Lava Jato ameaça delator que não implicou filho de Lula

Imprensa trata situação não como pressão descabida em cima de delator para que siga o script da Lava Jato, mas como caso de "omissão de fatos" contra os Lula da Silva

Jornal GGN – Léo Pinheiro, da OAS, não teve benefício nem benevolência na Lava Jato enquanto não alterou seu depoimento para agradar a força-tarefa em Curitiba, implicando Lula. A fala pesou decisivamente na condenação do ex-presidente no caso triplex. Agora, a história se repete, mudando o delator e o delatado.

Segundo a Folha de S. Paulo desta quarta (29), o delator Otávio Azevedo, ex-executivo da Andrade Gutierrez, corre o risco de ter o acordo de colaboração rescindido. Motivo: não apontou corrupção nas relações da empresa (controladora da Oi) com a Gamecorp de Fábio Luis, filho de Lula.

No final de 2019, depois que Lula saiu da prisão em Curitiba, a força-tarefa liderada por Deltan Dallagnol, em parceria com a Polícia Federal sob Sergio Moro, lançou a fase ostensiva da operação Mapa da Mina, que tenta descobrir qualquer corrupção nas relações da Gamecorp com a Oi.

Na narrativa inventada pela Lava Jato para tentar manter a apuração em Curitiba, Lula supostamente beneficiou a Oi quando era presidente da República e, em troca, a empresa investiu ou contratou projetos da Gamecorp. E os sócios de Fábio Luis, Jonas Suassuna e Fábio Bittar, supostamente usaram os recursos para comprar o sítio de Atibaia.

As relações da Oi com Gamecorp já foram investigadas em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, no passado, e os processos foram arquivados por falta de provas. Agora, a Lava Jato desarquiva a narrativa e busca desesperadamente qualquer elemento para sustentar uma nova penal que atinja Lula. E recorrer a uma delação premiada é o que fazem de melhor.

Leia também:  Ex-presidente Lula volta a virar réu na Lava Jato do Paraná

O acordo de Azevedo com a Lava Jato foi fechado com a Procuradoria-Geral da República, que não quis se manifestar sobre a pressão para revisar o termo e implicar a família de Lula.

Já a força-tarefa de Curitiba mandou um recado para Azevedo por meio da reportagem da Folha: “Qualquer colaborador que omita fatos pode ter seu acordo rescindido e ficar sujeito a todos os rigores da lei.”

É assim que a imprensa está tratando a situação. Não como pressão em cima de delator para que siga o script da Lava Jato, mas um caso de “omissão de fatos” contra os Lula da Silva.

Procurada, a defesa de Fábio Luís afirmou que investigar um delator com acordo já estabelecido há 4 anos só mostra que o Ministério Público “chega ao ponto de ir contra um acordo homologado na Justiça para atingir seus objetivos.”

Já os advogados de Azevedo afirmaram que ele jamais se recusou a responder a qualquer tipo de questionamento sobre as relações da Andrade Gutierrez, que era uma das controladoras da Oi, com a Gamecorp, “tendo manifestado por diversas vezes sua disposição para tratar de todos os temas”.

Além disso, a defesa do delator lembrou que “a operação de compra e os aportes de investimento na empresa Gamecorp já foram investigados e arquivados.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. mais um comprovação de que vivemos ainda num estado de exceção…
    a inquisição rola – as bruxas ou o macartismo-fascismo- na terra tingui…
    as gélidas bruxas desfiam e martelam cruéis e virulentas infâmias mas depois que Deus disse que não mais estaria ausente o feitiço virará contra o feiticeiro e desmascarará as mentiras do manual hodierno da perseguição do malheus maleficarum tupinicínico…
    parafraseando o humorista gregorio duviviver, pelo jeito não adianta desesperar-se
    – Transem e fodam muito,irmãos.,aleluia!

  2. …..e qualquer fato/mentira solicitado para respaldar os mentiras da republica de curitiba deve ficar sujeito aos rigores da lei.
    PQP, na lógica destes criminosos quem usa a OI é cúmplice das falcatruas?

  3. parece inacreditável, mas eles estão repetindo a história de que “não possuem fatos, mas têm evidências…”. e a imprensa repercute adoidado. dá uma raiva tão grande um negócio desses que eu, simplesmente, não sei o que fazer além de ficar muito, muito revoltado.

  4. caros, só para informar porque parece que há um defeito por aí. pela PRIMEIRA vez enviei um comentário. e recebi a resposta de que já havia enviado um texto com aquele teor!!!
    abraço

  5. Penso que Dallagnol, Januário, toda sua gang e Moro ainda estão livres da cadeia porque parte significativa do judiciário brasileiro , centenas, talvez milhares de servidores públicos e políticos, têm rabo preso e temor até pavor profundo de Moro e da República de Curitiba que é a maior chantagem a céu aberto da história brasileira! Não existem “delações judiciais”, o que existem são “chantagens judiciais”! Provem o contrário, sem chantagem!

    6
    1
  6. A tal mídia nem deveria mais ser chamada assim, há décadas não representa o bom jornalismo…..deveriam ser chamados de gangues, quadrilhas, mercenários, sabujos que são dos abutres do rentismo e interesses estrangeiros…..chamar essa trolha de mídia é mentir aos quatro ventos…..

  7. Temer……livre como o ar…..
    Aecim…..discreto, mas rindo sozinho….
    Serra…….ninguém sabe, ninguém viu…..
    Paulo Preto…….logo,logo nas paradas, com a bufunfa preservada…
    Eliseu Padilha, Gatinho Angora,Jucá e toda tropa……de boas…..
    Tem o Gedel, que não demora muito, ta nas paradas (esse é mané ate disser chega……)
    Mas eles vão arrumar uma parada do primo(em terceiro grau)do vizinho do amigo da tia do Lula…..
    Vale qualquer uma…….
    Da para chamar o que temos aqui de Justiça?Com J maiúsculo?Não né……..
    PS:E para aqueles que acham que vão deixar Lula se candidatar a alguma coisa……vereador de São Bernardo não rola…ta tudo dominado….e faz muito tempo…..

  8. Do Antagonista:

    O Ministério Público Federal em São Paulo denunciou Lula e Guilherme Boulos pela invasão do tríplex do Guarujá (SP), em 16 de abril de 2018, por um grupo ligado ao MTST.

    A ocupação do famoso apartamento ocorreu cerca de uma semana após a prisão do ex-presidente, que incentivou o ato como forma de protesto.

    Condenado por improbidade administrativa, Lindbergh tem direitos políticos suspensos

    https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/condenado-por-improbidade-administrativa-lindbergh-tem-direitos-politicos-suspensos/

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome