Jovem apresentada em documentário da Netflix sobre agressão sexual comete suicídio

Daisy nunca conseguiu reparação na Justiça pelo abuso que sofreu quando mais jovem. O documentário da Netflix mostra outra jovem na mesma situação, que já havia tirado a própria vida

Da CNN (USA)

Daisy Coleman, cuja alegação de agressão sexual e assédio resultante foi registrada no documentário da Netflix “Audrie and Daisy”, morreu por suicídio na terça-feira, confirmou a mãe no Facebook. Ela tinha 23 anos.

“Ela era minha melhor amiga e (uma) filha incrível”, escreveu Melinda Moeller Coleman. “Eu acho que ela teve que fazer parecer que eu poderia viver sem ela. Eu não posso. Eu gostaria de ter tirado a dor dela!”

A morte de Coleman ocorre oito anos depois que ela acusou um colega de escola de agressão sexual quando tinha 14 anos em sua cidade natal, Maryville, Missouri.

O estudante, Matthew Barnett, foi preso e acusado de agressão sexual. A acusação foi retirada dois meses depois, quando o promotor do condado de Nodaway disse que não havia provas suficientes. O advogado de Barnett disse que seu cliente cooperou com as autoridades e argumentou que o sexo era consensual.
Barnett finalmente se declarou culpado de uma acusação de contravenção por pôr em perigo o bem-estar de uma criança e foi condenado a dois anos de liberdade condicional.

Depois, a mãe de Coleman disse que a família recebeu ameaças e que ela foi demitida de seu emprego como veterinária em uma clínica.

Em abril de 2013, sua casa em Maryville – que estava vazia e à venda – foi incendiada. O oficial de incêndio estadual disse que “devido à natureza insegura da estrutura, um exame detalhado não pôde ser realizado e essa perda de incêndio está sendo listada como indeterminada”.

Leia também:  Giro GGN: As notícias do Brasil e do Mundo

A cobertura da mídia sobre o caso, bem como um apoio do grupo ativista online Anonymous, provocou indignação e protestos exigindo “Justice for Daisy” em 2013.

Coleman foi apresentado no documentário da Netflix em 2016 “Audrie and Daisy”, que focava no suposto assalto e no trauma resultante e assédio online contra a família. O documentário também contou a história de Audrie Pott, uma menina de 15 anos que supostamente foi estuprada em uma festa em casa e depois se matou dias depois.

O filme ganhou o Peabody Award como “um conto honesto, comovente e oportuno sobre agressão sexual e mídia social, e as repercussões que isso pode ter na vida jovem”.

A SafeBAE, uma organização co-fundada por Coleman com a missão de acabar com a agressão sexual entre estudantes, disse que ficaram chocados e tristes com a perda.

“Como todos os nossos apoiadores sabem, Daisy lutou por muitos anos para curar seu ataque e evitar futuras violências sexuais entre adolescentes. Ela era nossa irmã neste trabalho e grande parte da força motriz por trás disso” , escreveu a organização no Twitter.

“Ela tinha muitos demônios de enfrentamento e estava enfrentando e superando todos eles, mas como muitos de vocês sabem, a cura não é um caminho reto nem fácil. Ela lutou mais e mais do que jamais saberemos.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome