnicos, que sugerem que a entrada em vigor do citado Acordo terá impacto ambiental negativo, ao alegadamente ocasionar elevação do desmatamento e pôr em xeque os esforços para combater a mudança do clima ao amparo de acordos internacionais”.

“O Brasil já mostrou que é capaz de aumentar sua produção de carne, soja e milho ao passo em que dimunui (sic) o desmatamento. De 2004 a 2012, o desmatamento da região chamada de Amazônia Legal caiu 83%, enquanto que a produção agrícola subiu 61%”, diz a nota conjunta. “Nesse mesmo período, o rebanho bovino cresceu em mais de 8 milhões de cabeças, chegando a 212 milhões em 2012. Esses dados inserem-se em tendência histórica de intensificação da agropecuária brasileira e dos decorrentes ganhos de produtividade, em sintonia com a preservação ambiental”.

Leia também:  Coronavírus: Comissão Europeia pede que líderes ajudem na remoção de pacientes entre Estados membros

Contudo, o período citado pela equipe de Bolsonaro engloba as gestões dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ao mesmo tempo em que omitem o aumento expressivo no desmatamento contabilizado desde o primeiro ano do atual mandato: dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) mostram que, entre 1º de agosto de 2018 e 31 de julho de 2019, foram derrubados 9.762 km² de vegetação nativa.

O número representa uma alta de 29,5% em relação ao registrado no mesmo período de 2017 a 2018 – e o maior registro para um período de 10 anos na região. O registro só foi maior no período de 2007 a 2008, quando a área atingida ficou em 12.911 km².

 

(com informações do UOL)

 

 

Leia Também
Giro GGN Queimadas: A situação do Brasil em dados do Inpe
Noruega acaba com brincadeira de satélite da Defesa e da Polícia Federal
Meio ambiente domina debates na primeira sessão plenária desde o começo da pandemia
Discurso de Bolsonaro na ONU oficializou o negacionismo como política de governo
As 12 falsificações do discurso na ONU, por Dilma Rousseff
Quem é a mulher indígena entre os 100 mais influentes da revista TIME

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Golpista é sempre golpista chefão de quadrilha o “Bozó” direita ganhou “eleições” com os “eleitores” golpistas (enganados) que tentam enganar o povo, brasileiros clamam pela volta das ESQUERDAS começando por 2020 p/prefeitos s vereadores e 2022 (Lula) (Presidente).

  2. Decerto os eleitores do atual governante consideram que as coisas boas que aconteceram durante o governo do PT foram fruto da atuação do Mito como depudado.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome