Juiz ordena Uber classificar motoristas como funcionários, na Califórnia

Companhia planeja recorrer da decisão, que as obrigaria a oferecer benefícios adicionais aos motoristas

Foto: Reprodução

do Huffpost 

Juiz ordena que Uber e Lyft classifiquem motoristas como funcionários de acordo com as leis da Califórnia

por Sarah Ruiz-Grossman

Um juiz da Califórnia concedeu uma liminar na segunda-feira exigindo que as principais empresas de carona Uber e Lyft classificassem seus motoristas como empregados, em vez de contratados independentes – o que significaria que as empresas teriam que oferecer benefícios adicionais.

Na decisão, o juiz de São Francisco acusou as empresas de uma “recusa prolongada e descarada de cumprir as leis da Califórnia”, dizendo que “já era hora de enfrentarem suas responsabilidades para com seus trabalhadores e para com o público”.

O projeto de lei 5 da Assembleia da Califórnia, sancionado no ano passado e em vigor desde janeiro, esclareceu as condições sob as quais os trabalhadores devem ser considerados empregados e, portanto, têm direito a benefícios como salário mínimo, seguro-desemprego e invalidez, direito de formar um sindicato e muito mais .

Uber e Lyft têm lutado contra a medida. Os resultados financeiros das empresas serão drasticamente afetados se milhares de motoristas forem reclassificados como funcionários e com direito a benefícios como horas extras ou licença médica remunerada e licença familiar.

A liminar de segunda-feira foi concedida como parte de uma ação judicial do procurador-geral da Califórnia, Xavier Becerra, movida em maio contra Uber e Lyft por não reclassificar seus motoristas como funcionários de acordo com a nova lei estadual.

No entanto, a liminar ficará “suspensa” por 10 dias, período em que as empresas poderão recorrer da decisão. Ambas as empresas disseram em declarações na segunda-feira que planejam entrar com recursos “imediatos”.

O Uber e o Lyft também investiram dezenas de milhões de dólares em uma iniciativa de votação em todo o estado para que os eleitores da Califórnia decidam se as empresas podem isentar seus motoristas da legislação. As empresas afirmam que a nova lei não permite que elas dêem flexibilidade aos motoristas para escolher seus horários e horários.

O procurador-geral da Califórnia insiste que isso não é verdade.

“Durante esta pandemia global, é ainda mais importante para os motoristas ter acesso a proteções como seguro-desemprego”, disse o procurador da cidade de São Francisco, Dennis Herrera, em um comunicado. Seu escritório faz parte do processo contra o Uber, junto com os procuradores de San Diego e Los Angeles. “Não existe uma regra que impeça esses motoristas de continuarem com toda a flexibilidade de que desfrutam atualmente. Ser devidamente classificado como funcionário não muda isso. ”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Marco Aurélio atende AGU e suspende depoimento presencial de Bolsonaro

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome