Influentes, Pastor Everaldo e Peixoto disputaram “feudos” no governo Witzel

Preso na Lava Jato, Mário Peixoto tinha espaço nas Secretarias do Ambiente e Sustentabilidade, Desenvolvimento Econômico e de Ciência, Tecnologia e Inovação, além do Procon e da Loterj

Jornal GGN – Na eleição de 2018, Wilson Witzel era acompanhado por Pastor Everaldo e Mário Peixoto, o preso da Lava Jato que vem prestando serviços ao governo do Rio de Janeiro desde a época de Cabral e Pezão. Mas com Witzel eleito, o político e o empresário começaram a disputar espaços no governo.

Quem narrou foi Cássio Bruno, em sua coluna no jornal O Dia, em setembro de 2019:

“Não é mais segredo para quem circula pelos corredores do Palácio Guanabara a guerra pelo poder dentro do governo do estado. Pastor Everaldo, dono do PSC de Wilson Witzel, e o empresário Mário Peixoto travam uma queda de braço (cada um a seu estilo) para influenciar em nomeações de secretarias, empresas públicas e outros órgãos. Everaldo aparece mais ao lado de Witzel e tem o filho, Filipe Pereira, assessor especial do governador. Já Peixoto, citado em algumas delações premiadas da Operação Lava Jato, no Rio, atua mais no bastidor. Nunca é visto circulando em companhia dos amigos poderosos.”

De acordo com o colunista, Everaldo “tem feudos, só para citar alguns, nas Secretarias das Cidades e de Saúde, no Departamento de Estradas de Rodagem (DER), na Cedae, no Detran e na Fundação Leão XIII.”

Enquanto isso, Peixoto tinha espaço “nas Secretarias do Ambiente e Sustentabilidade, Desenvolvimento Econômico e de Ciência, Tecnologia e Inovação, além do Procon e da Loterj.”

Peixoto é dono de empresas fornecedoras da Saúde do Rio de Janeiro desde os governos Cabral e Pezão. Mesmo investigado na Lava Jato, conseguiu destravar embargos impostos a suas empresas para atuar na gestão Witzel. Há escutas indicando que o próprio governador teria conversado com Peixoto sobre a retomada das contratações.

O Ministério Público Federal desconfia que houve favorecimento a Peixoto durante a contratação de obras e serviços emergenciais por conta do coronavírus.

A relação entre Witzel e Mário Peixoto, o empresário preso na Lava Jato

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Vaza Jato confirma alinhamento da Transparência Internacional com Dallagnol

1 comentário

  1. Maioria dos que concorreram pegando onda em Bolsonaro, foram eleitos pra isso mesmo…
    para derrubar todas as barreiras que, mesmo que porcamente, ainda dificultavam a roubalheira

    podem conferir nos outros Estados e Prefeituras, mesmo esquema, pela fé de um no outro, no Deus de todos que depois de ser informado que o bicho ia pegar geral, optou por pular fora

    Sabiam que se ganhassem, e ganharam, estariam com uma verdadeira central nacional de distribuição de verbas públicas. Hoje conhecida como compra de apoio do centrão

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome