Jornal do Paraguai divulga proposta que a Leros, empresa associada aos Bolsonaro, fez pela energia de Itaipu

Segundo jornal ABC Color, a Leros ofereceu dividir lucros da redistribuição de energia no mercado brasileiro com a Ande, a estatal paraguaia

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O jornal ABC Color divulgou no dia 13 de agosto os termos da proposta que a Leros, empresa de energia associada aos Bolsonaro, fez à Ande, estatal paraguaia, pela energia excedente produzida em Itaipu Binacional.

O veículo divulgou um documento, datado de 27 de julho de 2019, em São Paulo, em que Kleber Ferreira, da Leros, propõe pagar à Ande 31,50 dólares por cada megawatt/hora.

Se a Leros conseguisse redistribuir a energia no mercado brasileiro ao custo de, pelo menos, 35,00 dólares por MWh, metade do lucro seria repassado à Ande.

A proposta prometia desembolsar 30% do pagamento no dia da entrega da energia, e os 70% estantes, 8 dias após o primeiro pagamento.

O acordo vem sendo investigado no Paraguai e abriu uma crise que pode levar ao encurtamento do governo Benítez.

A oposição e setores da imprensa passaram a criticar o acordo de Itaipu, alegando que os gestores da Ande e o governo admitiram termos que lesam a Nação.

A história envolve lobby da Leros para retirar do acordo de Itaipu uma cláusula que permitia à Ande vender diretamente no mercado brasileiro a energia excedente de Itaipu.

No lugar da Ande, entrou a Leros, com exclusividade e sem chamamento público para dar oportunidade a outras distribuidoras mais habilitadas para esse negócio, caso da Cemig, por exemplo. Para obter esse tratamento privilegiado, a Leros foi associada à família Bolsonaro.

A promessa, segundo apurou a imprensa paraguaia, era de que Jair Bolsonaro autorizaria a compra e revenda de energia pela Leros, passando por cima da Eletrobras, se fosse necessário. O acordo teria sido verbalizado com o presidente paraguaio.

Leia também:  Macron afirma que incêndio na Amazônia é "crise internacional" e pede que tema entre na agenda do G7

O ABC também revelou na reportagem que membros da Leros foram ao Paraguai acompanhado do empresário Alexandre Giordano, que fazia a ponte com o dito assessor jurídico do vice-presidente Hugo Velazquez, Joselo Rodrigues, um jovem advogado de 27 anos, cuja mãe tinha cargo de primeiro escalão no governo paraguaio.

Giordano é suplente do senador Major Olímpio, do PSL dos Bolsonaro, e teria usado o nome da família presidencial, segundo suspeitas dos paraguaios, para conseguir concretizar o acordo. Quando o assunto veio à tona, ele negou que tenha feito essa relação, e afirmou que entrou na negociação porque tinha interesse em vender produtos para a Leros.

O ABC também revelou outros nomes que participaram da negociação.

Em abril, segundo o site, um “voo particular chegou ao Paraguai” e a bordo estavam, além de Alexandre Giordano, Adriano Tadeu Deguirmendjian Rosa (diretor da LÉROS ENERGIA E PARTICIPACOES SA), um advogado chamado Cyro Dias Lage Net e um quarto passageiro chamado Bruno Emannuel Silva Nascimento.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Da cadeia internacional de lojas de influências…
    abuse e use do cargo e dos países vizinhos

    de onde ou de quem tiraram tanta certeza de que a Eletrobras ficaria de fora?

  2. rs…até o nome da empresa lembra a Globo-Leros
    muito rica em capital simbólico, a credibilidade do lero-lero, e paupérrima em quase tudo mais

    mais conhecida como daquelas que só mandam enterrar quando têm certeza que não vão poder ganhar nada com o defunto

    7
    1
  3. Cada vez que alguém revira esse assunto fede ainda mais. Vamos ver até quando a mídia brasileira vai manter o bloqueio em torno do papel central da Leros e da família Bolsonaro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome