IPCA fecha outubro com maior alta para o mês desde 2002

Índice oficial de preços sobe 0,86%, puxado pelo avanço dos preços dos alimentos e das passagens aéreas; inflação no ano chega a 2,22%

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A inflação oficial medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acelerou para 0,86% em outubro, superando a taxa registrada em setembro (0,64%) e chegando ao maior resultado apurado para o mês desde 2002, quando o índice foi de 1,31%. Os dados foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com isso, a inflação acumulada ao longo do ano chega a 2,22% e, em 12 meses, a variação é de 3,92%, ficando acima dos 3,14% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em outubro de 2019, o indicador havia ficado em 0,10%.

Oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados  apresentaram alta, com o destaque ficando novamente com o grupo alimentação e bebidas, tanto em termos de variação (1,93%) como de maior impacto (0,39 p.p.) – embora o resultado tenha desacelerado em relação ao resultado de setembro (2,28%).

Os dados do IBGE mostram que o grupo foi afetado pelas altas menos intensas em alguns alimentos, como o arroz (13,36%) e o óleo de soja (17,44%), que no mês anterior haviam ficado em 17,98% e 27,54%, respectivamente. Por outro lado, a alta nos preços do tomate (18,69%) foi maior que em setembro (11,72%).

Outros itens, como as frutas (2,59%) e a batata-inglesa (17,01%), também registraram variações positivas em outubro, após recuo dos preços no mês anterior. As carnes subiram 4,25%. Já no lado das quedas, destacam-se a cebola (-12,57%), a cenoura (-6,36%) e o alho (-2,65%). “Todos esses itens têm contribuído para alta sustentada dos preços dos alimentos, que foram de longe o maior impacto no índice do mês”, afirma o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

O segundo maior impacto (0,24 p.p.) sobre a inflação veio dos transportes (1,19%), principalmente, das passagens aéreas (39,83%), que contribuíram com 0,12 p.p, exercendo o maior impacto individual no índice geral. Houve alta nos preços das passagens em todas as regiões pesquisadas, que foram desde os 21,66% em Porto Alegre até 49,71% em Curitiba.

A segunda maior contribuição nos transportes (0,04 p.p.) foi da gasolina, cujos preços subiram 0,85%, desacelerando em relação à alta de 1,95% observada no mês anterior.

Entre os grupos, a segunda maior variação veio dos artigos de residência (1,53%), com a alta nos preços dos eletroeletrônicos e dos artigos de informática, influenciados pelo dólar, seguido pelo grupo vestuário (1,11%), que acelerou na comparação com o mês anterior (0,37%). Os demais ficaram entre a queda de 0,04% em educação e a alta de 0,36% em habitação.

A alta dos preços foi generalizada em todas as 16 regiões pesquisadas pelo IBGE. O maior resultado ficou com o município de Rio Branco (1,37%), devido às carnes (9,24%) e ao arroz (15,44%). Já o menor índice ficou com a região metropolitana de Salvador (0,45%), influenciado pela queda nos preços da gasolina (-2,32%).

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,89% em outubro. Esse é o maior resultado para um mês de outubro desde 2010, quando o INPC foi de 0,92%. Em setembro, o indicador havia ficado em 0,87%. No ano, o índice acumula alta de 2,95% e, nos últimos 12 meses, de 4,77%. Em outubro de 2019, a taxa foi de 0,04%.

 

Leia Também
Em pandemia, governo retira recursos do FGTS que iriam para saúde
A volatilidade do mercado e o dólar com as eleições americanas
Entenda como a autonomia do BC, aprovada pelo Senado, vai afetar sua vida

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome