Jânio de Freitas: O Brasil não tem governo e é difícil saber o que resta

Em artigo, colunista da Folha de São Paulo fala sobre a chave que o presidente deu ao eleitor – e que pode jogar sua ambição eleitoral no lixo da história

O jornalista Jânio de Freitas. Foto: Reprodução

Jornal GGN – Jair Bolsonaro ofereceu ao eleitor a chave ideal para o eleitor inseguro sobre o destino de seu voto: ver o que foi feito durante a pandemia, se o eleitor concorda ou não com o que foi feito, e se foi feito ou não aquilo que foi necessário.

Com essa possibilidade, abre-se a possibilidade de colocar Bolsonaro e sua ambição pela reeleição na lixeira da história, como explica Jânio de Freitas em sua coluna no jornal Folha de São Paulo.

“É a resposta necessária para compensar, ao menos no plano individual, o escapismo acovardado e vendilhão dos apelidados de autoridades institucionais. As figuras minúsculas incumbidas de resguardar a população, e seu país, da sanha louca que não os quer sob a proteção nem de incertas vacinas”, pontua o articulista, ressaltando que o nome do país tem sido colocado ao lado de diversas ditaduras contra os direitos das mulheres e vendo reservas como a Amazônia e o Pantanal em chamas, sem fazer muita coisa (ou nada) a respeito.

“O Brasil não tem governo. E é difícil saber o que lhe resta, inclusive vergonha”, ressalta Freitas. “Ao eleitor, é só não esquecer a ideia de Bolsonaro para escolher o voto. Mas é humilhante que o Brasil continue suportando, apenas para proveito do raso segmento de influentes, a vergonheira que se passa nos seus Poderes”.

 

 

Leia Também
Livro traz obituários de povos tradicionais da Amazônia vítimas da Covid-19
Haddad destaca a relação entre o bolsonarismo e a pandemia em coluna
Ofensivas de Salles fazem parte de estratégia para Bolsonaro trocar Ramos
Bolsonaro promoveu reunião entre advogadas de Flávio, GSI e Abin no Planalto

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Governo Bolsonaro estuda construir nova estrada na Amazônia

8 comentários

  1. O que se teme, infelizmente, é que o fato do excelente Jânio de Freitas pensar com o cérebro não impede que os eleitores do adolinquente possam pensar com o fígado.
    Ou com o intestino.

  2. É o Brasil Novo, da Nova Política, da Nota Nova no meio das nádegas, do Novo Judiciário Justiceiro de toga e cueca com a frondosa biblioteca de chromakey, do Congresso Nacional mercadista-financista e a favor da entrega do país e do empobrecimento de sua população, do governante influencer e influenciado por perfis de rede social. Parece ser pouco possível que dure mais dois anos, o que dirá passar por reeleição, após o que promete ser, mais estes dois anos.
    Muita batalha imagino, pois quanto mais enganos e tropeços governistas houverem (e haverão), mais sob ataques sua a família e amigos malfeitores, receberão, nesta batalha onde amigos já morreram (e foram mortos) e o maior medo do presidente, acredito, nem é que seus filhos sejam pegos. É que pegos, ficará mais e mais evidenciado quem foi que arquitetou, iniciou e sustentou a operação família e tradição “Em Deus pode ser que eu confie, mas a minha parte é em dinheiro vivo”.

    13
    1
  3. Nos tornamos um povo corrupto, sem ética, sem vergonha sem alma e sem patriotismo verdadeiro sr Jânio, onde parcela significativa da população, conduzida como manada por religiosos cretinos, acredita que pensar, falar ou agir de forma diferente do bando insano aboletado no planalto é coisa de “comunista comedor de criancinhas ” ou “feministas” ou “pró aborto” ou qq outra bobagem semelhante.
    Ou seja sr. Jânio; vejo muitos problemas e muito sofrimento para nós, brasileiros.
    Sr. Janio satanás nao vai embira facilmente. E quando é finalmente exorcizado deixa muita desgraça.

    11
  4. Nassif: vez outra, já te disse das restrições com que recebo textos do Jânio (colunista da DitaFolha). Pra variar, fala do novo renovado. Seu universo é daqueles que Millôr repetia (semanalmente) no PifPaf (“Povo de memória curta, …”), que ele desenha com o óbvio ululante. Voou rasante, visão curta, ilustra a cultura da EliteDeslumbrada, ávida de filosofias de parachoque de caminhão. Convenhamos, “O Brasil não tem governo. E é difícil saber o que lhe resta, inclusive vergonha” é frase de efeito. Até os VerdeSauvas (pai da bagaça) sabem disso. Ditas, talvez, a 72 duas horas da votação até pode surtir algum efeito. Mas lançada agora vai pra vala comum da “memória” da classe (“…esse é o João!”). A PenaMercenária de um Gaspari às vezes diz mais. Por isto, acho que esse tipo de aviso mais serve prá alertar a extremadireita e os aquartelada na CasernaAlvorada que prá criar uma consciência políticasocial em Pindorama, à altura de combater a bandalheira instituída pela gang da QuerênciaDeCruzAlta.

  5. Basta recordar que o Brasil nao passa de uma colonia para tudo ficar mais facil de entender, inclusive gestao publica.
    E facil: quem controla o negocio eh o dono. Se o povo nao eh o dono do negocio, os capatazes trabalham para quem eh.
    Sem isso vamos continuar nos espantando diariamente com os capatazes, sem perceber quem eh o dono.

  6. o Bozo nao trabalha e ao inves de trabalhar basta sacar o velho bordao do anticomunismo: arroz ta caro vai pra Venezuela que, por ironia do destino, comprou todo o nosso arroz.
    Enquanto isso o RJ ta como o Bozo sonhou: nas mãos da milicia…

  7. “Mas é humilhante que o Brasil continue suportando, apenas para proveito do raso segmento de influentes, a vergonheira que se passa nos seus Poderes”.
    Os perigos do conformismo nos rodeiam e nos ameaçam.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome