Instituto Lux, o Templário de Taubaté e a propaganda de Weintraub

Com direcionamento abertamente de direita, instituto que divulgou vídeo com “cavaleiro medieval” convocando para as manifestações do dia 15 tem professor nazista entre seus profissionais

Emílio Dalçoquio (dir.), presidente do Instituto Lux, ao lado do presidente Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Esquerda Diário.

Jornal GGN – Recentemente as redes sociais repercutiram um vídeo do chamado Instituto Lux, onde um homem fantasiado de templário – carinhosamente apelido de “Templário de Taubaté” nas redes – convoca a população para as manifestações do próximo dia 15 de março, pró-governo Bolsonaro e contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Uma pesquisa sobre o Instituto Lux mostra um pouco do perfil daqueles que apoiam o presidente Jair Bolsonaro, com alguns requintes que não podem ser ignorados.

Fundada em 2019, a Lux Brasil afirma ser uma associação suprapartidária e sem fins lucrativos, “cujos associados e quem nela é aceito defendem ideias conservadoras pautada (sic) no bem estar do indivíduo, Família e da Pátria”.

O presidente da Lux Brasil é Emílio Dalçoquio, amigo de Luciano Hang (proprietário das Lojas Havan) e herdeiro da transportadora Dalçoquio, uma das maiores transportadoras de produtos perigosos da América Latina.

Em 2014, a Dalçoquio Transportes perdeu boa parte de seu faturamento depois que a Petrobrás passou por problemas financeiros, chegando a ser vendida em 2015 e a ter sua “falência” decretada em 2016. Seu pai, Augusto Dalçoquio Neto, reassumiu a empresa em 2017, mas Emílio permanece afastado da transportadora desde 2015.

Com pensamentos e ações abertamente de direita, a entidade se diz “a fim de levar o Brasil democraticamente para Ordem e Progresso” e tem a missão de “formar, disciplinar e realizar ações coordenadas entre pessoas unidas pelos mesmos laços ideológicos”. Inclusive, o Lux Brasil chegou a divulgar um vídeo em suas redes sociais demonizando o educador Paulo Freire.

Leia também:  Fora de Pauta

Dalçoquio chegou a gravar um vídeo com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, que disse que a população “precisa se mobilizar em associações como a Lux”.

Em meio a essa divulgação, artigo publicado pela revista Fórum mostra que o buraco é um pouco mais embaixo: entre os integrantes do grupo está o professor catarinense Wander Pugliesi, um conhecido entusiasta do terceiro Reich alemão, a ponto de batizar seu filho com o nome de Adolf. Em 2014, Pugliesi se envolveu em uma polêmica quando câmeras flagram uma suástica em uma piscina na cidade de Pomerode, no interior de Santa Catarina.

Em linhas gerais, a Lux Brasil congrega pessoas ligadas à direita, mas que não vê problema em ter nazistas em suas linhas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Será possivel ??? Até Jaques de Molay ressucitou para compor as hordas do Bozo…mas, pensando bem, tem bastante pertinência com o pensamento medieval dessa sucia de histericos.

  2. Parece ser uma característica comum, empresários fracassados, subintelectuais, ressentidos sexuais, impotentes, identificados com gente poderosa e que endossam, de qualquer maneira, o modo de pensar deles. É um curto-circuito mental, quanto mais se submetem, mais impotentes serão.
    São paranoicos, ridículos, mas perigosos, tá OK?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome