Governo incentiva aglomeração em terras Yanomamis, desrespeitando saúde e cultura indígenas

E mais: "os militares levaram 66 mil comprimidos de cloroquina despachados pela Saúde"

Jornal GGN – Deu no blog do Rubens Valente, no UOL desta sexta (17). Uma missão liderada pelo Ministério da Defesa gerou aglomerações em terras do povo Yanomami em plena pandemia de coronavírus. Enquanto cientistas recomendam distanciamento social e máscaras, mulheres de militares promoveram ações para maquiar mulheres indígenas e entreter seus filhos com pula-pula, por exemplo.

“‘Isso que fizeram foi um desrespeito total. Essa doação de roupas… O povo Yanomami não é mendigo. Pula-pula? Não precisamos de pula-pula. Provocaram aglomeração! A ação do governo foi muito errada’, disse à coluna Junior Hekurari Yanomâmi, presidente do Condisi-Y (Conselho Distrital de Saúde Yanomami e Yekuana). ‘Precisamos de apoio do governo é para conter a covid-19, que está entrando, espalhando nas aldeias'”, escreveu Valente.

Segundo o colunista, a “ação social” que desrespeita a cultura e a saúde dos povos indígenas “ocorreu nos pelotões de Surucucu e Auaris nos dias próximos da viagem que o Ministério da Defesa organizou de Brasília para a terra indígena Yanomami com servidores do Ministério da Saúde e cerca de 20 jornalistas.” E mais: “os militares levaram 66 mil comprimidos de cloroquina despachados pela Saúde — afirmam que é para combate à malária e que todos os viajantes foram submetidos a exames prévios.”

Leia mais aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora