IBGE: 382,5 mil empresas brasileiras fecharam as portas entre 2014 e 2018

O saldo afetou automaticamente o número de desempregados. Em cinco anos, 2,9 milhões de trabalhadores ficaram sem emprego

Arquivo EBC

Jornal GGN – Após a recessão econômica entre 2014 e 2016, o Brasil continuou registrando saldos negativos nos anos seguintes e o resultado desta baixa ocasionou a perda de 382,5 mil empresas no país até 2018.

A informação é da pesquisa Demografia das Empresas e Estatísticas de Empreendedorismo de 2018, divulgada ontem, 21, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Segundo o estudo, em 2018, 65,9 mil empreendimentos fecharam suas portas. O índice é maior comparado ao ano anterior de 2017, quando houve fechamento de 22,9 mil empresas.

Automaticamente, a extinção dessas empresas afetou no total de empregados. Entre 2014 e 2018, 2,9 milhões de trabalhadores ficaram sem emprego. No entanto, em 2018, o número de pessoas ocupadas com postos de trabalho subiu 0,9% em relação a 2017.

O setor de Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas teve o maior saldo negativo de empresas em 2018, com menos 88,7 mil. Já as atividades de Saúde humana e serviços sociais foi a que registrou alta nas companhias ativas naquele ano, com novas 23,8 mil empresas. 

A taxa de saída de empresas, 17,4%, também superou a taxa de entrada de 15,9%.

Empresas não duram nem uma década 

Ainda, segundo a pesquisa, das empresas fundadas em 2008, apenas 25,3% continuavam ativas após 10 anos.em 2018, a taxa de sobrevivência das empresas foi de 84,1%, já que, em relação a 2017, apenas 3,7 milhões permaneceram ativas. 

No entanto, o IBGE também apontou que em 2018  houve um aumento de 11,9% no número de empresas empreendedoras, aquelas com pelo menos 10 empregados assalariados que aumentaram as contratações acima de 20% ao ano por três anos. Na época, foram totalizadas 22.732 companhias deste tipo, interrompendo cinco anos seguidos de quedas. 

Com informações do jornal Estado de S. Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Guedes diz que se depender do governo, auxílio emergencial não será prorrogado

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome